Confira dicas valiosas para fazer seus livros durarem por muitos anos

Como são feitos de papel, um material frágil, os livros são muito fáceis de estragar

naom_5632571f1f467.jpg

Quem tem livros em casa sabe o quanto estes objetos são viciantes. Os aficcionados por livros são muito apegados e muito cuidadosos com seus pertences, pois pretendem mantê-los em bom estado por muitos anos.

Como são feitos de papel, um material frágil, os livros são muito fáceis de estragar. Eles podem ter fungos, ficarem cheios de poeira, manchar, ter traças e serem difíceis de limpar. Por esta razão, é essencial manter certos cuidados, a fim de mantê-los por anos ou até mesmo décadas. Confira alguns truques de conservação disponibilizados pelo UOL:

1. Tire o pó pelo menos a cada 15 dias – o ideal é uma vez por semana – passando uma trincha ou escova macia sobre o topo das folhas de cada exemplar. Para uma limpeza profunda, passe a escova página por página.

2. Use luvas e máscaras durante a limpeza, para se proteger do pó e também para não pegar nos livros com as mãos, além de manter o ambiente arejado.

3. Em livros encapados, passe álcool gel ou solução de álcool com vinagre, com pano macio. Os cheiros ácidos afastam fungos e pragas.

4. Não esqueça da estante: tire todos os exemplares, passe aspirador ou espanador e, em seguida, um pano úmido com a solução acima. Espere secar bem para colocar os livros de volta.

5. Guarde os livros em pé, em local seco e que não leve sol diretamente. Caso não seja possível colocá-los em pé, deite-os mas nunca empilhe mais do que três unidades.

6. Ao organizar, dê preferência pelo estilo literário, assunto ou autor. Em grandes bibliotecas, use etiquetas para identificar mais fácil. Use aparadores para manter os exemplares em pé.

7. Para mantê-los longe de pragas, higienize sempre e garanta uma boa ventilação. Use ventiladores ou circuladores de ar para isso.

8. Sachês de cânfora, naftalina, potinhos de cravo-da-índia, folhas de louro ajudam a manter os fungos e traças longe.

9. Caso seus livros sejam infestados por pragas, recorra a uma dedetização.

10. Para eliminar as manchas amareladas que podem vir a ocorrer, segure o livro fechado firmemente e use uma escova macia para limpar as bordas das páginas. Para manchas persistentes, passe com muito cuidado, sobre a sujeira, um cotonete levemente umedecido em água sanitária.

11. Edições raras e antigas devem ser limpas por pessoas especializadas, como bibliotecários ou restauradores.

12. Puxas o livro pela lombada superior faz com que a lombada se rompa com o tempo. O ideal é pegar o volume segurando-o pela parte central da encadernação.

13. Jamais pegue nos livros com as mãos sujas nem apoie os cotovelos sobre as edições antigas. Apesar de óbvio, ainda vale ressaltar: nunca dobre os exemplares.

14. Nunca, jamais use fitas adesivas ou colas para consertar os livros.

15. Grampos e clipes estragam as páginas, ainda mais se forem daqueles que enferrujam com o tempo. Para marcar as páginas, use marcadores próprios para este fim e o mais finos possível. Se precisar fazer anotações, recorra a papeizinhos autoadesivos.

16. Por fim, umedecer os dedos para virar as páginas vai manchar e estragar os livros.

Fonte: Ao Minuto

Ovid oferece recursos audiovisuais para facilitar o acesso à plataforma

resizedimagewzywmcw0mjvd-finger-769300-1280.jpg

O Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) proporciona à comunidade acadêmica brasileira o acesso gratuito a bases de dados da Ovid Technologies – considerada uma das editoras líderes na área de pesquisa médica. Fazem parte do acervo da biblioteca virtual as seguintes ferramentas: Ovid Journals, Medline 1946 to Present with Weekly Update e Medline Daily Update.

Com a intenção de facilitar o acesso ao conteúdo pelo público brasileiro, a Ovid criou um Centro de Recursos em Português, com vídeos, apresentações, guias de referências e formas de contato com o suporte técnico. Por meio dos recursos audiovisuais fornecidos pela editora, é possível conhecer melhor os mecanismos da plataforma, como, por exemplo, as formas recomendadas para realizar pesquisas básicas e avançadas. Também está disponível uma página com recursos em espanhol, com a mesma finalidade de capacitar os usuários.

ovid-centro de recursos em portugus.png

Pela Ovid Collection Journals, os usuários do Portal de Periódicos têm acesso a 146 títulos de revistas científicas nas áreas de Ciências Biológicas e Ciências da Saúde, com foco em medicina, ciência e tecnologia. A base oferece texto completo de artigos, além de imagens, gráficos e outros materiais. A disponibilidade do acervo varia a partir de 1827 até o presente.

A Ovid Medline cobre a literatura internacional em biomedicina, incluindo campos da saúde relacionados e ciências biológicas e da vida, humanidades, ciência da informação e outros campos que dizem respeito a medicina e cuidados médicos. A base abrange 5400 periódicos, com acesso a referências e resumos.

É possível filtrar o conteúdo da Medline, utilizando a estrutura de organização que separa os materiais em “Medline 1946 to Present with Weekly Update” e “Medline Daily Update”. Todos os conteúdos podem ser localizados na opção Buscar base do Portal.

