Gaúcha Natália Polesso será a Patrona da 33ª Feira do Livro de Caxias do Sul

23306044.jpg

Natália Borges Polesso será a Patrona da 33ª Feira do Livro de Caxias do Sul. A escritora gaúcha, nascida em Bento Gonçalves e radicada em Caxias, é reconhecida nacionalmente, já tendo conquistado dois prêmios Jabutis, um Açorianos, entre outros. O nome da escritora foi divulgado ontem, quinta-feira, pela Comissão Organizadora do evento, poucos dias depois de a autora, de 35 anos, figurar na Lista Bogotá39, que elege os 39 melhores jovens escritores da América Latina.

Já a homenageada desta edição será a bibliotecária Maria Nair Sodré Monteiro da Cruz, 62 anos. Natural de Recife-PE, Maria já trabalhou na Biblioteca da Universidade de Caxias do Sul no fim da década de 1980.

A 33ª Feira do Livro de Caxias do Sul acontece nos dias 29 de setembro a 15 de outubro, e neste ano, voltará a ser realizada na Praça Dante Alighieri.

Foto: Marcelo Casagrande / Agência RBS

“Café com Poesia” na Biblioteca Central

leia uma poesia-1.jpg

Já pensou em chegar na biblioteca e ler uma poesia, tomando um café? Pois essa é a mais nova ação da Biblioteca Central da UCS: “Leia uma poesia… Tome um café”, confira abaixo como vai funcionar:

Onde: No hall de entrada da Biblioteca da UCS

Quando: Quarta-feira, 17 de maio

Horário: 9h às 10h / 14h às 15h / 18h às 19h

Como: Com o objetivo de incentivar a leitura e tornar a biblioteca um lugar ainda mais acolhedor, inclusive culturalmente, serão colocadas poltronas na recepção da biblioteca e térmicas contendo café. O espaço será como uma sala de leitura e lazer.

Para mais informações, acesse o evento do Facebook e aproveite para confirmar presença e compartilhar com os seus amigos! Não deixe de conferir esta atividade, esperamos por vocês! =)

8 grandes mães da Literatura

Como reflexo que é das relações humanas, a arte literária se alimenta de grandes personagens femininas, mulheres que através de palavras se tornam reais – ao menos para os leitores, que rapidamente as identificam com a mãe que tiveram.

Ainda sobre maternidade, é bacana ler o que Clarice Lispector falou ao Jornal do Brasil em 1967:

“Aliás uma pergunta que me fez: o que mais me importava – se a maternidade ou a literatura. O modo imediato de saber a resposta foi eu me perguntar: se tivesse de escolher uma delas, que escolheria? A resposta era simples: eu desistiria da literatura. Nem tem dúvida que como mãe sou mais importante do que como escritora.” Abaixo, uma lista com 8 grandes mães da Literatura:

Catelyn Stark – As crônicas de gelo e fogo, de George R.R. Martin ( 821.111(73)-312.9 M381d)

Catelyn-Stark-game-of-thrones-20155606-1280-720-690x388.jpg

Certamente a mãe que mais sofre na série de livros criada por George R.R. Martin – a Cersei também sofre, mas quem tem pena dela? Sem oferecer spoilers gratuitos, ser um Stark na série As crônicas de gelo e fogo é ser um sofredor. Catelyn precisa lidar com um filho bastardo do marido, com a separação de seus próprios filhos, com a perda do homem de sua vida e, ainda, com disputas políticas. É muito mais do que o coração de uma mãe pode aguentar, nem parece possível que ela sobreviva à trama sanguinária escrita por Martin. Mas é uma mãe por quem vale a torcida.

Molly Bloom – Ulysses, de James Joyce (821.111(415)-31 J89u) 

0da0fb41-5294-49a4-b63d-37025894a16f.jpg

Molly é a esposa infiel do famigerado Poldy Bloom em Ulysses. No entanto, quando peguei o calhamaço de Joyce e mergulhei nas 24 horas de Bloom, mais do que a infidelidade, me chamou a atenção o quanto Molly é mãe – em partes, até do próprio Bloom. A dor da perda de Rudy retumba entre o casal, que não consegue superar a ausência do filho. Na minha leitura, é até daí que sai toda a loucura da Molly e sua infidelidade: como substituir o filho morto? Como viver e ser feliz depois de perdê-lo?. Por isso, é uma mãe pela qual tenho um carinho enorme, apesar (e talvez exatamente por causa) da verborragia.

