40 anos sem Clarice Lispector: Vida e obra da autora

ClariceLispector_LI-0036_1920x1080.jpg

Nascida Haia Pinkhasovna Lispector, na cidade de Tchetchelnik, na Ucrânia, Clarice e sua família emigraram para o Brasil em 1922, quando a escritora tinha apenas dois anos. Chegando ao Brasil, por iniciativa de seu pai, todos os integrantes mudaram de nome, daí “nasceu” Clarice Lispector.

Em 1925 muda-se com a família para a cidade de Recife-PE, onde Clarice passa sua infância. Aprendeu a ler e escrever muito nova. Estudou inglês e francês e cresceu ouvindo o idioma dos seus pais: o iídiche. Com 19 anos publica seu primeiro conto “Triunfo”. Em 1943 forma-se em Direito e nesse mesmo ano estreou na literatura com o romance “Perto do Coração Selvagem”, que retrata uma visão interiorizada do mundo da adolescência e teve calorosa acolhida da crítica, recebendo o Prêmio Graça Aranha.

Em 1960 trabalha no Diário da Noite com a coluna “Só Para Mulheres” e nesse mesmo ano lança “Laços de Família”, livro de contos que recebeu o Prêmio Jabuti. Em 1961 publica “A Maçã no Escuro” pelo qual recebe o prêmio de melhor livro. Passa a integrar o Conselho Consultivo do Instituto Nacional do Livro. E em 1969 já tinha perto de doze volumes publicados e recebeu o prêmio do X Concurso Literário Nacional de Brasília.

Em 1977 Clarice escreveu um dos mais famosos romances, “A Hora da Estrela”, que foi adaptado ao cinema na década de 80. Clarisse Lispector morre neste mesmo ano, vítima de câncer, um dia antes de completar 57 anos.

Confira alguns dos livros da escritora disponíveis  nas Bibliotecas UCS:

  • Água Viva: 821.134.3(81)-31 L771a
  • A Bela e a Fera: 821.134.3(81)-34 L771b
  • A Cidade Sitiada: 821.134.3(81)-31 L771c
  • Felicidade Clandestina: 821.134.3(81)-34 L771f
  • A Hora da Estrela: 821.134.3(81)-31 L771h
  • Laços de Família: 821.134.3(81)-34 L771L

 

Fonte: Editora Rocco / E-biografia 

 

Anúncios

Biblioteca Central recebe decoração natalina

A Biblioteca Central da Universidade de Caxias do Sul já está no clima de Natal. Durante a última semana, os colaboradores da Biblioteca se empenharam na decoração que deixou a BICE ainda mais bonita. Confira abaixo como ficou! Mas antes disso, você sabe quando e onde surgiu a tradição do Natal?

NATAL 

A história do Natal começa, na verdade, pelo menos 7 mil anos antes do nascimento de Jesus. É tão antiga quanto a civilização e tem um motivo bem prático: celebrar o solstício de inverno, a noite mais longa do ano no hemisfério norte, que acontece no final de dezembro. É o ponto de virada das trevas para luz: o “renascimento” do Sol. Num tempo em que o homem deixava de ser um caçador errante e começava a dominar a agricultura, a volta dos dias mais longos significava a certeza de colheitas no ano seguinte. Foi somente no século 4 d.c., com a oficialização do cristianismo como religião, que deixou-se de adorar o Deus Mitra, em 25 de dezembro, para celebrar o nascimento de Jesus Cristo, tradição esta que foi se espalhando pelo mundo ao longo dos séculos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Livros mais emprestados do mês de novembro

Mais emprestados (3).png

Mais emprestados (4).png

Conheça vida e obra de Érico Veríssimo

biografia-de-erico-verissimo.jpg

Érico Lopes Veríssimo nasceu na cidade gaúcha de Cruz Alta, em 17 de dezembro de 1905. O pai, Sebastião, era farmacêutico e a mãe, Abegahy, dona de casa. O escritor mostrou as primeiras habilidades artísticas em 1914, quando fundou a revista “Caricatura”, que preenchia com notas e desenhos.

Seus primeiros textos foram publicados por volta de 1929.  Morando em Porto Alegre, trabalhou como secretário de redação na “Revista do Globo”, atuou também como tradutor e colaborador do “Diário de Notícias” e do “Correio do Povo”.