Fonte: Periódicos Capes

Acervo de Recursos Educacionais em Saúde

logo_google_menor_0.png

O Acervo de Recursos Educacionais em Saúde – ARES disponibiliza recursos educacionais desenvolvidos para o ensino-aprendizagem de trabalhadores da saúde. No link abaixo você encontra vídeos, textos, imagens, entre outros conteúdos, para atender às necessidades de formação e capacitação desses trabalhadores.

Acesse: ares.unasus.gov.br

Como ler um audiolivro?

audiolivro-gratis.jpg

Você sabe o que são audiolivros? Imagine então uma pessoa lhe contando uma história. Audiolivros são, simplesmente, livros em formato de áudio, falados, geralmente gravados em estúdio e disponibilizados em formato mp3 ou com o áudio embutido no livro virtual.

Este formato de livros tem ganhado muitos adeptos no mundo, principalmente por pessoas que trabalham em vários horários e não tem tempo de parar e se dedicar à leitura de um livro. Se você se encaixa nesse perfil, ou tem dificuldades para parar e se concentrar em um livro inteiro, essa pode ser uma excelente alternativa!

As narrações de um audiolivro são feitas por um ator/dublador/narrador profissional e seguem exatamente o conteúdo escrito. Após todas as edições, alguns audiolivros ainda recebem efeitos especiais de som e trilhas sonoras!

Por que ler e ouvir um audiolivro?

Para muitas pessoas a leitura é uma atividade solitária e maçante, já que o leitor precisa parar o que estiver fazendo e concentrar-se somente na leitura. Já outros não tem tempo. O audiolivro possui a grande vantagem de poder ser ouvido enquanto você faz uma caminhada, ou quando está no carro, no trânsito para o seu trabalho.

Enquanto ouve, a pessoa também pode acompanhar a história lendo e, nesse caso, ambos os estímulos (visual e auditivo) ajudam a manter a concentração e a entender melhor a história. O audiolivro também pode ser uma excelente opção de estudo, uma das formas que tem ganhado mais força nesse meio educacional.

Para quem está aprendendo um novo idioma, ler e ouvir um audiolivro também pode ser uma grande estratégia de aprimoramento do vocabulário e para aprender a pronúncia das palavras.

Para quem deseja ouvir no celular ou no carro, existe também a opção de se adquirir um audiolivro sem o conteúdo de leitura, somente a narração, o que economiza dinheiro e espaço. Outro benefício do audiolivro é que, por ser em formato digital, geralmente é bem mais barato que os livros convencionais!

Como procurar um audiolivro?

É possível hoje encontrar audiolivros nos mais diversos estilos, desde os didáticos, como mencionados, até os clássicos da literatura. Para os assinantes da Netflix, a plataforma disponibiliza um catálogo com mais de 1000 títulos diversos de audiolivros.

Com uma busca simples na internet, você consegue encontrar sites com acervos de audiolivros em diversos idiomas. Até mesmo no seu smartphone, é possível encontrar milhares de audiolivros gratuitos, acessando apenas a sua loja virtual (App Store, Google Play, Windows Store) e buscando por audiolivros. Nas lojas virtuais das principais livrarias (Saraiva, Cultura, Amazon, Fnac, etc.) você também encontra um grande acervo a preços acessíveis.

Além dessas bases, existem na internet alguns sites interessantes para download:

  • Free Classic Audio Books – Nesse site é possível encontrar milhares de audiolivros em formato mp3 e mp4 (Ipod) para download. Dentre grandes clássicos da literatura, estão obras de Charles Dickens, Virginia Wolf e Jane Austen.
  • Books Should be Free – Para quem está aprendendo ou aprimorando uma nova língua, o interessante dessa página é que você encontra audiolivros em mais de 20 idiomas diferentes.
  • Universidade Falada – Aqui, há um enorme acervo de audiolivros gratuitos em variados estilos literários e matérias didáticas.
  • Org – Aqui você encontra livros em formato de áudio de diversos autores da literatura portuguesa e brasileira, além de contos e poesias. Confira clássicos de Machado de Assis, Eça de Queiroz, Camões, José de Alencar, etc.
  • Livros Narrados – Esse blog é especializado em audiolivros. Aqui estão reunidos diversos audiolivros principalmente de autoajuda, sobre liderança e empreendedorismo, alguns best-sellers para download totalmente gratuito. Também há livros da literatura brasileira, romances, ficção e livros religiosos/espiritualistas.

Faça bom proveito de todo conteúdo.

Fonte: Canal do Ensino

Pedidos realizados entre 17/08 e 19/08 de empréstimo interbibliotecas devem ser refeitos

1
Informamos que devido a uma falha interna, todas as solicitações de empréstimo interbibliotecas realizadas entre 17/08/2016 a 19/08/2016 não foram recebidas.
Solicitamos que os pedidos realizados neste período sejam refeitos.
Qualquer dúvida entre em contato conosco através do telefone (54) 3218-2173 ou pelo e-mail bice@ucs.br

Conheça “Arte de Pajaros”, uma das obras raras da Biblioteca Central

sistema-de-bibliotecas-ucs-seo-de-obras-raras-1-638.jpg

O Blog de Processo Técnico da Biblioteca Central da UCS está apresentado mais uma obra do seu acervo de obras raras. Desta vez, trata-se da edição prínceps do livro:“Arte de Pajaros”, do renomado poeta chileno Pablo Neruda, publicado em 1966. Para obter mais detalhes, ou para conhecer o livro, veja a publicação.