Eva Katchadourian – Precisamos Falar sobre Kevin, de Lionel Shriver (821.111(73)-31 S561p)

tilda-swinton-in-we-need-to-talk-about-kevin-690x457.jpg

Se ser mãe é padecer no paraíso, a vida de Eva após a maternidade está mais para inferno. A americana bem sucedida, dona de uma empresa de viagens, é casada com Frank, por quem é apaixonada, e quer levar uma vida de aventuras. Sua vontade de ter filhos é inversamente proporcional ao seu medo da criança que possa pôr no mundo. Medo justificado quando o psicopata Kevin se torna um desafio constante aos poucos instintos maternais de Eva. Frank não ajuda muito, preferindo bancar o papai bonzinho e bobalhão, e nem mesmo a vinda da segunda filha, a doce e acanhada Celia, consegue amenizar a situação. Kevin, com 16 anos, executa, então, seu ato final, realizando um massacre em sua escola, e é preso. Eva fica sozinha, relembrando o passado, remoendo a culpa, entrando em contato com seu mundo íntimo, tentando entender o que aconteceu e estabelecer, ainda que tardiamente, seu grau de conexão com o filho assassino. Um ótimo exemplo de relacionamento doentio entre mãe e filho, com graves consequências.

Dona Sebatiana – Terra Vermelha, de Domingos Pellegrini ( 821.134.3(81)-31 P386t)

TERRA_VERMELHA_1301597236P.jpgEla acha o nome feio, então fica só Tiana. É a mulher central de Terra Vermelha, romance de Domingos Pellegrini. No início da história já sabemos como ela segura a família: o marido se quebra de emprego a outro e ela nada exige, reponde por seus poeminhas “está escrito no rosto quem trabalha porque precisa e quem trabalha por gosto”. Quando a família começa a crescer, não há queixa da dupla jornada. Depois tripla, quando ela e o marido abrem a pensão. Ela é quem convive mais de perto com os moradores da Londrina em construção na metade do século XX, período da história do livro, de nativos e estrangeiros aprendendo a andar com os pés na terra.

Ana – Amor, de Clarice Lispector ( 821.134.3(81)-34 L771L)

Clarice-Lispector-Laço-de-Família.jpgAna é uma dona de casa que sente orgulho pela escolha que fez e pelo papel que se sucumbira dentro do mundo sistematizado. Aliás, o mundo sistematizado de Ana restringe-se ao papel de mãe, esposa e dona de casa. A rotina diária que a torna responsável de um lar, onde ela limpa, passa, cozinha e cuida dos filhos e do marido – esta é a sua essência de mulher. Porém, durante uma tarde, enquanto voltava de bonde para casa, após fazer compras, seu mundo domesticado dilacera-se ao encontrar um cego mascando chiclete na calçada da rua. “E como uma estranha música, o mundo recomeçava ao redor. O mal estava feito. Por quê? Teria esquecido que havia cegos? A piedade a sufocava, Ana respirava pesadamente. Mesmo as coisas que existiam antes do acontecimento estavam agora de sobreaviso, tinham um ar mais hostil, perecível… O mundo se tornara de novo um mal-estar. Vários anos ruíam, as gemas amarelas escorriam. Expulsa de seus próprios dias, parecia-lhe que as pessoas na rua eram periclitantes, que se mantinham por um mínimo equilíbrio à tona da escuridão – e por um momento a falta de sentido deixava-as tão livres que elas não sabiam para onde ir. Ana se agarrou ao banco da frente, como se pudessem ser revertidas com a mesma calma com que não o eram.” Em seguida, a personagem clariciana acaba seguindo desorientada até o jardim botânico, onde obtém uma nova epifania – sendo este um dos momentos mais promissores desta curta narrativa. Resumindo, esta é a estória de uma dona de casa que (re) descobre uma nova realidade fora de sua zona de conforto, volvida pela alienação.

