FBN lança releitura do primeiro livro de história do Brasil

“A narrativa da vontade de Deus: a História do Brasil de frei Vicente do Salvador” – este o título de um dos últimos e mais importantes lançamentos editoriais feitos pela Fundação Biblioteca Nacional. De autoria do historiador Luiz Cristiano de Andrade, o livro apresenta uma nova e consistente interpretação da conhecida “História do Brasil” escrita entre 1619 e 1630 pelo franciscano Vicente do Salvador, a primeira a contar uma história sistemática e abrangente do Brasil e também a primeira a receber este nome.

cobertura-878-fbn-lanca-releitura-primeiro-livro-historia.jpg
O livro de Luiz Cristiano originou-se da dissertação de Mestrado do autor defendida em 2004, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O editor, Marcus Venício Ribeiro, conta que tomou conhecimento desse estudo ao escrever recentemente a apresentação de uma nova edição da “História do Brasil” feita pela  Fundação Darcy Ribeiro.

“Como a Biblioteca Nacional teve um papel crucial na divulgação do manuscrito  de frei Vicente no Brasil, que até o final do século XIX permanecera inédito, não hesitei em entrar em contato com o autor e propor a publicação da dissertação.”

Praticamente desconhecido no país até o final do século XIX, o manuscrito de frei Vicente (na realidade uma cópia feita no século XIX) foi doado por um livreiro à Biblioteca Nacional coincidentemente às vésperas da inauguração da grande Exposição de História do Brasil em dezembro de 1881. Incluído na exposição, tornou-se, nas palavras do então diretor da Biblioteca Nacional, Benjamim Franklin de Ramiz Galvão, uma das “gemas preciosas” apresentadas ao público. A publicação da obra foi feita também pela Biblioteca Nacional, nos Anais da Biblioteca Nacional de 1889, por iniciativa do historiador Capistrano de Abreu. Na época, Capistrano era funcionário da Biblioteca e sua interpretação da obra – ele a viu como a primeira manifestação de um sentimento nativista no Brasil, um “nacionalismo avant la lettre”, segundo Luiz Cristiano – foi reproduzida por outros importantes estudiosos da historiografia brasileira, como Manuel Bomfim, José Honório Rodrigues e Francisco Iglésias.

Para Luiz Cristiano, a “História do Brasil” foi concebida num “regime diverso” do imaginado por Capistrano e seus seguidores. Trata-se, segundo ele, de uma narrativa histórica fundada em princípios retórico-poéticos e teológico-políticos que, muito distante de supostas aspirações nacionalistas, presidiam a escritura dos gêneros históricos no século XVI. Uma visão sacramental e sobrenatural dos acontecimentos históricos subordinada à hermenêutica cristã: o Brasil, de acordo com a vontade de Deus, seria a base para o reerguimento de Portugal, o qual tinha a missão de expandir no mundo a civilização cristã.

A construção da obra busca seus primeiros fundamentos em noções da Antiguidade Clássica correntes ainda no século XVII, como, por exemplo, a crença de que os livros de História são “mestres da vida”, se destinam à difusão dos “bons valores e sentimentos” e ao aconselhamento dos governantes. Não por acaso, o livro tem como fio condutor a cronologia da administração portuguesa na colônia; e celebra, no período da unificação ibérica, os bons serviços prestados a Portugal por D. João III, e pelos governadores, bispos, ouvidores e capitães, clérigos e colonos fundadores, além dos índios que se aliaram aos portugueses. Do outro lado, como obstáculos ao cumprimento da Providência Divina, estavam os hereges franceses e holandeses e os gentios rebeldes, cujo massacre, descrito com indiferença pelo frade, teria as bênçãos de Deus.

galeria-870-fbn-lanca-releitura-primeiro-livro-historia.jpg

Mapa com planta da cidade de Salvador, invadida pelos holandeses em 1624.

Fonte: Biblioteca Nacional

Lançamento dos livros “Neurologia e Neurocirurgia” e “Educação em Pesquisa: da ideia à publicação”

convite virtual neurologia

O evento acontecerá no dia 1º de junho, às 17 horas, Bloco A. Não perca!

Conheça o blog Processo Técnico da Biblioteca

2

O blog Processo Técnico foi elaborado com o intuito de qualificar ainda mais as atividades do Setor de Processamento Técnico do Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul (SIBI/UCS).

Seu intuito é auxiliar na padronização das atividades do processo técnico, servindo como elemento de apoio a todos os funcionários do setor quando da execução de suas atividades diárias. A inserção de novos tipos de obra, bem como a implantação de novos procedimentos e, ou, tecnologias, certamente, ocasionarão frequentes atualizações e aprimoramento.

Funcionários do Setor de Processamento Técnico

Bibliotecárias

Ana Guimarães Pereira – Responsável
agpereir@ucs.br

Carolina Machado Quadros
cmquadros@ucs.br

Paula Fernanda Fedatto Leal
pffleal@ucs.br

Roberta da Silva Freitas
rsfreitas1@ucs.br

Auxiliares de biblioteca

Cláudia Sana Nunes
csnunes2@ucs.br

Simone Festugatto Kaczala
sfkaczal@ucs.br

Tiago Demori
tdemori2@ucs.br

Conheça: processotecnicoucs.wordpress.com

 

 

Horário diferenciado nas bibliotecas setoriais

Biblioteca setorial de Carvi terá seu horário alterado (1).jpg

Fique ligado no horário de funcionamento de algumas bibliotecas setoriais da UCS.