Outras obras como “A esthetica da vida”, de Graça Aranha (1920) e “Historias da meia noite“, de Machado de Assis (1873), também já estão lá. Confira a seção OBRAS RARAS do blog.

Uma micro-biblioteca feita de embalagens de sorvete

SHAU-microlibrary-taman-bima-01.jpg

A fachada de uma micro-biblioteca em Bandung, Indonésia, foi construída com mais de 2.000 caixas de sorvete. Este projeto original quer incentivar o interesse das pessoas pelos livros ao oferecer um espaço dedicado à leitura e à aprendizagem.

Localizada numa pequena praça usada pela comunidade local para momentos de convívio e atividades desportivas e sendo construída no ar quase como um espaço flutuante, esta biblioteca adiciona espaço em vez de roubar área ao terreno.

A praça está localizada entre um bairro de classe média e um bairro social, servindo assim de ligação entre toda a comunidade. Para além do design inovador, a biblioteca oferece sombra e proteção da chuva.

1431au9-1024x683.jpg

De acordo com informação no portal ArchDaily, as caixas de sorvete foram escolhidas para fazer as paredes por serem um material econômico mas também devido ao clima tropical de Bandung, que ronda uma média de 23º C durante todos os meses do ano, com picos de 32º C.

Nesta zona, para manter os sítios fechados frescos é normalmente necessário ar condicionado, mas com esta solução do atelier de arquitectura SHAU o espaço fica bem ventilado uma vez que o fundo de algumas das caixas foram cortados, enquanto outras ficaram fechadas. Esta solução permite que o ar circule por todo o espaço e que entre a quantidade certa de luz.

11890601_1167200019962558_5182222000191452531_o-1024x565.jpg

Os responsáveis do projeto escreveram, na fachada, uma mensagem através de código binário, usando as caixas abertas para simbolizar o zero e as caixas fechadas para simbolizar o um. As palavras elegidas foram “buku adalah jendela dunia”. Em português significam “os livros são a janela para o mundo”.

O espaço foi desenhado pela firma de arquitetura SHAU, dedicada a encontrar “soluções de design inovadoras que incorporam preocupações sociais e ambientais no processo de design”.

Fonte: Livros e Pessoas

Sugestão Literária: “O segredo de Emma Corrigan”, de Sophie Kinsella

Mais uma edição do Sugestão Literária, projeto realizado pelas Bibliotecas da UCS, a fim de conhecer o que seus funcionários leem e recomendam para a comunidade acadêmica. Desta vez, Márcia Pegorini fala da sua experiência com o livro “O Segredo de Emma Corrigan”.

41IqZnfV33L._SX324_BO1,204,203,200_.jpg
A vida de Emma Corrigan não é extremamente um livro aberto. Ela tem segredos que não revela para ninguém, muito deles sobre o seu trabalho e namorado. No entanto, durante uma viagem de avião repleta de turbulências, ela pensa que vai morrer e acaba contando todos os segredos para o bonitão ao lado.

 

 

A funcionária afirma ter lido o livro através de uma indicação e que leituras leves e divertidas, mas que passem uma mensagem, lhe chamam atenção. Acredita, ainda, que todos nós temos segredos não revelados, assim como a protagonista Emma Corrigan.

Com o término da leitura, Márcia reflete sobre o fato de quando estamos diante de uma situação complicada, dizendo para não nos apavorarmos perante a ela. Além disso, sugere ainda que outras pessoas não devam saber de nossas experiências, uma vez que cada um está inserido em seu próprio contexto de vida.

A indicação do livro pela funcionária tem um bom motivo: uma leitura que provoca a reflexão de nossa própria existência. Nossas palavras podem voltar contra nós, e o amor pode acontecer quando menos se imagina, conta ela ao descrever o livro.

Por fim, Márcia valoriza a leitura “… nos traz mensagens para refletir sobre nossa conduta diante das pessoas e dos fatos.”

O livro está disponível em nossa acervo. Confira!

 

Exposições do Campus 8 integram a 9ª Semana da Fotografia de Caxias do Sul

IMG_2167-2-Ilka-Filippini-768x513.jpg

Desde o dia 10 de agosto, o Campus 8 – Centro de Artes e Arquitetura está contando com duas exposições que integram a programação da 9ª Semana da Fotografia de Caxias do Sul, promovida pela Prefeitura de Caxias do Sul, por meio da Unidade de Artes Visuais da Secretaria da Cultura: “Ásia, Sudeste…”, de Ilka Filippini e “Os Fios de Luz”, de Clara Koppe.

As imagens que compõem a exposição fotográfica “Ásia, Sudeste…” foram capturadas durante viagem realizada por Ilka Filippini, em janeiro de 2014, durante sua participação na Art Tour – Uma viagem de contemplação e arte, com foco na arte budista e tribal, guiada por Tiffani Gyatso, pintora de Tankas (pintura do Budismo Tibetano) e artista contemporânea.

