Universidade portuguesa disponibiliza acervo online com 2500 livros sobre África e Oriente

Memória-d_África-e-d_OrienteA Universidade de Aveiro, por meio de sua biblioteca digital, oferece um acervo de mais de 2.500 livros de países e localidades lusófanos da África, América e do Oriente.

É possível encontrar obras sobre a história de Angola, Brasil, Cabo Verde, Goa, Guiné, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor. Os livros remetem ao período em que estes locais foram colônias portuguesas.

O acervo faz parte do projeto “Memória d’África e d’Oriente”. Executado pela Fundação Portugal-África, pela Universidade de Aveiro e pelo Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento (CESA) de Lisboa, o projeto conta com a participação de instituições de Cabo Verde, Goa, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe.

Além disso, graças a uma nova parceria com a Biblioteca Nacional portuguesa, mais 67 mil registros foram disponibilizados e deverão ser adicionados ao acervo em breve.

Fonte: Hypeness

Conheça a biblioteca de Guaporé

O Campus Universitário de Guaporé ganhou, em 2016, um novo espaço no centro da cidade. A nova localização do Campus aproximou a biblioteca da comunidade acadêmica, facilitando o acesso ao acervo e aos ambientes de estudo e pesquisa.

O acervo da biblioteca inclui livros, revistas e periódicos nacionais e internacionais e materiais multimídia. O acervo possui mais de 32 mil exemplares e abrange as áreas dos principais cursos oferecidos pela Universidade em Guaporé: Administração, Ciências Contábeis e Direito. O ambiente conta ainda com mesas para estudo e computadores com acesso ao catálogo online.

O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 13h30min às 16h30min e das 17h30min às 22h30min.

Biblioteca-Guaporé

Conheça a Biblioteca de Farroupilha

Localizada no Campus Universitário de Farroupilha, a biblioteca oferece ambientes para estudo e pesquisa e disponibiliza um amplo acervo para toda a comunidade.

Fotos-CFAR

Em 2013, a biblioteca teve seu espaço físico ampliado, recebeu móveis novos e aumentou a quantidade de exemplares, melhorando a distribuição do acervo e gerando mais conforto aos usuários.

A biblioteca conta com salas de estudo em grupo, mesas de estudo individual, espaço para leitura com jornais e periódicos e computadores com acesso à internet e ao catálogo online. O acervo possui mais de 34 mil exemplares e abrange as áreas dos principais cursos oferecidos pela Universidade em Farroupilha: Administração, Ciências Contábeis e Direito.

O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 13h30min às 22h30min.

Fonte: UCS Notícias

Biblioteca Central está com decoração especial do Dia das Bruxas

A Biblioteca Central preparou uma decoração especial para o Dia das Bruxas, com enfeites de abóboras, teias de aranha, fantasmas, morcegos e outros adereços “assustadores”. A data é  celebrada principalmente nos Estados Unidos, onde é chamada de Halloween. Mas hoje em dia ela é festejada em diversos outros países do mundo, inclusive o Brasil.

Fotos

Quando surgiu o Dia das Bruxas?

O Dia das Bruxas que conhecemos hoje tomou forma entre 1500 e 1800. Fogueiras tornaram-se especialmente populares a partir do Dia das Bruxas. Elas eram usadas na queima do joio (que celebrava o fim da colheita no Samhain), como símbolo do rumo a ser seguido pelas almas cristãs no purgatório ou para repelir bruxaria e a peste negra.

Outro costume do Dia das Bruxas era o de prever o futuro – previa-se a data da morte de uma pessoa ou o nome do futuro marido ou mulher. Em seu poema Halloween, escrito em 1786, o escocês Robert Burns descreve formas com as quais uma pessoa jovem podia descobrir quem seria seu grande amor.

No Brasil, desde 2003, também se celebra neste mesma data o Dia do Saci, fruto de um projeto de lei que busca resgatar figuras do folclore brasileiro, em contraposição ao Dia das Bruxas.