CGUA (Campus Universitário de Guaporé)
A biblioteca funcionará nos dia 31/05 e 01/06 a partir das 20h.
CPRA (Campus Universitário de Nova Prata)
No dia 01/06/2016, a biblioteca do CPRA fará seu atendimento das 19h30min às 22h30min.
CAMVA (Campus Universitário de Vacaria)
A biblioteca funcionará nos dias 31/05 e 01/06 das 13h15min às 16h30min e das 17h45min  às 22h30min.
CVALE (Campus Universitário Vale do Caí)
A biblioteca funcionará nos dias 31/05 e 01/06 das 18h às 22h30min.
A BICE (Biblioteca Central),  CARVI (Campus Universitário da Região dos Vinhedos), CFAR (Campus Universitário de Farroupilha), CAHOR (Campus Universitário da Região das Hortênsias) e CAM8 (Centro de Artes e Arquitetura) funcionarão normalmente.

Campanha TROCA DE LIVROS na Biblioteca de Canela

Com o intuito de incentivar a leitura, o Sistema de Bibliotecas da UCS desenvolve a campanha TROCA DE LIVROS. O projeto já está em ação na Biblioteca Central e agora chega a vez da Biblioteca Setorial de Canela também fazer parte dessa corrente pela literatura. Entenda como funciona a campanha na Biblioteca Central.

Não diferente disso, em CAHOR, você pode doar livros que estejam em bom estado de conservação, de qualquer gênero literário e de qualquer área de conhecimento. Basta localizar a estante expositora na biblioteca e deixar o seu livro para troca. No ato da entrega, o doador poderá doar e/ou trocar seu exemplar por outro de sua preferência, disponível na estante.

NÃO TEM LIVRO PARA TROCAR?
Tudo bem, você pode pegar mesmo assim um livro da estante e ter uma boa leitura. No entanto, seria legal que houvesse a troca para que a campanha se prolongue. Não esqueça de compartilhar esse link com seus colegas para que mais estudantes tenham acesso a essa iniciativa. Pratique o desapego e … VAMOS TROCAR LIVROS?

Fotos_Campanha_5

Fotos_Campanha_4

 

Texto elaborado por: Leonardo Amaral – acadêmico de jornalismo

Bibliotecas fechadas nos dias 26, 27 e 28 de maio

Bibliotecas fechadas nos dias 21, 22 e 23 de abril (2).jpg

Informamos a todos que  as bibliotecas da UCS estarão fechadas nos dias 26 de maio – Feriado de Corpus Christi e Nossa Senhora do Caravaggio, e 27 e 28 – Feriado Universitário, retornando suas atividades no dia 30 de maio.

Em caso de dúvidas, entre em contato através do telefone (54)3218-2173, e-mail bice@ucs.br ou Twitter@bibliotecaucs.

Zuco Escrita: cursos de escrita científica online

Conheça o site Zuco Escrita, que oferece um curso online sobre escrita científica com certificado ministrado pelo professor Valtencir Zucolotto.

Os cursos foram projetados para contemplar todas as áreas do conhecimento, e foram desenvolvidos especialmente para qualificar cientistas, pesquisadores e alunos de pós-graduação para o processamento e produção de Artigos Científicos de Alto Impacto.

Os cursos abordam tópicos em estrutura, linguagem e editoração de artigos científicos, e são apresentados de forma modular, visando personalizar a experiência do aprendizado. E estão divididos por áreas do conhecimento, conforme a imagem abaixo.

Capturar

O professor já possui um site com dicas de escrita científica, no entanto agora as aulas estão em HD, com novas apostilas e conteúdos específicos voltados às diferentes áreas do conhecimento.

Confira ainda a página do Facebook da Zuco Escrita.

Fonte: Blog da BC (UFRGS)

Número de leitores no Brasil sobe 6% entre 2011 e 2015, diz pesquisa

Total de livros lidos, inteiros ou em parte, foi de 2,54 obras. Pesquisa foi feita pelo Ibope, sob encomenda do Instituto Pró-Livro.

O número de leitores no Brasil subiu 6% entre 2011 e 2015, de acordo com a 4ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Ibope sob encomenda do Instituto Pró-Livro. Os dados foram divulgados na quarta-feira (18). O levantamento, que teve abrangência nacional, aponta que o país tem cerca de 104,7 milhões de leitores, ou seja, 56% da população.

retratos.jpg

4ª edição da pesquisa foi divulgada pelo IPL em São Paulo. (Foto: Mariana Nogueira/G1)

A metodologia da pesquisa considera como leitor, aquele que leu, inteiro ou em partes, pelo menos um livro nos últimos três meses. No intervalo entre as pesquisas, o percentual de homens considerados leitores foi o que mais subiu. O percentual passou de 44%, em 2011, para 52%, no ano passado.

A pesquisa aponta que o brasileiro lê, em média, 2,54 livros no período referência de três meses anteriores à pesquisa. O número equivale a 4,96 livros por habitante/ano. O levantamento considerou todos gêneros: literatura, contos, romances, poesia, gibis, Bíblia, livros religiosos e livros didáticos. Deste total de 2,54 livros, o brasileiro leu 1,06 livro inteiro e 1,47 em partes nos três meses anteriores à pesquisa.

A Bíblia foi citada como o “gênero” que mais costuma ser lido entre aqueles que não estão estudando, sendo citado por 50% dos entrevistados com esse perfil. Entre os estudantes, a Bíblia foi citada por 31% dos entrevistados, mesmo percentual que a resposta “contos”, seguindo por “didáticos” com 28%.

Depois do “gosto ou interesse pessoal”, com 47%, a motivação religiosa foi apontada como a segunda principal razão para ler, com 22% das respostas. “Indicação da escola” aparece na sequência com 10%, “para se distrair” teve 8% e “por motivo profissional”, 7%.

Aumento da escolaridade
De acordo com os responsáveis pela análise, o aumento da escolarização pode ajudar a explicar o aumento dos entrevistados considerados leitores: o percentual de analfabetos ou de pessoas que não frequentaram escola formal caiu de 9%, em 2011, para 8%, em 2015. Por outro lado, em 2011, o número de entrevistados que não estudavam era de 68% e, em 2015, passou para 73%.