Sra. Bennet – Orgulho e Preconceito, de Jane Austen (821.111-31 A933o) 

LosHombresdJA-Bingley_Sra.Bennet.jpg

Afinal seria muito romântico falar apenas de mães “boazinhas” da literatura. A Sra. Bennet é o tipo de mãe que nenhuma filha, principalmente se você vivesse na era vitoriana, gostaria de ter. Além de orgulhosa, fofoqueira e dramática, a Sra. Bennet acaba prejudicando a imagem angelical de sua filha Jane, e da astuta Elizabeth, ao dar mostras de sua personalidade. Pois qual rapaz gostaria de entrar numa família com tal sogra? Mesmo assim, a Sra. Bennet, na forma como é descrita por Jane Austen, é uma personagem que chama a atenção.

Sinha Vitória – Vidas Secas, de Graciliano Ramos (821.134.3(81)-31 R175v) 

vidas-secas-mae.jpgÉ a principal personagem a representar a saga da mulher sertaneja e retirante na literatura brasileira. Através de seu olhar, de suas falas e de sua indignação existe a denúncia contra a degradação humana, que permeia todo o romance. Ela é apresentada como uma mulher forte, carrega mais peso e é quem toma as iniciativas. É a personagem que mais fala, inclusive reclama da situação de sua família; a retirante fala, descrente, que nunca chegarão a lugar algum, mas indica o melhor caminho a seguir. Também é quem distribui a pouca comida à família e, infelizmente, é ela que mata o papagaio de estimação para que não morram de fome. Sinha Vitória é uma grande mãe, até mesmo para o marido, pois suas atividades estão relacionadas a ajudar na sobrevivência de todos, é ela quem cuida de quase tudo: cuida dos meninos e do marido, arruma suas roupas, toma conta do dinheiro, faz as contas para o ajuste com o patrão e diz o que fazer com o dinheiro. Além de tudo isso, dá proteção psicológica à família nas situações mais difíceis. Uma grande mãe e uma mulher simples, seus sonhos são, basicamente, uma vida melhor para sua família, um par de sapatos de verniz e uma cama de couro.

Molly Weasley – Harry Potter, de J. K. Rowling (821.111-312.9 R884ha) 

Molly-molly-weasley-28762673-640-427.jpgSeria imperdoável falar das mães e não citar a valorosa Molly Weasley, da série Harry Potter. Mãe de sete filhos: Gui, Carlinhos, Percy, os gêmeos Fred e Jorge, Rony e Gina, além do grande amor que nutre pela sua prole, Molly ainda abre o seu coração a todos que necessitam de um lar. Um exemplo mais do que óbvio: Harry Potter. É Molly quem o ajuda a comprar materiais escolares e uniformes, é ela quem manda presentes de Natal ou prepara um delicioso jantar. Certamente, Lilian Potter estava com o coração tranquilo ao ver a dedicação para com seu pequeno Harry. Sempre protegendo e mimando os filhos (no bom sentindo), a sra.Weasley, além de mãezona, é uma grande mulher: membro da Ordem da Fênix, lutou bravamente contra o Lord das Trevas e revelou um lado até então desconhecido quando tentaram matar sua filha. Decididamente, Molly é uma Mãe com M maiúsculo.

Fonte: Homo Literatus

Feriado no Sistema de Bibliotecas UCS

empréstimo (4).png

Em virtude do feriado do Dia do Trabalhador, o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa que não haverá expediente no dia 01 de maio (feriado nacional). A partir de terça-feira (2), retornamos com os horários normais de funcionamento.

Desejamos um ótimo feriado a todos! =)

EDUCS lança e-book “Fontes Diplomáticas: Documentos da imigração italiana no RS”

FONTES-DIPLOMATICAS-683x1024.jpg

Organizado pelos professores Vania Beatriz Merlotti Herédia, da UCS,  e Gianpaolo Romanato, da Universidade de Pádua (Itália), o e-book “Fontes Diplomáticas: documentos da imigração italiana no Rio Grande do Sul” será lançado pela EDUCS nesta quarta-feira, dia 26 de abril, às 16 horas, no saguão a Reitoria, no Bloco A, no Campus-sede.