O primeiro livro, uma seleção de contos, foi “Fantoches”, publicado em 1932, ano em que virou diretor da “Revista do Globo”. Depois disso, publicou os romances “Clarissa” e “Caminhos Cruzados”. Érico não concordava com o Estado Novo de Vargas e por isso, morou durante um tempo nos Estados Unidos e lá, deu aulas de literatura brasileira.

Em 1947, já de volta ao Brasil, Veríssimo começa a escrever a trilogia que marcou sua carreira: “O Tempo e o Vento”, que foi dividido em três obras: “O Continente”, “O Retrato” e “O Arquipélago”. A trilogia, inclusive, virou novela na extinta TV Excelsior em 1967 e, em 1985, minissérie na TV Globo. “Olhai os Lírios do Campo” também ganhou uma adaptação nos anos 80 pela TV Globo, assim como “Incidente em Antares” em 1994.

Érico Veríssimo ganhou o Prêmio Jabuti em 1965 e o Prêmio Machado de Assis duas vezes, em 1934 e 1954. O escritor, que morreu repentinamente vítima de um infarto, em 28 de novembro de 1975, é considerado um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos.

O Sistema de Bibliotecas da UCS, além de um grande acervo literário de Érico Veríssimo disponível para empréstimo, contém obras nas Coleções Especiais com dedicatórias do próprio autor, são elas: Incidente em Antares, As Mãos de Meu Filho, O Tempo e o Vento e Solo de Clarineta.

Fonte: Globo Educação

 

Vida e Obra de Guimarães Rosa

guimaraes-rosa.jpgJoão Guimarães Rosa nasceu na cidade mineira de Cordisburgo, em 27 de junho de 1908. Poliglota e de notável inteligencia, em 1925 matriculou-se na então “Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais”, com apenas 16 anos.

Nem tinha formado, quando em 1929, escreveu seus primeiros contos e deu início à sua carreira como literário. Em 1930 forma-se em Medicina e exerce sua função nas várias cidades do interior mineiro. Após presenciar as dificuldades de se trabalhar em lugares que não ofereciam condições e pessoas sofrendo e morrendo por causa disso, o autor abandona a Medicina, pois não conseguia conviver com tal realidade.

Após um ano, seu livro “Contos”, o qual mais tarde se chamaria Sagarana, ganhou o prêmio Humberto de Campos. É através desse livro que Guimarães Rosa começa a mostrar o regionalismo através da linguagem, característica maior do autor. “Grande sertão: veredas” vem logo após e é aclamado pela crítica por suas inovações nas formas e na escrita.

O autor era extremamente místico, ligado a pensamentos supersticiosos. As crenças politeístas e os fluídos bons e maus faziam parte de sua vida. Assim, curandeiros, feiticeiros, quimbanda, umbanda, espiritismo e a força dos astros refletiam em concordância com as ideias deste autor.

No Brasil, Guimarães Rosa, na segunda vez em que se candidatou para a Academia Brasileira de Letras, foi eleito por unanimidade. Temendo ser tomado por uma forte emoção, adiou a cerimônia de posse por quatro anos. Em seu discurso, quando enfim decidiu assumir a cadeira da Academia, em 1967, chegou a afirmar, em tom de despedida, como se soubesse o que se passaria ao entardecer do domingo seguinte: “…a gente morre é para provar que viveu.” Morreu três dias mais tarde na cidade do Rio de Janeiro, em 19 de novembro.

O Sistema de Bibliotecas UCS conta com as principais obras do autor, confira:

Grande Sertão Veredas – 821.134.3(81)-31 R788g

Corpo de Baile –  821.134.3(81)-32 R788c

Noites do Sertão821.134.3(81)-31 R788n

Primeiras Estórias: 821.134.3(81)-34 R788p

Sagarana:  821.134.3(81)-34 R788s 

Tutaméia:  821.134.3(81)-34 R788t

Fonte: Brasil Escola 

 

5 livros para devorar antes da adaptação estrear

Ainda neste ano e em 2018, best-sellers serão adaptados ao cinema. Mas antes de chegarem as telonas, vale a pena ler os livros que inspiraram esses filmes, confira:

PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI – 821.111(73)-31 H233p

download (9).jpgLara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos. Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar. Ainda não há previsão da data de estreia do filme.