Fonte: BBC

Saiba mais sobre a Biblioteca do Campus de Vacaria

A biblioteca setorial de Vacaria é a terceira maior biblioteca do Sistema de Bibliotecas da UCS.

O Campus Universitário de Vacaria (CAMVA) possui dois Campus. A biblioteca setorial situa-se no Campus 2, onde são ministradas as aulas dos cursos de graduação, especialização, educação a distância e extensão. Os principais cursos oferecidos pela Universidade em Vacaria são Direito, Administração, Agronomia e Ciências Contábeis.

Biblioteca-Camva

A biblioteca de CAMVA possui um amplo acervo com mais de 80 mil exemplares, ambientes agradáveis para estudo e espaços para leitura com sofás. A biblioteca conta ainda com salas para estudo em grupo, mesas para estudo individual e computadores com acesso à internet e ao catálogo online.

O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 13h15min às 22h30min.

Plataforma gratuita reúne ensaios literários de intelectuais

Artepensamento

site Artepensamento (no ar desde 22/9), feito com o apoio do Instituto Moreira Salles, reúne ensaios e entrevistas desenvolvidos para os ciclos comandados por Adauto Novaes desde 1986, que debateram temas como a ética, o desejo, o olhar, a crise do Estado-Nação, entre muitos outros.

A plataforma digital deverá ter, quando finalizada, cerca de 800 ensaios filosóficos e políticos. Nesta primeira fase, apresenta 318 ensaios e a versão integral dos filmes produzidos para as séries de tevê Ética e O silêncio dos intelectuais.

Fonte: IMS

Você conhece a segunda maior biblioteca da UCS?

A biblioteca do Campus Universitário da Região dos Vinhedos é a segunda maior biblioteca da UCS e atende os cursos de graduação e especialização oferecidos pela Universidade em Bento Gonçalves.

Biblioteca-Carvi

Inicialmente localizada no bloco da administração do Campus, a biblioteca recebeu um prédio próprio em 2003. Os três pavimentos acomodam amplos espaços para leitura e pesquisa e um crescente acervo para toda a comunidade acadêmica. O prédio conta ainda com uma completa infraestrutura de serviços: salas para estudo em grupo, miniauditório, mesas para estudo individual, sala para pessoas com deficiência visual, elevadores para acessibilidade e computadores com acesso à internet e ao catálogo online.

O acervo da biblioteca inclui livros, revistas e periódicos nacionais e internacionais, materiais multimídia, mapoteca e uma coleção antiga de Diários Oficiais da União e do Estado do Rio Grande do Sul (os Diários também estão disponíveis no Portal Imprensa Nacional e no Diário Oficial RS).

A fim de incentivar e envolver os estudantes, a biblioteca desenvolve vários projetos, proporcionando bate-papos com autores da região, apresentações musicais e ambientes confortáveis que acomodam móveis decorados por alunos do curso de Design.

O horário de atendimento da biblioteca é de segunda a sexta-feira, das 7h45min às 11h25min e das 13h25min às 22h25min, e aos sábados, das 7h45min às 11h25min.

Conheça a biblioteca do Campus 8 – Cidade das Artes

Nesta semana iremos apresentar a biblioteca setorial do Campus 8, localizada no Centro de Artes e Arquitetura da UCS, na cidade de Caxias do Sul.

O Campus, conhecido também como Cidade das Artes, se destaca nas propostas artísticas e na participação da comunidade acadêmica em eventos e projetos. E a biblioteca não fica de fora, incentivando o envolvimento de estudantes em várias atividades, como a criação de pinturas murais e apresentações musicais.

O prédio da biblioteca possui características modernas, com áreas envidraçadas que permitem a integração do interior e exterior, valorizando a natureza do local. A biblioteca possui ainda exposição de xilogravuras, salas de estudo, mesas individuais e cadeiras decoradas por alunos.