O aumento na escolaridade foi percebido no aumento do total de entrevistados que declarou ter ensino superior, dado que subiu de 10% em 2011 para 13% no ano passado. Também houve aumento no ensino médio, de 28% para 33%.

Os dados apresentados pelo Instituto Pró-Livro apontam que, quanto maior o nível de escolaridade, menores são as proporções de motivações de leitura ligadas à “exigência escolar” ou a “motivos religiosos” e, maiores são as menções a “atualização cultural ou de conhecimento geral”.

Livros mais citados
Abaixo, os livros mais citados, em ordem decrescente:

Bíblia
Diário de um banana
Casamento Blindado
A Culpa é das Estrelas
Cinquenta Tons de Cinza
Ágape
Esperança
O Monge e o Executivo
Ninguém é de ninguém
Cidades de Papel
O Código da Inteligência
Livro de Culinária
Livro dos Espíritos
A Maldição do Titã
A Menina que Roubava Livros
Muito mais que cinco minutos
Philia
A Única Esperança

Na lista de livros, a Bíblia mantém o primeiro lugar também obtido em 2007 e 2011. Neste ano, ela teve 225 menções diretas entre os mais de 5 mil entrevistados. O livro Ágape, segundo lugar em 2011, e a Menina que roubava livros, que foi 19º na pesquisa anterior, são os únicos que voltaram a constar entre os mais citados.

Ainda segundo os autores do levantamento, 28% dos entrevistados se declararam como integrantes de religiões em que a leitura da Bíblia é central para a prática religiosa, como no caso das diversas denominações evangélicas.

Autores mais citados
Abaixo, os livros mais citados, em ordem decrescente:

Augusto Cury
João Ferreira de Almeida
Zibia Gasparetto
Padre Marcelo Rossi
Cristiane Cardoso
Cristiane e Renato Cardoso
Paulo Coelho
Allan Kardec
John Green
Chico Xavier
Ellen G. White
Machado de Assis
Padre Fábio de Melo
Maurício de Souza
Bispo Edir Macedo
Kéfera Buchmann

Evolução por regiões
Com exceção do Nordeste, a pesquisa identificou aumento no total de leitores em todas as regiões. Os dados não foram detalhados por estados.

Na terceira edição da pesquisa, em 2011, o Centro-oeste do país liderava o número de leitores por região com 53%. Nesta última edição, o melhor percentual passou a ser o da região Sudeste, com 61%. A região Centro-oeste caiu para a segunda posição com 57% e a região Norte ultrapassou a região Nordeste alcançando o terceiro lugar com 53%.

O primeiro lugar no quesito número de livros lidos (inteiro ou em partes) por habitantes nos últimos três meses também ficou com a região Sudeste, com 2,98 – índice que ultrapassa a média nacional de 2,54. O Centro-oeste torna-se o segundo colocado com 2,52, seguido do Norte com 2,44, do Nordeste com 2,15 e do Sul com 2,05. Em 2011, o Centro-oeste apresentava 2,12, o Nordeste 2, o Sudeste 1,84, o Sul 1,68 e o Norte 1,51.

rzi-8520.jpg

Pedro Henrique Dias está lendo “1984”, de George Orwell (Foto: Arquivo/Raul Zito/G1)

Metodologia
A edição 2016 é a quarta edição da pesquisa, que teve também outras publicações referentes a dados coletados nos anos de 2000, 2007, 2011. A pesquisa teve abrangência nacional, com 5012 entrevistas pessoais, feitas nos domicílios dos entrevistados entre 23 de novembro e 14 de dezembro de 2015. Foram ouvidos brasileiros a partir de 5 anos, alfabetizados ou não.

Perfil da amostra
Entre os ouvidos pela pesquisa em 2015, 8% se declarou “não alfabetizado” ou que “não frequentou escola formal”. Outros 21% disseram ter ensino fundamental I (1º ao 5º ano), 25% declararam ter o fundamental II (6º ao 9º ano), 33% o ensino médio e 13% o ensino superior.

Responsável pela pesquisa, o Instituto Pró-Livro (IPL) foi criado em 2006 pelas entidades do setor do livro – Associação Brasileira de Livros Escolares (Abrelivros), Câmara Brasileira de Livros (CBL) e Sindicato dos Editores de Livros (SNEL). É mantido por contribuições dessas entidades e de editoras, com o objetivo principal de fomento à leitura e à difusão do livro.

Desde a segunda edição o Instituto adotou metodologia que considera as orientações do Centro Regional de Fomento ao Livro na América Latina e no Caribe (Cerlalc), da Unesco, e pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI). O objetivo foi buscar um padrão internacional de medição que permita eventuais comparações e estudos sobre a questão da leitura nos países da região.

Fonte: Mariana Nogueira, G1

Palestra do Projeto Avanti Serra na UCS

Avanti - Liderança para transformação.jpg

“Liderança para Transformação” é o tema de palestra, dia 24 de abril, às 19 horas, no auditório do Bloco J, dentro da programação do projeto Avanti Serra, promovido pelos veículos do grupo RBS na Serra, com parceria da UCS e TecnoUCS, que busca debater ações positivas, oportunidades e novos conceitos a partir de momentos difíceis. A palestra, com entrada franca, traz:

– Luiz Parzianello, especialista em Agile Management e Lean Business Analysis, que irá abordar “Muito mais que um gestor, um líder transformador”;

– Mileine Vargas, especialista em comportamento feminino, falará sobre “Mulheres no poder: estratégias para liderança”;

– Jorge Audy, autor dos livros SCRUM, JOGOS e TOOLBOX 360º, que abordará “Desmistificando Agile – uma nova cultura empresarial”.