A publicação contempla 25 boletins publicados pelo Ministério de Relações Exteriores, os quais versam sobre o Rio Grande do Sul, no período de 1878 a 1913. A reunião desses boletins foi feita com a colaboração da Biblioteca da Banca D’Itália em Roma, da Universidade de Pádova e da UCS. Além dos boletins, a obra inclui a legislação de 1901, editada pelo Ministério das Relações Exteriores e a legislação sobre emigração e imigração, que regulamenta as terras públicas, no Estado do Rio Grande do Sul, o que oportuniza informações sobre a regulamentação da emigração no período”.

Vania Beatriz Merlotti Herédia bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1984). Doutora em História das Américas pela Universidade de Gênova. Pós-doutora em História Econômica pela Universidade de Pádova (2002) e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013), e também, professora de graduação e pós graduação pela UCS.

Gianpaolo Romanato é professor de História Contemporânea na Universidade de Pádua e membro, desde 2007, do Pontifício Comitê de Estudos Históricos (Cidade do Vaticano). Seus temas de estudo são, em particular, a história do catolicismo nos séculos XIX e XX, a história das missões na África e na América Latina e a história da emigração.

Fonte: UCS

Adaptação: Pedro Rosano

Participe do webinar “Visibilidade Internacional em Ciências Humanas e Sociais”

123.jpg

As Ciências Humanas e Sociais (HSS) têm uma série de características que as tornam únicas no mundo da publicação científica. Em contraste com outras áreas, que tratam de objetos de pesquisa universais, os HSS lidam com seres humanos, que variam consideravelmente em contextos sociais: os efeitos de suas histórias individuais, coletivas, hábitos, etnias e culturas os tornam únicos. Isso coloca um desafio ao modelo tradicional de publicação científica, originalmente desenvolvido por (e para) as Ciências Naturais e Biomédicas. Silvia Koller, professora da UFRGS e uma das mais renomadas pesquisadores de psicologia da América Latina, discutirá as dificuldades enfrentadas pelos pesquisadores de HSS em relação à publicação e a visibilidade internacional.

O webinar acontece no próximo dia 26 de abril (quarta-feira) e as inscrições são gratuitas. Para participar, basta se inscrever no link. 

Inscrições abertas o Programa de Bolsas Ibero-Americanas Santander

topo-ucs-internacional.png

Estudantes interessados em concorrer a uma bolsa  do Programa de Bolsas Ibero-Americanas Santander podem se inscrever até o dia 9 de junho para cursarem um semestre de graduação em uma universidade parceira da UCS e do Santander Universidades. São oferecidas 14 bolsas, que correspondem a três mil euros para cada estudante selecionado.

A realização do curso é em uma instituição de ensino superior na Espanha, em Portugal ou na América Latina. [Saiba mais]

Fonte: UCS

 

Feriado nas Bibliotecas UCS

empréstimo (2).png

Em virtude do feriado de Tiradentes, o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa que não haverá expediente nos dias 21 (feriado nacional) e 22 de abril (feriado universitário). A partir de segunda-feira (24), retornamos com os horários normais de funcionamento.

Desejamos um ótimo feriado a todos! 🙂

Biblioteca Central abre exposição “Quem Ama Cuida!”

Quem ama cuida! (2)_Página_1.jpg

O Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul inicia hoje, segunda-feira, a exposição “Quem Ama Cuida”, que tem como objetivo sensibilizar os usuários sobre a importância da conservação dos livros.

Na mostra, que ocorre na Biblioteca Central da UCS dos dias 17 de abril a 06 de maio, estão expostos exemplares com os mais diferentes tipos de mau uso.  Venha conferir e conscientize-se! =)

Feriado nas Bibliotecas UCS

empréstimo (1).png

Em virtude do feriado de Páscoa, o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa que não haverá expediente nos dias 14 (sexta-feira santa) e 15 de abril (feriado universitário). A partir de segunda-feira (17), retornamos com os horários normais de funcionamento.