 

POR LUGARES INCRÍVEIS – 821.111(73)-31 N734p

download (10).jpg

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los. Sem data de estreia definida.
SIMON vs A AGENDA HOMO SAPIENS 
Simon vs. a agenda Homo Sapiens- Capa Livros & Fuxicos.jpgSimon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Agora, o adolescente avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu. Uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos. Previsão de estreia para o primeiro semestre de 2018.
EXTRAORDINÁRIO  – 821.111(73)-31 P153e

529268.png

August Pullman nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade… até agora. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade. O filme estreia no próximo dia 07/12.
DEIXE A NEVE CAIR – 821.111(73)-31 G796d

Deixe-a-Neve-Cair-ganha-data-estreia.jpg

Na noite de natal, uma inesperada tempestade de neve transforma uma pequena cidade num inusitado refúgio para insuspeitos encontros românticos. Em Deixe a neve cair, bem-sucedida parceria entre três autores de grande sucesso entre os jovens, John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle escrevem três hilários e encantadores contos de amor, com direito a surpreendentes armadilhas do destino e beijos de tirar o fôlego. Comédia romântica com a assinatura de um dos maiores bestsellers da atualidade, o livro é o presente de Natal perfeito para os fãs de John Green e de histórias de amor e aventura. Estreia prevista para 22 de novembro de 2017.

 

 

 

Bibliotecas UCS se mobilizam em prol da Campanha Novembro Azul

Enquanto o mês de outubro é dedicado à saúde da mulher, com o Outubro Rosa; o mês de novembro é dedicado à saúde masculina. A campanha Novembro Azul começou em um Pub, na Austrália, em 1999. Um grupo de amigos teve a ideia de deixar o bigode crescer durante todo o mês em apoio à conscientização da saúde masculina.

O movimento foi um sucesso e culminou na criação da Movember Foundation Charity, instituição de caridade dedicada a levantar fundos para os homens diagnosticados com câncer de próstata e depressão, sem condições de bancar o tratamento.

No Brasil, o Novembro Azul demorou um pouco mais a ser adotado, e só passou a ser conhecido graças ao Instituto Lado a Lado pela Vida e à Sociedade Brasileira de Urologia que trouxeram a campanha ao país. Por aqui, além de falar sobre o câncer de próstata, a campanha também tenta quebrar o preconceito dos homens de ir ao médico e, quando necessário, fazer o exame de toque.

O Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul mais uma vez abraça essa causa com a campanha “Novembro Azul nas Bibliotecas da UCS”, que nos últimos anos vem mobilizando a comunidade acadêmica em prol deste movimento.

Durante este mês, todos os colaboradores utilizarão um laço azul representando o símbolo da campanha. Além disso, também serão expostos cartazes e wallpapers nos computadores de pesquisa, além da divulgação nas redes sociais das Bibliotecas UCS sobre a conscientização do câncer de próstata.

Os colaboradores da Bibliotecas UCS já estão no clima da campanha, confira abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Conheça os livros mais emprestados do mês de outubro

Mais emprestados (1).png

Mais emprestados (2).png

Hoje é o Dia Nacional do Livro

Dia-Nacional-do-Livro.jpgNo dia 29 de outubro é comemorado o dia nacional do livro. Dom João VI disponibilizou um acervo bibliográfico muito rico, vindos da Real Biblioteca Portuguesa, com mais de sessenta mil objetos para a primeira biblioteca do Brasil. O acervo era composto por medalhas, moedas, livros, manuscritos, mapas, etc.

As primeiras acomodações da Biblioteca foram em salas do Hospital da Ordem Terceira do Carmo, na cidade do Rio de Janeiro. A escolha da data foi em razão da transferência da Biblioteca para outro local, no dia 29 de outubro de 1810, fundando-se assim a Biblioteca Nacional do Livro, pela coroa portuguesa.

Essa data marcante foi convertida, posteriormente, no Dia Nacional do Livro. E é importante deixar claro que esse marco não está sozinho: há, ainda, o Dia do Livro Didático (27/2), o Dia Nacional do Livro Infantil (18/4), o Dia Mundial do Livro (23/4), o Dia Nacional da Leitura (12/10).

A HISTÓRIA DO LIVRO

Os livros da Antiguidade eram rolos ou cilindros feitos de papiro, uma planta da família das ciperáceas. O papiro em que se escrevia era somente uma parte da planta de mesmo nome. Com o passar do tempo, o papiro foi substituído pelo pergaminho, que é a pele de um animal, geralmente de carneiros, preparada para servir de suporte para a escrita. Sendo mais resistente que o papiro, o pergaminho podia ser costurado o que possibilitou deixar de lado os cilindros e fez surgir o códex ou códice, um objeto de formato semelhante ao do livro atual. O papel – originário da China – chegou ao Ocidente na Idade Média e, desde então, substituiu o pergaminho na confecção de livros. O primeiro livro publicado no Brasil foi Marília de Dirceu, em 1792, escrito por Tomás Antônio Gonzaga.