A inscrição é obrigatória.

Fonte: UCS

CAMPUS 8: Conheça a biblioteca setorial

BIBLIOCAM81

A atual Biblioteca Setorial do Campus 8 foi projetada em 2001 pelos acadêmicos do curso de Arquitetura e Urbanismo, Cátia Canever, Giovana Paola Sartori e Roberto Machado. Com um acervo superior a 24 mil exemplares, a biblioteca disponibiliza livros específicos das áreas de Arquitetura, Artes, Design, Design de Interiores, Moda e Música, Literatura em geral, Periódicos e Multimeios.

Os acadêmicos têm ainda acesso a internet WiFi, além de salas e mesas de estudo. Há também uma sala de aula com televisores para os professores ministrarem suas disciplinas. Os computadores dão acesso à base de dados e alguns são restritos apenas aos serviços da biblioteca.  Conta ainda com expositores de revistas atualizadas e armários guarda-volumes. O horário de funcionamento da biblioteca é das 8h às 12h, de 13h às 22h20min.

BIBLIOCAM86

BIBLIOCAM84

BIBLIOCAM85

BIBLIOCAM83

BIBLIOCAM8

Brasil e Portugal lançam biblioteca digital com acervo histórico

thumb_bdlb_CartaDJoaoVIaDPedroI_Novo.jpg

Carta de D. João VI a seu filho, D. Pedro I.

GRAVURA_ENDER-1170x450.jpg

THOMAS ENDER – Aspecto tirado a bordo da fragata Áustria em sua viagem para o Rio de Janeiro.

História digitalizada

Conhecer o acervo da Biblioteca Nacional de Portugal, incluindo originais da Torre do Tombo, que guarda arquivos históricos das navegações e da chegada dos portugueses ao Brasil, em Lisboa, já é possível sem precisar cruzar o Oceano Atlântico.

Na verdade, é possível acessar tudo sem sair de casa, pela internet.

Por meio de uma parceria com a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, o acervo das duas instituições está sendo digitalizado e colocado à disposição do público pela internet.

São milhares de títulos, incluindo jornais e revistas, que podem ser acessados a qualquer hora do dia, de qualquer lugar do mundo. A expectativa é atrair cerca de 100 mil acessos por mês.

Biblioteca Digital Luso-Brasileira

O acervo está reunido no portal Biblioteca Digital Luso-Brasileira, que acaba de entrar no ar com mais de 2 milhões de documentos de domínio público, de várias épocas e gêneros.

Entre eles estão a primeira edição de Os Lusíadas, de Luís de Camões, de 1572, e a Carta de Abertura dos Portos, de 1808, que abriu o mercado brasileiro às exportações da Inglaterra.

“É a primeira iniciativa a reunir coleções de língua portuguesa, preservando o material – porque, no momento que você digitaliza, você evita o manuseio do original – e o mais importante, democratizando o acesso”, disse a coordenadora da biblioteca, Ângela Bettencourt.

O acervo da Biblioteca Luso-Brasileira conta também com obras de 30 instituições de Portugal e mais 20 do Brasil. O próximo passo será integrar acervos de outros países de língua portuguesa e o primeiro deve ser Moçambique.

Esta é a primeira vez que bibliotecas de países de língua portuguesa se juntam para disponibilizar seus acervos conjuntamente e buscam se igualar a outras iniciativas mundiais. Na Europa, a Biblioteca Digital Europeia (Europeana) tem o maior acervo digital do mundo, com mais de 53 milhões de títulos entre livros, desenhos, pinturas, mapas, vídeos e fotos.

Clique aqui para visitar o site da Biblioteca Digital Luso-Brasileira.

Fonte: Inovação Tecnológica

Comunicado – Acesso aos conteúdos científicos exclusivamente pelo Portal de Periódicos

periodicos.png

Texto publicado em: Periódicos Capes

Comunicamos que a Diretoria de Programas e Bolsas no País da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (DPB/Capes) negociou, arduamente, com as editoras no sentido de reduzir os custos das assinaturas das publicações científicas para este ano. Assim, as negociações mostraram-se exitosas e a Capes conseguiu manter os conteúdos, sem prejuízo para a comunidade acadêmica. Todo o acervo do Portal de Periódicos foi mantido para o ano 2016.

Nesse sentido, e visando ao cumprimento do contrato firmado com as editoras, a Capes iniciou um processo de centralização de acesso. A ação consiste em promover o acesso aos conteúdos científicos assinados exclusivamente por meio do Portal de Periódicos. O processo foi iniciado com algumas universidades e será expandido para todas as demais instituições participantes no dia 1º de junho.

Os acordos preveem cláusulas sobre política de acesso, que exigem maior segurança da informação. Além disso, a ação visa evitar o uso indevido dos conteúdos assinados, uma vez que já houve casos graves de instituições alertadas sobre a prática ilegal, com possibilidade de penalização. Tais situações fragilizam a Capes frente aos editores internacionais, principalmente, em relação à iniciativa do Portal.

Outro ponto de destaque é a utilização do acesso centralizado em países com iniciativas semelhantes ao Portal de Periódicos, inclusive, nos países listados entre os dez maiores produtores de ciência do mundo. Desta forma, a Capes adotará o mesmo processo utilizado em renomadas instituições. Por fim, a ação tem o objetivo de fomentar ainda mais o uso da biblioteca virtual, reforçando sua importância junto à comunidade acadêmico-científica brasileira.

O acesso aos conteúdos disponíveis no Portal de Periódicos ocorre por meio da autenticação dos IP’s das instituições participantes. O formato adotado pela Capes é simplificado, fazendo com que o processo de autorização dos IP’s seja automático, sem prejuízos para a instituição ou para seus usuários.