Desejamos a todos uma feliz Páscoa, repleta de paz e prosperidade! =)

Biblioteca de Juventude Digital é lançada em Brasília

Portal_Juventude.png

A Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) inaugurou, na quinta-feira (6), a Biblioteca de Juventude Digital. O site oferecerá diversas pesquisas e estudos relacionados ao tema juventude, passando a servir como fonte de informação para futuros pesquisadores na área sobre as Políticas Públicas para Juventude.

Qualquer pessoa poderá consultar os livros e realizar downloads. Esse ambiente digital também será um meio de interação com a juventude, na qual pesquisadores, estudiosos e militantes do segmentos poderão publicar artigos e disponibilizar esse conteúdo para toda rede mundial de computadores.

Nesta quinta-feira, também foi lançado o “Guia de usuário do Koha”, um software livre adotado pela Biblioteca de Juventude como Sistema Integrado de Gestão de Bibliotecas (SIGB).

Esse software possui licenciamento livre e código aberto e atualmente é mantido por uma grande comunidade internacional. Entre as bibliotecas brasileiras que utilizam essa tecnologia estão a Biblioteca do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e o Colégio D. Pedro II do Rio de Janeiro (RJ).

A Biblioteca de Juventude Digital foi criada a partir de uma parceria entre o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ).

Fonte: Portal Brasil, com informações da Secretaria Nacional da Juventude 

Literatura estimula a abertura das mentes na infância

mae-e-filho-leitura (1).jpg

Para a pedagoga Vanessa Marconato Negrão, 33, “ler ascende clarões na alma”, e nada melhor do que estimular estes clarões ainda na infância. Em sua coluna no Jornal “O Cruzeiro”, a pedagoga pretende valorizar a escrita e mostrar que as crianças podem sim ler e refletir sobre assuntos considerados tabus ou exclusivos aos adultos. “É um pecado reservar aos pequenos apenas temas bobos e rasos.”

Segundo a colunista, atualmente vive-se uma crise cultural, pois as pessoas não leem e através de seus textos, a pedagoga pretende valorizar a escrita e mostrar que as crianças podem sim ler e refletir sobre assuntos considerados tabus ou exclusivos aos adultos. “É um pecado reservar aos pequenos apenas temas bobos e rasos.” aponta.

Um problema sério no mercado editorial infantil, aponta Vanessa, são os muitos livros-brinquedo, com pouca qualidade literária. “Nesses livros a literatura não é protagonista e precisamos mudar isso”, afirma. Ela também critica o uso demasiado dos chamados livros utilitaristas, que sempre buscam uma moral da história, uma lição para a criança. Para Vanessa, é preciso estimular a leitura apenas pelo prazer que a leitura proporciona.

Com relação às leituras impostas na escola, a pedagoga tem dúvidas sobre a prática e destaca que se o interesse pelos livros fosse estimulado desde os primeiros meses de vida não haveria necessidade dessa obrigatoriedade. “Eu acho que ninguém aprende a gostar de ler lendo Machado de Assis, mas se não for imposto, será que eles vão ler?” Ela destaca que até entre os adultos há rejeição aos livros, e mesmo em áreas que a leitura é primordial, é possível encontrar profissionais avessos à literatura.

O primeiro contato da criança com as histórias escritas e contadas, diz Vanessa, deve acontecer o quanto antes e segundo ela, desde os três meses de idade já é possível fazer com que o bebê se envolva na cadência e na sonoridade do conto. “Desde muito cedo eles já são capazes de responder aos estímulos, não de forma verbal, mas das maneiras que eles conseguem naquele momento da vida.” Ela brinca e diz que livro não tem contraindicação, pois toda criança está apta a aprender.

Fonte: Jornal O Cruzeiro 

Conheça a obra rara “Cancioneiro Guasca”

sistema-de-bibliotecas-ucs-seo-de-obras-raras-cancioneiro-guasca-1-638 (1).jpg

O Sistema de Bibliotecas da UCS apresenta mais uma obra rara de seu acervo: “Cancioneiro Guasca”.  A obra, de Simões Lopes Neto, consiste em uma coletânea de poesias populares da cultura do Rio Grande do Sul.