Durante a viagem, Ilka visitou a Tailândia, Mianmar ou Birmânia, Vietname e Camboja. Entre os objetivos da exposição, segundo Ilka, está o de sensibilizar as pessoas sobre as diferenças dos povos do Sudeste Asiático em relação aos povos do Ocidente, “buscando lançar questões sobre a nossa própria cultura e, dessa forma, gerar sentimentos de compaixão e amor entre os seres”. Essa exposição poderá ser visitada de até 31 de agosto, na Galeria de Arte do Campus 8.

Já a exposição “Os fios de luz”, de Clara Koppe, tem texto de apresentação do professor Dr. Jayme Paviani e expografia de Valéria Rheis. Trata-se do resultado do trabalho, iniciado em 2013 e desenvolvido até hoje, sob a orientação da artista visual Anico Herskovits. As composições fotográficas apresentadas na exposição surgiram de imagens descartadas de fotografias Pinhole produzidas pela artista e que foram recortadas, coladas e costuradas nos anos de 2015 e 2016. As fotografias foram construídas sobre traços arquitetônicos, bicicletas, ferros velhos, manequins e outras imagens reais, de dimensões urbanas, imagens pensadas, dirigidas por fios que funcionam como focos de luz que vão ao encontro do belo. A exposição poderá ser visitada também até 31 de agosto, no hall inferior do Campus 8.

DSC3638-Clara-Koppe-Crédito-Foto-Itália-1024x238.jpg

Fonte: UCS (adaptado)

Startup francesa cria livro que adapta história ao leitor

imagem-do-romance-policial-chroniques-dabime-no-aplicativo-lancado-pela-via-fabula-1466171580377_615x300.jpg

Imagem do romance policial “Chronique(s) d’Abîme” no aplicativo lançado pela Via Fabula

Dizem que a pessoa que se identifica com a história que lê sempre chega ao final dela. Com base nisso, foi criado na França um aplicativo que se adapta ao gosto, à vida e à personalidade de cada leitor.

Assim, a história pode variar se o leitor for homem ou mulher, se estiver ou não em um relacionamento, e até mesmo dependendo do lugar em que o livro for lido. A invenção é da Via Fabula, uma startup francesa que desenvolve um aplicativo de livros digitais. “Nós não fazemos livros interativos, mas adaptativos”, comentou Bruno Marchesson, fundador do projeto.

A diferença, segundo explicou, é que as histórias interativas permitem que o leitor escolha o que quer ler, e nas “adaptativas é o livro que escolhe a história que será mostrada ao leitor e que será adaptada a seus gostos e interesses”.

Para isso, o leitor deve baixar gratuitamente o aplicativo, que já conta com mais de 1,1 mil usuários desde que foi lançado, no início deste ano. Depois, é necessário associar a conta a um perfil no Facebook ou preencher um simples questionário e permitir que o aplicativo identifique sua localização geográfica.

Feito isso, já é possível começar a ler o romance policial “Chronique(s) d’Abîme” (“crônica(s) do abismo”), que apresenta o primeiro capítulo adaptado à hora e à cidade do leitor, embora por enquanto só esteja disponível na versão francesa.

No entanto, para ter as adaptações que o aplicativo propõe é preciso pagar, como com qualquer livro digital ou de papel, para continuar com a história. O custo é de US$ 4,99, dos quais 30% vão para a plataforma de download, outros 30% para Via Fabula e os 40% restantes para o autor. “É uma verdadeira vantagem para os escritores, pois habitualmente as editoras pagam apenas 10% das vendas a eles”, comparou o empresário.

O escritor Marc Jallier, especializado em terror, foi o escolhido para fazer o piloto deste projeto, apesar de “Chronique(s) d’Abîme” já ter sido publicado há mais de dez anos.

Marchesson contou que o escritor decidiu trabalhar com a Via Fabula pelo desafio de escrever seis histórias diferentes que partissem de uma mesma base, com nove finais alternativos e 150 variações no desenvolvimento da história.

“Uma vez ele escutou um de seus leitores dizer que tinha gostado de um livro, mas não do final. Então, quando começamos a trabalhar, lembrou desse episódio e quis tentar não um final diferente, mas muitos mais”, disse.

Isso ocorreu há dois anos e, desde então, Marchesson, que é engenheiro informático, começou a trabalhar com o escritor. Depois, vieram seus dois atuais sócios: o desenvolvedor Rémy Bauer e a web designer e diretora geral Aurélie Chavanne. Após seis meses de trabalho coletivo, o projeto ficou pronto.

“Tudo funciona com um algoritmo que se encarrega de introduzir as variações da história, a partir de uma plataforma informática que muda de forma dinâmica para cada leitor”, detalhou Marchesson.

De acordo com o fundador do projeto, a equipe da Via Fabula “trabalhou com os códigos e a programação” e a diversão ficou com o escritor, que “saiu de sua zona de conforto e pôde explorar verdadeiramente sua criatividade para desenvolver o que pode ser uma nova forma de literatura”.

A Via Fábula trabalha agora na publicação de dois novos livros. Um deles será ilustrado e infantil, que pode ser lançado em breve, segundo Marchesson, para “conquistar” mais crianças e “animá-las para que leiam desde os primeiros anos”.

O segundo será de ficção científica e deve ser disponibilizado até o fim deste ano. “É um documentário de ficção, ou seja, vai ser baseado em histórias reais, mas o ponto de vista de cada personagem mudará de acordo com os desejos dos leitores”, explicou Marchesson.