Será necessário entrar no sítio do Portal de Periódicos para efetuar a busca à informação científica desejada. Assim, a pesquisa deverá ser iniciada a partir do link www.periodicos.capes.gov.br. Durante a navegação, o usuário terá acesso às ferramentas disponibilizadas pelos editores podendo, inclusive, ser direcionado para fora do Portal de Periódicos, como é o caso do Google Acadêmico e do PubMed.

As dúvidas podem ser esclarecidas diretamente com a equipe do Portal de Periódicos pelo e-mail acessoperiodicos@capes.gov.br.

American Institute of Physics (AIP) no Portal de Periódicos da CAPES

1d.jpg

1e.jpg

O editor American Institute of Physics (AIP) oferece acesso ao seu conteúdo em texto completo nas áreas de Física, Matemática, Biofísica e outras áreas relacionadas a todos os membros do Portal de Periódicos da CAPES.

Seus periódicos são altamente respeitados, citados e relevantes. Fornecem a comunidade de física e áreas afins um conteúdo de excelência mundial que pode ser constatado pelo número extraordinário de pesquisadores que citam os artigos do editor AIP em suas próprias publicações.

O conteúdo também pode ser acessado através da plataforma de busca AIP Scitation. 

1c.jpg

Títulos assinados pelo Portal de Periódicos da CAPES – Acesso aos artigos mais antigos

1. Applied Physics Letters

2. Biomicrofluidics

3. Chaos

4. Journal of Applied Physics

5. Journal of Chemical Physics

6. Journal of Mathematical Physics

7. Journal of Physical and Chemical Ref. Data

8. Journal of Renewable and Sustainable Energy

9. Physics of Fluids

10. Physics of Plasmas

11. AIP Advances

12. Low Temperature Physics

13. Reviews of Scientific Instruments

14. Journal of the Acoustical Society of America

15. Journal of Vaccum Science & Tech A

16. Journal of Vaccum Science & Tech B

17. Medical Physics

18. Journal of Rheology

Principais ferramentas oferecidas na plataforma AIP Scitation

  • AIP Thesaurus _ lista os mais relevantes assuntos (Topics) associados com os artigos. Clique sob o assunto e faça uma nova pesquisa para encontrar outros artigos;
  • Pesquise usando termos encontrados dentro do artigos;
  • Scitation Author Page _ apresenta os artigos publicados pelo autor no Scitation assim como os principais assuntos tratados;
  • Topic Alerts _ alertas de assunto disponibilizados para os usuários que possuem conta na plataforma AIP Scitation.

 

 

13 adaptações de livros que chegarão aos cinemas em 2016

Parece que 2016 não será o ano em que os direitos de O Apanhador no Campo de Centeio, de J.D. Salinger, serão cedidos para uma adaptação cinematográfica do livro. É uma má notícia para quem é fiel devoto da obra.

Mas com tantos livros excelentes ganhando espaço nas telas do cinema neste ano, é difícil falar de um só.

Talvez você já saiba que os próximos episódios das séries Divergente e Maze Runnerchegam aos cinemas neste ano — então, aqui estão outras adaptações de livros para você ficar de olho em 2016.


1. ‘O BGA – O Bom Gigante Amigo’, de Roald Dahl

aa.jpg

Steven Spielberg transforma o querido livro infantil O BGA em filme, estrelado o ator de teatro shakespeariano Mark Rylance como o BGA, e Bill Hader como “Bloodbottler”. Ruby Barnhill interpretará Sophie, como se chama também a neta de Dahl. Uma mais recente e encantadora adaptação do livro em desenho animado deve ser difícil de ser superada. Estreia em 1º de julho.

 

 2. ‘A Garota no Trem’, de Paula Hawkins

ab.jpg

A novela de Hawkins foi aclamada como a próxima Garota Exemplar, mas sem o agora famoso desabafo “Cool Girl” ou qualquer outro equivalente manifesto feminista. Mas, ele segue a mesma linha de um relacionamento acabado cheio de reviravoltas sinistras. Emily Blunt estrelará como atriz principal. Estreia em 7 de outubro.

3. ‘O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares’, de Ransom Riggs

ac.jpg

 

A história mal-assombrada já está enfeitada com — e inspirada por –fotografias vintage encontradas por Riggs, então faz sentido que uma adaptação visual seja o próximo passo. Eva Green e Samuel L. Jackson estrelarão no filme. Quando um adolescente se aventura em uma ilha estranha, ele descobre uma escola em ruínas com habitantes extraordinários. Estreia em 25 de dezembro.

4. ‘Um Holograma para o Rei’, de Dave Eggers

 

slide_473962_6462200_free.jpg

 

 

Eggers, autor do livro que se tornou uma verdadeira atração para a geração milênio – Uma Obra Enternecedora de Assombroso Gênio – escreveu Um Holograma para o Rei, nominado ao prêmio Nacional do Livro em 2012. Trata-se de um vendedor que viaja para a Arábia Saudita para fechar um negócio sobre um isolado hotel. Tom Tykwer (Corra Lola, Corra e A Viagem) escreveu o roteiro adaptado e Tom Hanks estrelará. A data de lançamento, por ora, segue indefinida.

5. ‘O Círculo’, de Dave Eggers

 

ad.jpg

Será um grande ano para Eggers, cujo romance de 2013, O Círculo, não fez tanto sucesso assim pois sofreu alegações de plágio. O livro é uma sátira de uma garota que consegue um emprego em uma empresa gigante (pense em uma junção de Google, Apple e Microsoft) caindo rapidamente em um ambiente de trabalho como uma espécie de culto, repleta de jargões. É difícil saber se o diretor James Ponsoldt (O Final da Turnê, O Maravilhoso Agora) tomará uma abordagem mais séria. O que sabemos é que Emma Watson e Tom Hanks (mais uma vez!) interpretarão papéis principais. Data de lançamento indefinida.