O acervo da biblioteca abrange materiais dos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Artes Visuais, Design, Design de Interiores, Moda, Música e também de outras áreas. O acervo inclui livros, revistas e periódicos nacionais e internacionais, vídeos de desfiles, coleção de filmes clássicos, partituras, entre outros.

Vale destacar o programa Arte na Escola, desenvolvido pelo Departamento de Artes em parceria com o Instituto Arte na Escola – Fundação Iochpe e que tem como finalidade contribuir na qualificação de processos educacionais em Arte. Os materiais do programa também fazem parte do acervo da biblioteca.

E para quem quer ficar por dentro das tendências, um dos mais importantes portais sobre o assunto faz parte das bases de dados das Bibliotecas UCS. A WGSN Lifestyle & Interiors é uma ferramenta global de previsão de tendências, design e desenvolvimento de produtos online, que se concentra nas necessidades das indústrias de interiores e residências.

A biblioteca está aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 22h20min.

Você já imaginou como é o setor de Coleções Especiais e Obras Raras? Assista o vídeo

Localizado na Biblioteca Central, o setor de Coleções Especiais e Obras Raras é resultado de doações e compras e inclui obras das mais diversas áreas do conhecimento. O acervo conta com exemplares únicos, livros raros e manuscritos.

E você já imaginou como é esse setor? Para acabar com a curiosidade, preparamos um vídeo contando um pouco mais sobre ele. Se você quiser conhecer o setor pessoalmente, entre em contato conosco e agende uma visita!

Literatura na Serra Gaúcha: assista a produção da UCS Play

ucsplay 2A regionalidade na literatura pode ser explorada sob diversos pontos de vista. Desde as temáticas das histórias, que se relacionam com a região, até o sistema literário como um todo, que é desenvolvido em determinado local. João Cláudio Arendt, doutor em linguística e professor da UCS, coordena um grupo que pesquisa a literatura na Serra gaúcha. Neste vídeo, ele fala sobre as conquistas de autores da região e fatos que foram marcos importantes para esse sistema literário. Também relata situações contraprodutivas, como a censura a livros promovida pela imprensa nos anos 1940 e 1950.

Biblioteca Britânica disponibiliza espetacular coleção de itens em formato 3D

BRITISH-LIBRARYVirando as páginas (Turning the pages) é um programa de computador desenvolvido pela Armadillo Studios que permite bibliotecas e museus possam digitalizar livros, manuscritos e outros documentos em um formato 3D. Os leitores encontrarão a espetacular coleção de itens da Biblioteca Britânica digitalizada com este software. A coleção pode ser de especial interesse para estudos literários, estudos religiosos, historiadores e amantes de livros de todos os tipos.

Esta ampla coleção, que abrange séculos e gêneros, inclui destaques do caderno de Leonardo da Vinci; uma história manuscrita e ilustrada da Inglaterra, de autoria de Jane Austen, de treze anos; e diários mantidos por Robert Scott durante sua viagem final à Antártica em 1911 e 1912 (uma expedição que tragicamente terminou em sua morte). Além disso, esta coleção apresenta vários textos religiosos, o diário musical de Mozart e muito mais. Os itens são acompanhados por anotações detalhadas que fornecem contexto adicional para cada página. Acesse o link.

Fonte: CBBU

 

Saiba mais sobre a biblioteca do Programa UCS-LE Línguas Estrangeiras

Você já deve ter percebido que o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul é composto por várias bibliotecas localizadas em diferentes regiões. Atualmente, 11 bibliotecas fazem parte do sistema e elas estão presentes em todos os campi da universidade. Coordenadas pela Biblioteca Central, as bibliotecas setoriais oferecem apoio às atividades de ensino, pesquisa e extensão e acesso à informação a toda comunidade acadêmica.

Para você explorar todo o universo do Sistema de Bibliotecas, preparamos um conteúdo especial sobre a infraestrutura, os serviços e as curiosidades de cada biblioteca. No primeiro post, conheça a biblioteca do Programa UCS-LE Línguas Estrangeiras!