Fonte: UOL 

Acervo do Herbário da UCS está disponível em bases de dados nacionais e internacionais

Até hoje, nossa coleção já foi utilizada 3.761.857 vezes! Somente neste ano já foram 1.098.191 acessos, com 1.127.715 downloads dos dados completos”, comemora Felipe Gonzatti, curador do Herbário da UCS.

Claudia-Velho-0327-1024x611.jpg

Uma grande biblioteca de plantas secas, que se destina à pesquisa científica, pode ser a definição de um Herbário, que hoje está longe de ser somente uma coleção de plantas secas. Pelo menos é assim com o Herbário da UCS, fundado em 1983 – completando seus 33 anos – que conta com um acervo de 45 mil exemplares e ocupa a 4ª maior coleção do Rio Grande do Sul. Atualmente, 74% do acervo do Herbário está disponível em bases de dados nacionais e internacionais.

Segundo o seu curador, o biólogo Felipe Gonzatti, “desde 2012, o setor iniciou a informatização dos dados dos registros das plantas da coleção. Assim, todas as informações de procedência geográfica (onde a planta foi coletada), dados taxonômicos (como nome científico da planta, família, quem identificou) e dados de coleta (como data de coleta e nome de coletor) começaram a compor um grande banco de dados. Este banco passou a ser disponibilizado em uma plataforma online chamada INCT Herbário Virtual, que congrega mais de 5,2 milhões de registros de plantas brasileiras de 182 coleções botânicas diferentes espalhadas pelo País”.

Mais de 1,2 milhão de downloads

Essa plataforma é de acesso público e utilizada para qualquer tipo de trabalho que envolva as plantas, como ecologia, taxonomia, bioquímica e etc… “Essa ferramenta facilitou muito o acesso às informações da coleção, pois os pesquisadores não precisam mais vir até o Herbário para consultar a coleção, mas podem acessar parte das informações através deste servidor online. Os dados das nossas plantas vêm sendo usados para diferentes aplicações dentro da ciência e isso é contabilizado pela base de dados onde o acervo fica disponível. Até hoje, nossa coleção já foi utilizada 3.761.857 vezes! Somente neste ano já foram 1.098.191 acessos, com 1.127.715 downloads dos dados completos”, comemora Felipe.

Claudia-Velho-0355-1024x732.jpg

Felipe Gonzatti, curador do Herbário, com a disponibilização do acervo em base de dados

Além desta base de dados, o acervo do Herbário está disponível no Sistema de Informações sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr) do Ministério do Meio Ambiente;  e na Global Biodiversity Information Facility (GIBIF), da qual faz parte desde novembro de 2015 e já conta com mais de sete mil downloads de dados. O curador explica que esta base internacional congrega dados da biodiversidade de 54 países, incluindo plantas, animais, fungos e outros microrganismos.

Interação Nacional e Internacional

O acervo do Herbário contém exemplares da flora regional da região dos Campos de Cima da Serra, da Mata de Araucária e da Vegetação Litorânea do Rio Grande do Sul, além de exemplares da flora das outras regiões do Brasil e de outras partes do mundo. “São fungos, musgos, samambaias gimnospermas e angiospermas, de muitas espécies raras dos nossos ecossistemas, espécies ameaçadas de extinção e coleções históricas da flora regional”, explica Felipe.

Entre as atividades no setor estão a identificação botânica e tombo de material para as pesquisas desenvolvidas pelos alunos de graduação, de pós-graduação e de pesquisadores dos cursos de Farmácia, Ciências Biológicas e Agronomia, além de projetos de pesquisa como os inventários florísticos do Projeto Lagoas Costeiras, programas de extensão do Museu de Ciências Naturais, com oficinas para escolas de ensino fundamental e médio, visitantes e programas extensionistas como o UCS Sênior.

Claudia-Velho-0298-1024x681 (1)

Caixas de madeiras guardam o acervo e as coleções

“Cientificamente, mantemos relações com muitas instituições nacionais e internacionais, emprestando amostras da coleção para estudos científicos, trocando amostras entre as coleções ou ainda doando exemplares da flora regional”, ressalta Felipe. As relações mantidas são com instituições como o Instituto Nacional de Tecnologia Agronômica da Argentina, Les Conservatoire et Jardin Botaniques de la Ville de Genève (Suíça), Botanischer Garten und Botanisches Museum Berlin, entre outros. Nacionalmente, as parcerias são com instituições como o Herbário ICN(UFRGS), o Museu Botânico Municipal de Curitiba (MBM), o Herbário da Universidade Estadual de Londrina (FUEL) e o Herbário Roberto M. Klein (FURB).

O acervo está acomodado em mais de 800 caixas de madeiras (como a exsicatas de angiospermas, gimnospermas e samambaias) e as coleções de musgos e fungos em envelopes, armazenados em armários de gavetas, que permanecem em salas climatizadas para manutenção do acervo. O Herbário da UCS está localizado junto ao Museu de Ciências Naturais, no Campus-Sede.