6. ‘Orgulho e Preconceito e Zumbis’, de Seth Grahame-Smith

slide_473962_6462204_free.jpg

Outra versão de Jane Austen? Ah, o horror! Ainda bem que para alguns, o filme se afasta um pouco da norma e, de fato, não estrelará Keira Knightley. Em vez disso, é uma adaptação de uma adaptação – que usa emprestado o clássico de Austen em um engraçado e assustador livro. Lily James interpretará Elizabeth Bennet. Estreia 5 de fevereiro.

 

7. ‘Alice no País do Espelho’, de Lewis Carroll

slide_473962_6462206_free.jpg

A mesma equipe que trabalhou em Alice no País das Maravilhas de 2010 está de volta com a mais absurda bondade. Mia Wasikowska (que recentemente arrasou com suas mechas loiras em A Colina Escarlate) interpreta excelentemente Alice e Johnny Depp é… oras, Johnny Depp. Apenas espero que o Jabberwocky marque presença. Estreia 27 de maio.

8. ‘Pastoral Americana’, de Philip Roth


slide_473962_6462208_free.jpg

Uma família pós-guerra enfrenta dificuldades ao se recuperar das escolhas políticas de sua filha de 16 anos, estreia Ewan McGregor como diretor. Ele também interpretará o papel principal, ao lado de Jennifer Connelly e Dakota Fanning. Data de lançamento indefinida.

9. ‘O Zoológico de Varsóvia’, de Diane Ackerman

 

slide_473962_6462210_free.jpg

Parabéns às diretoras mulheres! Niki Caro (Encantadora de Baleias, Terra Fria) dá vida a história de não ficção de Diane Ackermane. Realmente, este filme é uma adaptação de dois livros: a organizada história de Ackerman que retrata um casal que costumava usar o seu zoológico para abrigar judeus que tinham escapado do gueto de Varsóvia e o no livro baseado em um diário. Data de lançamento indefinida.

10. ‘The Taliban Shuffle: Strange Days in Afghanistan and Pakistan’, de Kim Barker

 

slide_473962_6462212_free.jpg

A adaptação para cinema do livro Barker The Taliban Shuffle: Strange Days in Afghanistan and Pakistan – descrito como “uma zona de batalha e insensatez alimentada por adrenalina” pelo New York Times – será lançada nos cinemas comoWhiskey Tango Foxtrot. Não parece ser o tipo de história para a qual a produtora de Tina Fey a escolheria para o papel principal. Margot Robbie, Martin Freeman e Billy Bob Thornton também estão no robusto elenco. Estreia 4 de setembro.
11. ‘Deixe a Neve Cair’, de John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle

slide_473962_6462214_free.jpg

Se você ficou desapontado com Cidades de Papel, o mais recente livro de John Green a receber versão cinematográfica, ainda restam esperanças! Esta curta história com a colaboração de Green e colegas escritores do gênero jovem adulto, Maureen Johnson e Lauren Myracle, será transformado em um romance de véspera de Natal que poderia ser um rival de outros similares com o Simplesmente Amor com sua série de histórias de amor entrelaçados. Estreia 9 de dezembro.

 

12. ‘Animais Fantásticos e Onde Habitam’, de J.K. Rouling

 

slide_473962_6462216_free.jpg

 

A franquia Harry Potter está prestes a tomar conta do mundo a qualquer momento e a a estreia de Rowling como roteirista na adaptação do Animais Fantásticos fica cada vez mais próximo. O livro — para esses lamentavelmente sem saber do que se trata — é um catálogo que parece um livro didático baseado em um livro que foi dado ao Harry Potter no primeiro episódio da série. A adaptação do filme será a primeira na nova trilogia e será filmado em New York em vez de ser no cenário rural e idílico de Hogwarts. Estreia 18 de novembro.
13. ‘Silêncio’, de Shūsaku Endō

slide_473962_6462218_free.jpg

Ambientado no século 17, Silêncio segue a trajetória de dois padres católicos em uma jornada rumo ao Japão durante o período de persecução contra os Cristãos Escondidos. Liam Neeson e Adam Driver estrelam como dois padres em um filme que vale a pena assistir mesmo que for apenas para testemunhar Adam Driver interpretando a antítese de seus papéis usuais. Data de lançamento indefinida.
14. BÔNUS: ‘Doutor Estranho’, dos quadrinhos da Marvel

slide_473962_6462220_free.jpg

Outro filme de ação da Marvel que promete, Doutor Estranho, estrelará Benedict Cumberbatch como cirurgião que entra no mundo da bruxaria fazendo uso de seu conhecimento científico como forma de entender melhor a feitiçaria. É um papel perfeito para Cumberbatch, que interpreta o arrogante detetivo Sherlock na série de TV da BBC e viveu o teimoso e querido Alan Turing em O Jogo da Imitação. Estreia em 4 de novembro.
Aproveite e compareça às Bibliotecas da UCS para ler alguns destes títulos que estão disponíveis em nosso acervo.

Sim, a Geração Y lê mais do que os adultos maiores de 30 anos!

millennials1.jpg

Um dos assuntos mais frequentemente reiterados por pais, professores e adultos de um modo geral, nos últimos tempos, é que os jovens não leem ou leem cada vez menos. O desenvolvimento da tecnologia no setor do entretenimento fez com que o livro ganhasse duros competidores como a televisão, a internet, as redes sociais, os smartphones ou os videogames. Todos eles, assim como o livro, podem ter a capacidade de nos transportar para outros mundos, mas diferentemente deles quase nunca necessitam de um mínimo de esforço, de sossego, de reflexão. No entanto, o que dados mais concretos dizem a esse respeito?