Localizada no Bloco L do Campus Sede, a biblioteca passou a fazer parte do sistema em março de 2016. Na entrada, um espaço aconchegante com sofás dá boas-vindas aos visitantes. Já no interior da biblioteca, há mesas para estudo e um acervo com materiais relacionados à área de línguas estrangeiras, como livros, periódicos e multimeios nos diferentes idiomas para consulta e empréstimo. 

A biblioteca está aberta nas segundas, quartas e sextas-feiras, das 12h30min às 16h e das 17h às 21h30min; e nas terças e quintas-feiras, das 13h30min às 17h30min e das 17h45min às 19h45min.

No centenário de Nelson Mandela, leia um trecho da autobiografia “Um longo caminho para a liberdade”

mandelaEm homenagem ao centenário de Nelson Mandela, separamos um trecho da autobiografia “Um longo caminho para a liberdade”:

“Na vida, todo homem tem obrigações gêmeas: com a família, com os pais, com a esposa e os filhos; e também tem obrigações com o povo, com a comunidade e com o país. Numa sociedade humana e civilizada, cada homem é capaz de cumprir essas obrigações de acordo com as próprias tendências e capacidades. Mas num país como a África do Sul era quase impossível um homem de minha cor e com minha origem cumprir os dois tipos de obrigações. Na África do Sul, um homem negro que tentasse cumprir seu dever para com o próprio povo era inevitavelmente arrancado da família e de casa e obrigado a levar uma vida à parte, uma existência obscura de clandestinidade e rebelião. No começo eu não optei por colocar o povo acima da família, mas quando tentei servir a meu povo verifiquei que estava impedindo de cumprir as obrigações de filho, irmão, pai e marido.

Dessa forma, meu compromisso com meu povo, com os milhões de sul-africanos que eu jamais viria a conhecer nem a encontrar, era à custa das pessoas que eu mais conhecia e que amava acima de tudo. Era simples assim e no entanto incompreensível como quando uma criança pequena pergunta ao pai: ‘Por que você não pode ficar conosco?’ E o pai tem de proferir as palavras terríveis: ‘Há outras crianças como você, muitas, muitas delas…’ e a voz da gente fica embargada.”

O livro também é uma das sugestões de leitura de Barack Obama. Em viagem para o Quênia e para a África do Sul, o ex-presidente dos EUA aproveitou para fazer uma lista de férias de verão com seis livros de autores africanos ou sobre a África. A lista foi publicada em um post do Facebook de Obama.

Sobre o livro, Obama comenta: “A vida de Mandela foi uma das histórias épicas do século XX. Este definitivo livro de memórias traça o arco da sua vida a partir de uma pequena aldeia até aos seus anos de revolucionário, a sua longa prisão e, finalmente, sua ascensão a presidente unificador, líder e ícone global. Leitura essencial para quem quer entender a história – e depois mudá-la.”

Fonte: Diário de Notícias

Quais foram os artigos científicos que chamaram a atenção nas mídias sociais em 2017?

secret-2681508_1920Reduzir o consumo de gorduras pode não ser a melhor alternativa para diminuir o risco de doenças cardiovasculares e de morte, segundo a principal conclusão do estudo mais comentado nas mídias sociais em 2017. O paper, que recomenda cortar carboidratos, está no topo do ranking dos 100 artigos científicos de maior impacto na internet elaborado pela Altmetric, empresa do Reino Unido que monitora a influência da produção científica por meio não da citação em artigos, mas da análise de menções em sites, redes sociais, Wikipedia, portais de notícia e blogs. Grande parte das pesquisas mais discutidas no ano passado trata de assuntos como estereótipos de gênero, estigmas em torno de doenças mentais e efeitos das mudanças climáticas. Outras abordam tópicos como planetas capazes de sustentar a vida e o risco de robôs roubarem o emprego de seres humanos. O ranking completo está disponível no site.