Fontes: Universia Brasil  / Uol Educação 

Espaço de Leitura do Condomínio Residencial Rota Nova é inaugurado

Foi inaugurado na última sexta-feira, 20 de outubro, o Espaço de Leitura do Condomínio Residencial Rota Nova. Os livros do espaço foram doados pela comunidade acadêmica na Campanha Natal Solidário 2016, que teve como parceiro e incentivador o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul, que arrecadou 1400 obras durante a campanha.

O Projeto: 

O  Projeto  Rota Nova objetivou o acompanhamento e preparo de 420 famílias que residiam às margens da RS-453. As famílias foram cadastradas e beneficiadas com o Programa de Aceleração do Crescimento com recursos do Governo Municipal e Federal e se instalaram em um condomínio entre os Bairros Reolon e Santa Lúcia.

Estiveram presentes na inauguração as bibliotecárias do Sistema de Bibliotecas UCS Ana Pereira, Michele Baptista e Michele Silveira. Abaixo, fotos da Inauguração:

Este slideshow necessita de JavaScript.

*Fotos cedidas pelo Reassentamentos Urbanos AGPRO – Coordenadoria de Projetos

 

 

Kazuo Ishiguro é o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura

Kazuo-Ishiguro.jpg

Kazuo Ishiguro é o vencedor do 114º Nobel de Literatura. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (5), durante evento em Estocolmo, na Suécia. A justificativa dada pela Academia Sueca foi por “seus romances de grande força emocional, que reveleram o abismo sob nossa sensação ilusória de conexão com o mundo.”

Nascido na cidade japonesa de Nagazaki, Kazuo mudou-se para Inglaterra aos 5 anos de idade, onde vive até hoje. Autor de oito livros (sete romances e um volume de contos), ele escreve em inglês e sua obra mais conhecida é “Vestígios do dia”, que venceu o Booker Prize e também virou filme, em 1993.

Aos 62 anos, Ishiguro é considerado um dos mais importantes autores vivos da língua inglesa e vai receber pelo prêmio 9 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 3,5 milhões).  

O Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul possui obras de Kazuo Ishiguro disponíveis para empréstimo. Basta anotar o número de chamada e retirar o seu:

Os Vestígios do Dia –  821.111-31 I79v

Não me Abandone Jamais –  821.111-31 I79n

O Gigante Enterrado – 821.111-31 I79gi

O Desconsolado – 821.111-31 I79d

 

 

 

 

Conheça a Coleção Especial Lino Casagrande

1993_Lino Casagrande_Berenece da Silva.jpg

Lino Casagrande nasceu em Caxias do Sul, em 27 de novembro de 1931. Nos anos 70, licenciou-se em Filosofia pela Universidade de Caxias do Sul, em 1973, após concluiu sua especialização na área e também o seu mestrado, este último pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.  Também em 1973 obteve o título de bacharel em Música pela Escola Superior de Belas Artes. Iniciou suas atividades de docente na então Escola de Belas Artes.

Entre 1974 e 2006, foi professor-titular de Filosofia no Departamento de Filosofia da Universidade de Caxias do Sul. Lino Casagrande morreu em Caxias do Sul, em 19 de julho de 2012.

 

As obras doadas pelo professor fazem parte do acervo de Coleções Especiais  e estão disponíveis para consulta local, na Biblioteca Central da UCS, no Campus Sede. A listagem dos exemplares está abaixo, confira:

 

Foto: Berenice da Silva / Acervo CEDOC/IMHC/UCS

 

 

Timeline da música brasileira

dac2906bd26230c9fb2319a67e34ad191376314511.jpg

Mais de cinco séculos de música reunidos em um só lugar. Iniciativa de Carla Camurati (Comitê Rio 2016), deu vida ao Timeline da Música Brasileira, que contém conteúdos reunidos desde 2009 para o portal Musica Brasilis e pesquisas lideradas pela FUNARTE em constante expansão para abranger a trajetória de incontáveis músicos brasileiros. Neste primeiro momento foram contemplados principalmente os compositores, autores de músicas famosas.