Tem-se afirmado, também com certa frequência e com certo respaldo científico, que a idade pode influenciar nos hábitos de leitura. Nesse sentido, uma pesquisa realizada em 2014 pela Common Sense Media comparou dados de 1984 com outros de 2012 acabou centralizando essa questão a uma idade concreta – mesmo que, em geral, a quantidade de jovens que afirmam não ler nunca tenha aumentado, se dividirmos essas informações por idade chegamos à conclusão de que as crianças leem com muito mais frequência do que os adolescentes. A fronteira entre a leitura e a não-leitura parecia, portanto, recair sobre os 13 anos. Contudo, as pesquisas, assim como as opiniões, não necessariamente representam verdades universais que não podem ser questionadas e revisadas. Dessa forma, um novo relatório publicado recentemente pelo Pew Research Center, partindo de uma amostra de mais de 6.000 jovens com mais de 16 anos, afirma que a Geração Y tende a ler mais do que os adultos maiores de 30 anos – resultado que contrasta com as conclusões de pesquisas realizadas anteriormente.

O estudo dividiu os millennials –  categoria geracional que compreende os jovens que atingiram a fase adulta com a mudança de século – em três grupos divididos por faixa etária: um primeiro grupo de estudantes de ensino-médio (16 ou 17 anos), um segundo de universitários (desde os 18 até os 24) e um terceiro e último grupo que abarca indivíduos dos 25 aos 29 anos. Como denominador comum de todos esses grupos está a importância da tecnologia em suas vidas: cerca de 98% de todos os objetos de pesquisa analisados pertencentes à Geração Y utilizam a internet, e 90% possuem redes sociais. Além disso, mais de três quartos possuem um smartphone e muitos deles também possuem um tablet e/ou um leitor de livros eletrônico (e-book reader).

Segundo essa nova pesquisa, 88% dos indivíduos abaixo dos 30 anos leram um livro no ano passado, enquanto que se analisarmos esse mesmo dado entre as pessoas maiores de 30 anos as estatísticas caem para 79%. Devemos, contudo, nos atentar que tais dados dizem respeito ao contexto dos Estado Unidos e que não são necessariamente os mesmos no Brasil ou em outras partes do mundo, mas de qualquer forma são informações representativas para que se possa refletir sobre o assunto. A análise também se concentra no uso que se faz das bibliotecas. Nesse quesito, a Geracao Y se mostra novamente mais propensa a utilizar esse recurso nos últimos 12 meses, tanto em sua versão física quanto digital. De fato, cerca de 50% deles afirmaram ter utilizado uma biblioteca, frente a 47% dos maiores de 30 anos.

Se dividirmos o grupo dos menores de 30 anos por idade, chegaremos à conclusão de que os adolescentes costumam ler com uma finalidade escolar e são mais propensos a pedir emprestado a maior parte dos livros que leem, apesar de não valorizarem tanto as bibliotecas públicas como um recurso pessoal e comunitário. Em contrapartida, os universitários são os menos inclinados a usar as bibliotecas, e costumam comprar ao invés de emprestar os livros que leem. Por fim, as pessoas cuja idade compreende dos 25 aos 29 anos compartilham muito dos hábitos de leitura dos adultos maiores de 30 anos. De fato, dentre os 3 grupos que pertencem à geração analisada são os que menos costumam ler. Dentro desse último grupo, contudo, a importância das bibliotecas é reconhecida, e é um recurso que usam com uma frequência maior – sobretudo quando se tornam pais.

É importante levar em consideração, contudo, que a idade não é o único fator, e sequer o mais importante, ao se analisar tanto os hábitos de leitura quanto o uso das bibliotecas. Para tanto, também deve-se levar em consideração outros aspectos, tais como as condições sociais, econômicas, culturais e tecnológicas, que juntos acabam por desvelar conclusões muito mais complexas, e principalmente contraditórias, em relação a uma mesma faixa etária.

Fonte: Literatortura

Biblioteca Nacional, Instituto Moreira Salles, Pinacoteca de São Paulo e Itaú Cultural se unem para criar portal inédito dedicado a coleções brasilianas

A Biblioteca Nacional, o Instituto Moreira Salles, a Pinacoteca do Estado de São Paulo e o Itaú Cultural assinaram convênio para a criação do site brasilianaiconografica.art.br. O evento foi realizado no último dia 2 de maio, na Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro.

cobertura-2554-biblioteca-nacional-instituto-moreira-salles.jpg

2 de maio de 2016 – da esquerda para a direita, Eduardo Saron (Itaú Cultural), Flávio Pinheiro (IMS), Renato Lessa (BN), Valéria Piccoli (Pinacoteca) e Vera de Alencar (Castro Maya)

O portal será o primeiro da internet a reunir as principais coleções brasilianas do país e a disponibilizar seu conteúdo e informações sobre a iconografia para o público. O lançamento da plataforma está previsto para março de 2017, e inicialmente contará com duas mil obras.

O presidente da Biblioteca Nacional (BN), Renato Lessa, frisou a importância de divulgação do imenso acervo guardado na instituição, assim como as iniciativas que vem firmando a Biblioteca como uma das pioneiras na área de digitalização e preservação.

Em seu discurso, Lessa mencionou uma espécie de obsessão do Brasil por alcançar um reconhecido como ‘país do futuro’, mas que esse futuro, para acontecer, precisa ser cuidadoso com o legado nacional, aquilo que possui de permanente.

Eduardo Saron, diretor-superintendente do Itaú Cultural, destacou o curioso arranjo de uma parceria público-privada em que instituições irmãs – Itaú Cultural e Instituto Moreira Salles – pela primeira vez assinam um documento conjuntamente, aliados a parceiros estatais de peso, como Pinacoteca do Estado de São Paulo e Biblioteca Nacional.