“Cancioneiro Guasca”  foi publicado originalmente em 1910 e suas poesias tratam de saudade, amor e casamento, tudo sob ótica masculina do típico Gaúcho do início do século XX. A Biblioteca Central da UCS conta com uma edição Prínceps (primeira edição) desta obra.

Saiba mais acessando o link. 

Títulos no formato ePub na BVU

tablet-bv.jpg

A Biblioteca Virtual é uma base dinâmica, que se reinventa e incorpora novas funcionalidades ao longo desses 12 anos de história.

Por todos esses anos, a base disponibilizou as obras em formato .PDF, que é o formato mais comum no mercado e que garante uma maior integridade do conteúdo, principalmente para livros técnicos e na área de Exatas. A grande maioria das obras disponíveis na plataforma estão nesse formato (90% dos livros). Esses livros permitem o uso de ferramentas já conhecidas pelo usuário da BVU, como marcações no texto, anotações, impressão e zoom controlado (2 níveis).

Recentemente, a plataforma passou a integrar algumas obras em um novo formato, que é o ePub. Esse formato foi projetado para conteúdo fluído, o que significa que a tela de texto pode ser otimizada de acordo com o dispositivo usado para leitura. Isso permite alguns ajustes diferentes no texto, como um zoom maior, por exemplo. São poucas ainda as obras nesse formato e os usuários perceberão algumas mudanças nas funcionalidades, pois estamos realmente falando de modelos de arquivos diferentes.

Atualmente os ePubs representam cerca de 10% das obras da plataforma e esse percentual deve ser mantido, já que a maioria das editoras atuam com arquivos .PDF.

Esta mudança, tem o compromisso de garantir uma melhor experiência aos usuários e buscar uma solução mais visual que mostre a diferença entre o .PDF e o ePub. Com isso, as capas dos livros em formato ePub terão um destaque mostrando que ali está uma obra com recursos diferentes dos demais.

 

A literatura perde João Gilberto Noll

maxresdefault (1).jpg

No início da semana, a literatura perdeu um grande nome: João Gilberto Noll morreu na última segunda-feira, aos 70 anos, as causas não foram divulgadas pela família.

 O escritor gaúcho, vencedor de cinco prêmios Jabuti, tem 18 livros publicados – 13 romances 3 copilações e duas obras infantojuvenis.  Noll marcou seu nome na história da literatura brasileira com títulos como “O cego e a dançarina”, de 1980. Pelo livro de contos, recebeu, além do Jabuti, os prêmios de revelação do ano, da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e de ficção do ano, do Instituto Nacional do Livro. Foi traduzido para o espanhol, o inglês e o italiano.

Nascido em Porto Alegre em 15 de abril de 1946, Noll viveu no Rio de Janeiro entre 1969 e 1986, onde concluiu a faculdade de Letras, fez inúmeras colaborações em jornais como “Folha da Manhã” e “Última Hora”, e deu aulas na PUC. Conhecido por sua reclusão, o autor mantinha uma vida solitária em seu apartamento em Porto Alegre. João Gilberto Noll foi enterrado nessa quarta-feira (29), no Cemitério João XXIII, na capital gaúcha.

Fonte: O Globo

UCS lança Quadros de Formatura online

Em comemoração aos 50 anos da instituição, a UCS lançou em seu site oficial o espaço “Quadros de Formatura”, onde é possível ver os quadros dos mais diferentes cursos, turmas e anos.  Ao trazer esses registros para um ambiente virtual, mais do que comemorar a história da Universidade, pretende-se comemorar a trajetória das pessoas que levam a marca da UCS no seu currículo e compartilhar recordações do tempo de vida estudantil.

Inicialmente o ambiente reúne os Quadros de Formatura que estão no Campus-Sede. Durante o ano, a página será continuamente alimentada com os Quadros de Formatura das demais unidades universitárias.

 Para acessá-los, basta clicar no link http://www.ucs.br/site/ucs-50-anos/quadro-de-formaturas/ .