Professor Ronaldo Wasun, o fundador e grande incentivador do Herbário da UCS 

ronaldo.jpg

Professor Ronaldo (de camisa listrada) em foto na década de 80, quando o Herbário ainda estava no bloco A do Campus-Sede. (Foto arquivo)

O grande incentivador e fundador do Herbário na UCS foi o professor Ronaldo Adelfo Wasun – graduado em Licenciatura Plena em História Natural pela Unisinos, especialista em Museologia pela PUC/RS e doutor em Biologia Ambiental pela Universidad de León (Espanha) –, falecido em janeiro de 2014. Ele também foi fundador do Jardim Botânico de Caxias do Sul. Deixou um acervo de mais de 5.000 amostras de plantas por ele coletadas, com duplicatas em herbários do mundo todo.

Ronaldo foi membro da Rede de Herbários do RS; da Rede Brasileira de Herbários; da Sociedade Botânica do Brasil – SBB e da Comissão Nacional de Jardins Botânicos, da Sociedade de Artistas Plásticos do RS e ainda foi fundador da Rede de Jardins Botânicos da Argentina; presidente da Associação Latino-Americana e do Caribe de Jardins Botânicos; vice-presidente da Associação Internacional de Jardins Botânicos; fundador da Rede Brasileira de Aerobiologia; e, junto ao Ministério da Educação, ocupava a função de avaliador de Universidades e Cursos Superiores.

O professor Ronaldo Wasum sempre foi um entusiasta na promoção e valorização da Botânica, dos Herbários e Museus. Acreditava muito na ciência e na educação como motrizes de transformação da sociedade, o que deixava claro em sua célebre fala: “Tudo pela grandeza da Ciência”. Ao longo de sua carreira conduziu inúmeros trabalhos de educação ambiental, voltados a conservação da biodiversidade, e conscientização de crianças e jovens, além da formação de professores.

Recentemente, o campus da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – Litoral Norte homenageou o professor Ronaldo ao nomear seu Herbário com o seu nome (HERW). A coleção foi criada em setembro do ano passado e a maior parte da coleção é composta por briófitas coletadas na Antártica e nos municípios de Imbé e Osório, localizados no Litoral Norte do Rio Grande do Sul.

Fotos: Claudia Velho

Fonte: Assessoria de Comunicação UCS

Plenum Online é a mais nova plataforma a integrar o Sistema de Bibliotecas da UCS

Capturar
Prezada comunidade acadêmica
Informamos que mais uma plataforma online está sendo oferecida pelo Sistema de Bibliotecas da UCS em conjunto com o Centro de Ciências Jurídicas. Trata-se da base de dados Plenum Online.
A Plenum Online é uma plataforma autorizada de jurisprudência dos seguintes tribunais: Supremo Tribunal Federal, Supremo Tribunal de Justiça e Tribunal Superior do Trabalho. Reúne mais de 40 mil normas, legislação federal e estadual, jurisprudência, doutrina, pareceres, súmulas, regimentos e vários outros conteúdos com acesso livre à comunidade acadêmica da UCS.
Para o acesso fora da rede da UCS é preciso a configuração do proxy do seu navegador Internet Explorer ou Chrome, Mozila Firefox, ou Safari.
Conheçam a nova plataforma.
Acessem direto pelo site da biblioteca.
Em caso de dúvidas, entre em contato conosco através do telefone (54) 3218-2173 ou pelo e-mail bice@ucs.br

CAMPUS 8: Biblioteca em horário diferenciado entre os dias 15 e 19 de agosto

Bibliotecas fechadas nos dias 21, 22 e 23 de abril

Em caso de dúvidas, entre em contato através do telefone (54)3218-2173, email bice@ucs.br ou Twitter @bibliotecaucs.

Quem lê mais vive mais. E basta meia hora por dia

Só tem um problema: não adianta ler qualquer coisa.

hora_da_aventura_livro_0.jpg

Seus amigos reclamam quando você deixa de encontrar com eles para ficar em casa lendo? Não fique triste, leitor: uma pesquisa de Yale revela que o hábito de ler mais está ligado a uma longevidade maior – ou seja, seus livros queridos não só são divertidos: eles te fazem viver mais.

O estudo, chamado Um capítulo por dia, foi realizado nos EUA, ao longo de 12 anos – e analisou a relação entre a longevidade e os hábitos de leitura de 3.635 pessoas com mais de 50 anos. Essa mesma turma também estava participando de uma outra pesquisa maior, a Health and Retirement Study, que tem investigado, desde 1990, a saúde de americanos que passam dos 50 anos.

Em Um capítulo por dia, os pesquisadores dividiram as 3.635 pessoas em três grupos: os “não leitores” (quem não tinha o hábito de ler), os “leitores” (que liam por até três horas e meia na semana) e os “super leitores” (quem lia mais de três horas e meia por semana). Para definir os grupos, os participantes responderam a algumas perguntas simples sobre quanto tempo passavam lendo livros, revistas e jornais por semana.

Aí, 12 anos depois, os cientistas compararam esses hábitos aos dados de saúde do Health and Retirement Study, e descobriram o seguinte: os não leitores haviam morrido mais cedo do que os leitores, e bem mais cedo do que os super leitores.

Quem lia até 3h30 por semana, segundo o estudo, tinha 17% menos chances de morrer antes dos 62 anos do que quem não lia nada – e quem fazia parte do grupo dos super leitores tinha 23% menos chances de ‘bater as botas’ antes dos 62. Além disso, esse resultado foi geral – não tinha a ver com gênero, classe social, problemas psicológicos nem nível de educação.