Uma das missões do projeto é preencher a lacuna que impede a circulação de repertórios brasileiros, bem com resgatar e/ou manter viva a obra de importantes cantores e compositores.

Para acessar basta acessar o link http://timelinemusicabrasileira.org.br/ – e apreciar a história e o melhor da música brasileira, de todos os tempos.

Fonte: Música Brasilis 

Tudo o que você precisa saber sobre as Coleções Especiais

Um dos setores da Biblioteca Central da Universidade de Caxias do Sul é o de Coleções Especiais. Ele fica localizado no quarto pavimento da Biblioteca e conta com cerca de 30 mil títulos e 48 mil exemplares, reunindo livros de todas as áreas do conhecimento.

Todo o acervo é dividido em coleções, são 12 ao todo, cada coleção possui o nome do autor que a doou para a instituição. Aliás, todas as obras dessa sessão são fruto de doações de professores, escritores e especialistas, entre elas estão livros, manuscritos, folhetos, teses e exemplares raros.

O procedimento para consulta destas obras é o mesmo, basta anotar o número de chamada do material e solicitar auxílio a algum dos colaboradores da biblioteca. Entretanto, por se tratarem de exemplares únicos, as obras da sessão de Coleções Especiais não podem ser retiradas, sendo disponíveis apenas para consulta nos ambientes da biblioteca.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Conheça seis livros que vão virar série

Está cada vez mais comum que best-sellers da literatura tornem-se filmes e séries. A seguir, separamos seis títulos que vão virar série, mas antes de chegar às telas, retire um exemplar nas Bibliotecas UCS!

A CRÔNICA DO MATADOR DO REI – 821.111(73)-312.9 R846n

91Tb8yIdRML.jpgA trilogia de fantasia A Crônica do Matador do Rei, de Patrick Rothfuss, vai ganhar adaptações tanto para o cinema quanto para a televisão. O criador do musical sensação Hamilton e compositor de Moana, Lin-Manuel Miranda trabalhará ao lado de Rothfuss nas adaptações. O roteiro do filme será baseado em O Nome do Vento (primeiro volume) enquanto que no paralelo estará sendo desenvolvido uma série com produção assinada por Robert Lawrence. Os 2 primeiros livros, O Nome do Vento e O Temor do Sábio, foram lançados no Brasil pela editora Arqueiro. Ainda não existe previsão para o lançamento de The Doors of Stone, terceiro e último livro da saga. A previsão é que tanto o filme quanto a série sejam lançados em 2018. 

UM ESTRANHO NUMA TERRA ESTRANHA –  821.111(73)-311.9 H468e

image-5.pngA Universal Cable Productions e a Paramount Television estão co-produzindo esta adaptação do clássico de ficção científica escrito por Robert A. Heinlein, o livro “Um Estranho Numa Terra Estranha” (“Strange in a Strange Land” no título original). A história é centrada no personagem Valentine Michael Smith, um jovem humano nascido em Marte e criado pelos marcianos. Anos depois, ele volta à Terra e tenta se adaptar aos habitantes e à cultura do planeta. O canal responsável pela exibição será o SyFy. Os produtores do show são Scott Rudin (Onde os Fracos Não Têm Vez) e James Vanderbilt (O Espetacular Homem-Aranha). Previsão de lançamento para 2018. 

GUERRA DOS MUNDOS – 821.111-311.9 W454g

a-guerra-dos-mundos.jpg

Jeff Davis e Andrew Cochran estão trabalhando em uma adaptação televisiva de Guerra dos Mundos para a MTV. O livro ja foi adaptado para os cinemas em 2005, por Steven Spielberg e com Tom Cruise e Dakota Fanning no elenco. Esta, aliás, não será a primeira adaptação de Guerra dos Mundos para a TV, a BBC One anunciou também que está produzindo uma minissérie baseada no livro. Por enquanto não há muitos detalhes sobre ambas produções.

 

 

 

OBJETOS CORTANTES – 821.111(73)-31 F648o

download (2).pngChegou a vez de Amy Adams viver uma das obras sombrias de Gillian Flynn. O romance Objetos Cortantes será adaptado para a televisão pelo canal HBO. A minissérie está sendo dirigida por Jean-Marc Vallée (Pequenas Grandes Mentrias) e as filmagens começaram mês passado em Los Angeles. O livro conta a história da repórter Camille Preaker (Adams), que retorna (a contragosto) para sua cidade natal a fim de investigar os assassinatos de duas garotas pré-adolescentes. Ao mesmo tempo, a jornalista – recém-saída de um hospital psiquiátrico – precisa conviver com a mãe hipocondríaca e a meia-irmã que mal conhece. A previsão de lançamento é para 2018.