Biblioteca do Campus 8 opera em horário diferenciado nesta quarta-feira

27027506226593c1f9.jpg

O Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa que nesta quarta-feira, 29 de março, que a Biblioteca Setorial do Campus 8 vai operar em horário diferenciado, iniciando seu expediente às 13h20min até às 16h e das 17h até às 22h20min. Na quinta-feira, dia 30, a Biblioteca retorna ao seu horário normal.

Concertos do Entardecer estreia em 2017, no próximo domingo

orquestra.jpg

A temporada 2017 dos Concertos do Entardecer terá início no próximo domingo, 26 de março, com o espetáculo Madeiras do Entardecer. Com realização da Orquestra Municipal da UCS, do Museu Municipal da Prefeitura de Caxias do Sul e com o apoio o Recreio da Juventude e do LionsEduC, o evento acontece a partir das 18 horas, na Rede Social do Recreio da Juventude.

Madeiras ao Entardecer é formado pelos músicos Dainer Schmidt (flauta), Elisier Leme (clarinete), Júlio Cesar Wagner (oboé) e Fernando Rauber Gonçalves (piano), músicos da Orquestra Sinfônica da UCS, e compõe-se de obras selecionadas especialmente para este concerto.

O programa soma diversas apresentações dos grupos de Câmara da Orquestra Sinfônica da UCS e de convidados locais, regionais, nacionais e internacionais. A apresentação já ocorreu em diversos lugares da cidade e desde 2015 está fixada no Recreio da Juventude.

Para o evento, incentiva-se a doação de livros infanto-juvenis e juvenis, que podem ser novos ou usados. A entrada para este espetáculo é gratuita, sem a necessidade da retirada de ingresso.

Fonte: UCS Oficial

Texto/adaptação: Pedro Rosano

Fim do empréstimo especial de férias

 

empréstimo.png

O Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa o fim do empréstimo especial de férias, que permitia a retirada de até 25 exemplares de cada material desde o dia 12 de dezembro de 2016. A partir de então, os empréstimos voltam ao seu sistema normal,  sendo necessária a renovação, caso queira estender este prazo. O número de exemplares que pode ser retirado, depende de cada categoria (aluno de graduação, pós, professor…), para consultar a quantidade disponível para o seu caso, acesse o site da Biblioteca. 

 

 

Veja a nova forma de acesso ao portal de periódicos da CAPES

O Sistema de Bibliotecas junto com a Gerência de Tecnologia e de Informação da UCS, tem uma novidade quanto ao acesso à pesquisa no Portal de Periódicos da Capes (http://www.periodicos.capes.gov.br)

Até o ano passado, o acesso às bases de dados dentro do Portal de Periódicos da Capes se dava por meio da configuração do proxy. Dessa forma, era necessária a configuração do proxy nos computadores pessoais, escolhendo um determinado navegador.

Hoje a UCS faz parte da CAFe – Comunidade Acadêmica Federada. Essa Comunidade reúne várias instituições de ensino e pesquisa brasileiras através da integração de suas bases de dados.

E qual o maior diferencial em fazer parte dessa Comunidade?

Por meio de uma conta única (login e senha do UCS Virtual) o usuário pode acessar, de qualquer lugar, os serviços de sua própria instituição e os oferecidos pelas outras participantes da federação, eliminando a necessidade de múltiplas senhas de acesso e processos de configuração de proxy.

Conheçam os benefícios:

  • não é preciso se cadastrar em sistemas diferentes nem gerenciar senhas distintas;
  • navegação mais constante, sem a necessidade de se autenticar a cada passo;
  • controle sobre a privacidade dos dados.

Conheçam mais sobre a CAFe

Para acesso, favor verificar o passo a passo.

Lembrando que as bases de dados da área do Direito, RT online e Plenum, continuam sendo acessadas através do proxy, para acesso fora da rede da UCS, pois estas bases não fazem parte do Portal de Periódicos da Capes.

Em caso de dúvidas, entre em contato conosco através do telefone (54) 3218-2173 ou pelo e-mail bice@ucs.br