Fazendo as contas, dá para ver que não precisa de muito trabalho para ser um super leitor: um pouco mais de meia hora de leitura por dia já é o suficiente para fazer parte desse grupo. Mas tem um truque aí: não adianta ler qualquer coisa, porque a mágica só funciona com livros – quando os cientistas compararam o tempo de vida das pessoas que liam apenas jornais e revistas, mesmo que fosse muita leitura, a longevidade não era tão grande quanto a dos super leitores de livros.

Então sai já dessa tela!

Fonte: Superinteressante

EBSCO Treinamentos Online 2016

unnamed.jpg
Neste mês de agosto estão disponíveis dois Treinamentos Online. Ambos ocorrerão no dia 15 de Agosto de 2016 em horários alternados. Vejam abaixo as informações.
Os treinamentos são gratuitos e você poderá acessá-los pelo seu computador, tablet ou smartphone. Basta ter uma internet banda larga e fones de ouvido.

1. Treinamento Online SAGE Journals

Editor oferece acesso a mais de 600 periódicos distribuídos nas áreas de Ciências Sociais e Humanas, Ciências da Vida, Ciências Exatas, entre outras.

unnamed (1).jpg

O treinamento será realizado no dia 15 de agosto de 2016 às 10:00h (Horário de Brasília)

Faça o seu registro em: http://goo.gl/ihWzF3

2. Treinamento Online RSC Journals

Conhecido mundialmente por apresentar um conteúdo atual e relevante na área de Ciências Químicas. Esse editor oferece acesso a diversos periódicos científicos e bases de dados.

unnamed.png

O treinamento será realizado no dia 15 de Agosto de 2016 às 15:00h (Horário de Brasília)

Faça o seu registro em: http://goo.gl/ihWzF3

Após escolher o treinamento de sua preferência, clique em “Registrar-se” e complete o o formulário de inscrição, um email de confirmação com um link direto para o treinamento será enviado, que deverá ser acessado no dia e horário indicados.

O acesso aos links deve ser feito no dia agendado 20 minutos antes do horário previsto.

Para conhecer os produtos da EBSCO, acesse o site de suporte: http://goo.gl/UQx8Zn e o canal do youtube: https://goo.gl/ByioMx.
Atenção! Para visualizar os treinamentos no horário local altere sua localização na parte superior direita do site de treinamento webex. Por fim, os treinamentos necessitam de um computador com acesso à internet, navegador atualizado e java atualizado, além de fones de ouvido/caixas de som. O ideal é que o participante entre no treinamento pelo menos 20 minutos antes do horário indicado para configurar seu áudio. Após uma tolerância de 15min, a sessão será cancelada caso ninguém compareça.

Concerto da Quinta Sinfônica celebra os 15 anos do UCS Teatro.

Publicado pela Assessoria de Comunicação UCS

O pianista francês Guigla Katsarava se apresenta ao lado da Orquestra da UCS, no dia 11 de agosto.

Claudia-Velho-5678-768x511.jpgEm comemoração aos 15 anos do UCS Teatro, a Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul se apresenta na quinta-feira, dia 11 de agosto, a partir das 20h30min. O espetáculo integra o calendário da sexta edição do programa Quinta Sinfônica.

No palco do UCS Teatro, sob a regência do maestro Manfredo Schmiedt, a Orquestra Sinfônica apresenta a abertura da ópera “Der Freischütz” (O Franco-Atirador) J. 277, de Carl Maria von Weber, o Concerto para piano e orquestra Nº 3 em Dó Maior, de Sergei Prokofiev, com a participação do pianista convidado Guigla Katsarava (França), e a Sinfonia em Sol Menor, de Alberto Nepomuceno.

Guigla-1-300x200.jpg
Convidado para o espetáculo, o pianista francês Guigla Katsarava se une aos músicos da Orquestra para uma participação especial. O artista, que já esteve em Caxias do Sul, retorna à cidade para a comemoração de 15 anos do UCS Teatro.

Os ingressos já estão disponíveis, a 10 reais para o público em geral e 5 reais para idosos e estudantes, na Loja Spaço Omini, na Galeria Universitária; na Livraria do Maneco, no Centro; e no Posto Deltha, em frente à Prefeitura Municipal.

A Orquestra Sinfônica da UCS tem o patrocínio da Unimed Nordeste-RS e o apoio do Simecs e do LionsEduC.

Sobre UCS Teatro

CLA_2061-768x511.jpg

Inaugurado em 24 de agosto de 2001, com a cantora argentina Mercedes Sosa e com o cantor brasileiro Fagner (foto abaixo), o UCS Teatro consolidou-se como espaço multicultural diante do público, por fazer parte da estrutura de um campus universitário e pela flexibilidade em acolher grandes eventos. No palco do UCS Teatro já passaram grandes nomes da música, além da cena teatral.

Consciente de sua responsabilidade na aquisição, difusão e valorização do conhecimento, a Universidade de Caxias do Sul reafirma pelo UCS Teatro seu objetivo de ampliar os horizontes da sociedade e das suas diferentes manifestações de ordem acadêmica, científica, cultural e artística.

“Todo conhecimento humano pode ser representado e compreendido num palco”.