O paper que lidera o ranking de 2017 foi publicado em agosto na revista The Lancet por pesquisadores de vários países, inclusive do Brasil, e avaliou a dieta de aproximadamente 130 mil pessoas em 18 nações nos últimos 10 anos. Segundo a base de dados Scopus, da editora Elsevier, o trabalho recebeu, por enquanto, apenas 10 citações em outros artigos. Mas teve impacto importante entre públicos variados: foi citado em mais de 7.400 posts no Twitter, 422 páginas no Facebook e 130 sites de notícias. “Graças aos dados da Altmetric é possível ter um quadro mais completo do alcance imediato da pesquisa na sociedade”, observa o cardiologista Álvaro Avezum, diretor da Divisão de Pesquisa do Instituto Dante Pazzanese, em São Paulo, e um dos autores do artigo. O número de citações, ele diz, é um parâmetro consagrado para avaliar a relevância da produção científica, mas não fornece pistas de como seus resultados são recebidos pela população.

Um artigo publicado em maio na revista Research Policy ficou na segunda posição do ranking ao repercutir não só em mais de 7.300 tuítes, mas também em importantes jornais e portais de notícias, como o espanhol El País e o norte-americano Yahoo. O estudo mostrou que um terço dos 3.659 estudantes de doutorado das universidades da região de Flanders, na Bélgica, corria o risco de desenvolver algum tipo de doença psiquiátrica. “Embora seja um problema do ambiente universitário, a discussão sobre as pressões enfrentadas por quem opta por seguir a carreira acadêmica e os distúrbios psicológicos relacionados à vida na pós-graduação está em evidência no mundo. Isso justifica o interesse do público por esse tema”, comenta o biólogo Atila Iamarino, um dos criadores da rede ScienceBlogs Brasil.

Na terceira posição, ficou um paper do Journal of American Medical Association (Jama), assinado por pesquisadores de várias instituições dos Estados Unidos. O estudo examinou dados do Medicare, o sistema de seguros de saúde gerido pelo governo norte-americano, entre 2011 e 2014, e descobriu que os pacientes com idade igual ou superior a 65 anos tratados por médicas apresentaram taxas de mortalidade significativamente menores em comparação com aqueles que foram atendidos por profissionais do sexo masculino no mesmo hospital. O estudo sugere que as diferenças de gênero nos padrões de prática médica pode ter implicações clínicas no tratamento dos pacientes.

Para o epidemiologista Carlos Augusto Monteiro, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), a lista da Altmetric serve de alerta para que a comunidade científica tome cuidado na forma como os resultados de pesquisa estão sendo difundidos para o público. “Muitos estudos em saúde e medicina são divulgados nas mídias sociais como definitivos, mas nem sempre os resultados apresentados espelham um consenso dentro da comunidade científica”, afirma Monteiro. É o caso, ele diz, da pesquisa que ficou na primeira posição no ranking da Altmetric. “Apesar de ter ganho as manchetes, o estudo publicado na Lancet tem conclusões muito taxativas, como a de que as orientações sobre alimentação devem ser alteradas, e tem sido alvo de críticas de epidemiologistas de todo o mundo, por adotar metodologias questionáveis.”

Euan Adie, da Altmetric, chama a atenção para o fato de que nem sempre os artigos ganham notoriedade na internet exatamente por suas contribuições científicas. “Muitos papers caem na boca do povo nas mídias sociais devido a erros detectados após a publicação ou porque o assunto tratado é polêmico por si só”, diz. Ele conta que nessa última edição do ranking não houve casos de erros ou fraudes, mas já ocorreram situações incomuns em anos anteriores.

Texto adaptado de Bruno de Pierro para a FAPESP

A solidão da América Latina: confira um trecho do discurso de Gabriel García Márquez no Prêmio Nobel de Literatura de 1982

gabo-nobelGabriel García Márquez é a nossa dica para o final de semana e para o #desafiobiblioucs deste mês. Cem anos de solidão, O amor nos tempos do cólera, Crônica de uma morte anunciada e outras obras do autor você encontra nas Bibliotecas UCS.