De acordo com Saron, “a assinatura de uma parceria que ainda irá se realizar dá publicidade a uma ação que se tornará irreversível, o que, em épocas turbulentas e com pouca previsibilidade, se torna a garantia da permanência da plataforma”.

A coordenadora da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Valéria Piccoli, ressaltou a proeminência dos parceiros envolvidos no projeto e destacou a importância de abrir o acervo para acessos de todo o país, com um viés de constante crescimento.

A ideia de instituições permanentes foi central na fala de Flávio Pinheiro, diretor do IMS, que mencionou a necessidade de difundir o conhecimento que cada instituição abriga. Segundo ele, uma exposição bem sucedida no Instituto, na Gávea, Rio de Janeiro (RJ), chega a ter 35 mil visitantes, o que diante da quantidade de acessos obtidos em poucas semanas do portal Brasiliana Fotográfica, é mínimo, já que o site alcançou milhões de acesso em seu curto período de existência. O Brasil foi pintado, aquarelado, gravado em outros suportes muito tempo antes de ser fotografado, lembrou Pinheiro, e o potencial dessa plataforma é imenso.

Também participou do evento Vera de Alencar, diretora dos Museus Castro Maya – inclui os museus Chácara do Céu e do Açude, ambos no Rio de Janeiro.

 

Evento Acadêmico: Semana dos Museus – Paisagens Culturais – Caxias do Sul – De 16 a 20 de maio de 2016.

Este evento integra a 14ª Semana Nacional de Museus, temporada cultural promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), em comemoração ao Dia Internacional de Museus, 18 de maio, apresentando e debatendo com a comunidade as práticas de preservação da memória e do patrimônio cultural.

Edição em foto de Ary Trentin/IMHC/UCS.

Promoção
Instituto Memória Histórica e Cultural – IMHC/UCS
Centro de Ciências Humanas e da Educação

Coordenação
Anthony Beux Tessari – UCS

 

Programação

Dia 16 – Segunda-feira

  • Arquivos e Acervos: Memória e Patrimônio Cultural no Instituto Memória Histórica e Cultural da UCS, Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami e Centro de Memória da Câmara Municipal de Vereadores.
    Anthony Beux Tessari – UCS, Elenira Inês Prux – AHMJSA,Eduardo Ziegler Reis – CMCV.

Dia 17 – Terça-feira

Dia 18 – Quarta-feira

Dia 19 – Quinta-feira

Dia 20 – Sexta-feira

Oficinas

Escavação Arqueológica e Conservação de Fotografias Históricas, nos dias 18 e 19 de maio. Inscreva-se!

Carga Horária

15 horas – Válidas como atividades complementares.

Horário e Local

As palestras ocorrem a partir das 19h40min no auditório do Bloco H – Campus-Sede.

Inscrições

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 16 de maio de 2016. Vagas limitadas.
Para participar, preencha o FORMULÁRIO.

Informações

Central de Atendimento – Telefone: (54) 3218-2145 –Extensaocursos@ucs.brConheça a UCSEndereço das Unidades Universitárias

Fonte: UCS

CVALE: Conheça a biblioteca setorial de São Sebastião do Caí

A Biblioteca do Campus Universitário Vale do Caí – CVALE, localizada em São Sebastião do Caí, possui um acervo de 23 mil exemplares entre livros acadêmicos, literatura em geral, periódicos e multimeios. No espaço da Biblioteca, aos usuários está disponibilizado internet WiFi, mesas de estudo, computador com acesso à Base de Dados e computadores restritos aos Serviços da Biblioteca, Consulta no Catálogo e Empréstimos Interbibliotecas.

Também possui duas salas de estudo e para trabalhos em grupos com televisores, armários guarda-volumes e expositores de jornais e revistas atualizadas. A Biblioteca é climatizada e está a disposição dos alunos de segunda a sexta-feira, das 13h30min às 22h30min.

DSC_0036DSC_0015DSC_0018DSC_0047DSC_0020DSC_0037DSC_0039

Sugestão Literária: “O menino do pijama listrado”, de John Boyne

O projeto Sugestão Literária vem aí com mais um funcionário do Sistema de Bibliotecas da UCS indicando um livro que tenha lhe marcado. A experiência literária da vez é a de Iracema Maciel com o livro “O menino do pijama listrado”, de John Boyne.

Houve ainda, em 2008, uma adaptação cinematográfica rodada pela Heyday/Miramar, em Budapeste. Atores como David Thewlis, Vera Farmiga, Rupert Friend, Asa Butterfield e Sheila Hancock foram as estrelas do filme.

download.jpgBruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.
Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável. (Cia das Letras)

Iracema revela que leu o livro através das indicações de amigos e que a curiosidade de saber o que tinha por trás do pijama listrado foi o que mais lhe motivou para a leitura. Ela declara  ainda que sentiu muita tristeza conforme aproximava-se do fim.

A história foi desenhada de tal forma que era mais ou menos esperado um final trágico para os amigos socialmente distintos. A funcionária acredita que o encerramento da história do menino do pijama listrado decepcionou, sim, e poderia ter sido diferente. Com base no filme, Iracema salienta que as cenas chocantes nada mais revelam aquilo que todos já sabemos, e que não precisariam fazer parte do filme.

Estante Sugestão Literária: Romance Policial

sugest lit.png

O Sistema de Bibliotecas da UCS sugere aos alunos, professores e funcionários a leitura de obras que tenham como tema o romance policial. Venha até a Biblioteca Central e confira os livros disponíveis em nosso acervo. Esperamos por você!

WhatsApp-Image-20160509 (1).jpg

WhatsApp-Image-20160509 (2).jpg

WhatsApp-Image-20160509 (4).jpg