Fotos: Claudia Velho e Berenice Stallivieri

Fonte: UCS

 

Livros encadernados com pele humana: prática macabra era comum no século 17

Practicarum-Cover-and-Spine-838x368.jpg

No meio de apostas sobre até quando livros e jornais impressos vão durar, é fácil esquecer que esses objetos são fenômenos bastante recentes na história da humanidade. Sejam impressos ou copiados à mão, os livros foram raros e dispendiosos por milhares de anos, e eram mantidos sob a proteção de uma elite culta, que estavam entre os poucos capazes de ler e interpretar.

Um lembrete desse status do livro como objeto quase mágico surgiu em uma coleção da Universidade de Harvard (EUA), há alguns anos. Em 2006, os bibliotecários descobriram pelo menos três volumes encadernados em pele humana. Em um caso, a pele parecia ter sido esfolada viva.

E o que teria sido isso? A maneira que um assassino em série encontrou de esconder pedaços das suas vítimas? Não.

Na verdade, a prática do uso de pele humana para encadernar livros foi simplesmente popular durante o século 17. Tinha até nome: encapamento antropodérmico, e era especialmente comum em livros didáticos sobre anatomia. Os profissionais médicos costumavam usar a carne de cadáveres que tinham dissecado durante sua pesquisa.

O livro da imagem acima, supostamente feito de pele esfolada, é um texto sobre legislação espanhola do século XVII intitulado “Practicarum quaestionum circa leges regias”. Apesar de uma inscrição nomear um falecido e reivindicar que é ele quem encapa o volume, uma técnica para a identificação de proteínas descobriu que o produto, na verdade, é feito da pele de um carneiro.

Segundo especulações, talvez a pele da capa tenha sido humana em algum momento, mas foi trocada pela animal antes de chegar à biblioteca de Harvard em 1946. Ou, talvez, a inscrição tenha sido simplesmente o produto da imaginação de uma pessoa (medonha).

Além desses livros em Harvard, temos conhecimento de outros exemplares encadernados com pele humana. De acordo com o ex-diretor de bibliotecas da Universidade de Kentucky (EUA), Lawrence S. Thompson, a prática data de uma Bíblia francesa do século 13 e tornou-se mais comum nos séculos 16 e 17.

O mais famoso de todos os livros com encapamento antropodérmico reside na biblioteca independente do Boston Athenaeum. Chamado “The Highwayman: Narrative of the Life of James Allen alias George Walton” (ou “Narrativas da Vida de James Allen”, em português), ele reúne as memórias do bandido que o escreveu. Allen ficou impressionado com a coragem de um homem que uma vez atacou, e quando estava enfrentando uma possível execução por seus crimes, pediu para que uma cópia do texto encadernada com sua própria pele fosse dada ao bravo rapaz, em 1837. Imagine ser o destinatário sortudo de tal obra-prima.

narrativeoflifeo00alle_0007.jpg

E, se você acha que essa prática macabra é coisa do passado, está certo apenas em partes. Tão recente quanto em 1972, um livro de poesia erótica espanhola intitulado “El Viaje Largo”, por Tere Medina, foi envolto em pele humana.

O exemplar fica na Biblioteca Bailey da Universidade Slippery Rock (EUA). Dentro da primeira página, é possível ler a seguinte inscrição (em espanhol e em inglês): “A capa deste livro é feita a partir do couro da pele humana. A tribo Aguadilla da região do Planalto Mayaguez preserva a pele dos membros falecidos da tribo. Enquanto a maioria da pele é utilizada somente entre os Aguadillas, alguns exemplos encontram o seu caminho para mercados comerciais, onde há uma demanda pequena, mas constante. Esta capa é representativa dessa demanda”. Então tá, né… [OpenCulture, TopTenz]

Fonte: Hype Science

Mário de Andrade digital

mariodeandrade.jpeg

A Oficina Cultural Casa Mário de Andrade (Rua Lopes Chaves, 546, Barra Funda. São Paulo / SP) colocou no ar o Morada do Coração Partido, que leva para o online parte do seu acervo. Detalhes de sua vida e produção podem ser consultados por pesquisadores, estudantes de todos os níveis, fãs e demais interessados sem sair de casa. O museu virtual complementa a exposição física permanente inaugurada em maio do ano passado na Casa. O projeto foi desenvolvido por Carlos Augusto Calil, que é o curador da exposição permanente do escritor.

Fonte: Pesquisa Mundi

Empréstimo Prolongado de Férias chega ao fim no dia 8 de junho

Empréstimo Prolongado (1).jpg

Não esqueçam de entregar ou renovar os livros retirados durante o empréstimo prolongado de férias. O prazo de devolução das obras retiradas durante esse período é no dia 8 de agosto.

Em caso de dúvidas, entre em contato através do telefone (54)3218-2173, email bice@ucs.br ou Twitter @bibliotecaucs.

 

 

Novas editoras na base de e-books “Minha Biblioteca”

Minha-Biblioteca-Cópia-Cópia.jpg

A “Minha Biblioteca” conta a partir deste semestre (2016/2) com novas editoras convidadas que disponibilizaram  parte de seu catálogo na biblioteca digital.

São elas:

  • Editora Autêntica
  • Editora Cengage
  • Editora Zahar
  • Editora Cortez
  • Editora Loyola