E tem mais: está disponível na Netflix o documentário “Gabo”, que conta um pouco da trajetória do escritor colombiano.

Se você já está curioso, confira um trecho do discurso de Gabriel García Márquez no Prêmio Nobel de Literatura de 1982:

[…]Num dia como o de hoje, meu mestre William Faulkner disse neste mesmo lugar: “Eu me nego a admitir o fim do homem”. Não me sentiria digno de ocupar este lugar que foi dele se não tivesse a consciência plena de que pela primeira vez desde as origens da humanidade, o desastre colossal que ele se negava a admitir há 32 anos é, hoje, nada mais que uma simples possibilidade científica. Diante desta realidade assombrosa, que através de todo o tempo humano deve ter parecido uma utopia, nós, os inventores de fábulas que acreditamos em tudo, nós sentimos no direito de acreditar que ainda não é demasiado tarde para nos lançarmos na criação da utopia contrária. Uma nova arrasadora utopia da vida, onde ninguém possa decidir pelos outros até mesmo a forma de morrer, onde de verdade seja certo o amor e seja possível a felicidade, e onde as estirpes condenadas a cem anos de solidão tenham, enfim e para sempre, uma segunda oportunidade sobre a terra.

Agradeço à Academia de Letras da Suécia por haver me distinguido com um prêmio que me coloca junto a muitos dos que orientaram e enriqueceram meus anos de leitor e de celebrante cotidiano deste delírio sem remédio e que é o ofício de escrever. Seus nomes e suas obras se apresentam hoje para mim como sombras tutelares, mas também com o compromisso, frequentemente sufocante, que se adquire com esta honra. Uma dura honra que neles sempre me pareceu de simples justiça, mas que em mim entendo como mais uma dessas lições com as quais o destino costuma nos surpreender, o que fazem mais evidente nossa condição de joguetes de um fato indecifrável, cuja única e desoladora recompensa costuma ser, na maioria das vezes, a incompreensão e o esquecimento.

Por isso é natural que eu me interrogasse, lá naquele bastidor secreto onde costumamos enfrentar-nos às verdades mais essenciais que conformam nossa identidade, a qual terá sido o sustento constante da minha obra, o que pode ter chamado atenção de forma tão comprometedora, desse tribunal de árbitros tão severos. Confesso sem falsas modéstias que não foi fácil encontrar a razão, mas quero crer que tenha sido a que eu gostaria. Quero crer, amigos, que esta é, uma vez mais, uma homenagem que é rendida à poesia. À poesia, por cuja virtude o inventário assustador das náuseas que o velho Homero enumerou em sua Ilíada está visitado por um vento que as empurra a navegar com sua tristeza intemporal e alucinada. À poesia, que retém, no delgado andaime dos tercetos de Dante, toda a fábrica densa e colossal da Idade Média. À poesia, que tão milagrosa totalidade resgata a nossa América nas Alturas de Macchu Picchu, de Pablo Neruda, o grande, o maior, e onde destilam sua tristeza milenar nossos melhores sonhos sem saída. À poesia, enfim, a essa energia secreta da vida cotidiana, que cozinha seus grãos e contagia o amor e repete as imagens nos espelhos.

Em cada linha que escrevo trato sempre, com maior ou menor fortuna, de invocar os espíritos esquivos da poesia, e trato de deixar em cada palavra o testemunho de minha devoção pelas suas virtudes de adivinhação e pela sua permanente vitória contra os surdos poderes da morte. Entendo que o prêmio que acabo de receber, com toda humildade, é a consoladora revelação de que meu intento não foi em vão. É por isso que convido todos a brindar por aquilo que um grande poeta das nossas Américas, Luis Cardoza y Aragón, definiu como a única prova concreta da existência do homem: a poesia. Muito obrigado.

Tradução: Eric Napomuceno

Você encontra o texto completo no site homoliteratus.