 

O CHAMADO DO CUCO  821.111-312.4 R883c

o-chamado-do-cuco.png

Robert Gailbrath, pseudônimo de J.K. Rowling, da saga “Harry Potter”, promete dominar a TV. Os três livros da série investigativa batizada como “Cormoran Strike” serão adaptados pela BBC (a HBO tem os direitos de transmissão internacional).

Será uma série limitada — nesse caso, apenas três temporadas para cada livro. A primeira (“O Chamado do Cuco”) terá três episódios de uma hora cada; a segunda (“O Bicho da Seda”) e a terceira (“Vocação Para o Mal”) terão dois episódios também de uma hora cada. Tom Burke será o detetive Cormoran Strike, enquanto Holliday Grainger fará a assistente e secretária Robin Venetia Ellacott.

A AMIGA GENIAL –  821.131.1-31 F373a

download (6).jpgO canal HBO e o grupo de televisão italiano RAI vão coproduzir uma série de 8 episódios inspirada no best-seller A Amiga Genial, da italiana Elena Ferrante. A série de livros, cujo título original é L’amica geniale e que foi publicada em quatro volumes entre 2011 e 2014, conta a história de duas mulheres jovens brilhantes, amigas mas também rivais, na Itália do pós-guerra, em Nápoles. O italiano Saverio Costanzo está assinando a direção. A estreia está prevista para 2018. 

 

 

Fonte: Papel Pop / Série Maníacos

Adaptação: Pedro Rosano

 

Saiba o que significam as tarjas coloridas nos livros

Ao visitar as Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul, certamente você já se deparou com livros que possuem uma tarja colorida na lombada. Ela pode ser vermelha, verde ou azul, mas você sabe o que significa cada uma delas? Para isso, montamos uma breve, mas valiosa explicação abaixo, para facilitar o entendimento sobre elas:

TARJA VERMELHA: As obras que possuem uma tarja vermelha na lombada não podem ser emprestadas, ou seja, são livros de consulta local, podendo ser utilizados apenas dentro dos ambientes da biblioteca. Mas não são todos os livros que possuem um exemplar de consulta local, não é mesmo? Correto. Nas Bibliotecas Central e do Vale dos Vinhedos, é necessário que um título tenha a partir de 5 exemplares para que um contenha a tarja vermelha – nas demais Bibliotecas, a partir de três exemplares.

TARJA VERDE: Os livros de tarja verde são materiais adquiridos para os cursos de Pós-Graduação da UCS e estão localizados da Seção de Referência, na Biblioteca Central. Agora, uma pergunta: Existem livros de Pós-Graduação de consulta local? Sim, existem! Aliás, este é o único caso em que uma obra pode receber duas tarjas (verde e vermelha).   

TARJA AZUL: Os materiais que contêm tarja azul, são livros e periódicos doados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) . A UCS, através de um convênio, é depositária oficial no Brasil.

CONSULTA LOCAL1024X768

Bibliotecas da UCS contam com grande acervo de DVD’s

2016.11_BICE - Claudia Velho (48)

O Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul, além de um grande acervo de livros e periódicos, também disponibiliza aos seus usuários o empréstimo de DVD’s, são mais de 1800 títulos, entre filmes e séries nacionais e internacionais que podem ser retirados. O tempo de empréstimo para alunos de graduação matriculados em até 5 disciplinas é de 7 dias, podendo retirar até 10 exemplares, para quem cursa a partir de 6 disciplinas o número é de 20 exemplares, também em 7 dias. Se você se encaixa em outra categoria, acesse o link. Confira abaixo algumas obras do nosso acervo:

– BABENCO, Hector. Carandiru. São Paulo: Sony Pictures, c2003. 2 DVDs (150 min) : NTSC/DVD : son., color. Classificação: DVD 791.221.3 C261 2003


– ALLENDE, Isabel; AUGUST, Bille. A casa dos espíritos. São Paulo: Paris Vídeo Filmes, [200-] 1 disco (145 min.) : NTSC/DVD son., color. Classificação: DVD 791.221.3 C334 1.ed.

– SALLES, Walter. Central do Brasil. São Paulo: VideoFilmes, 1998. 1 disco (112 min.) : NTSC/DVD: son., color. Classificação: DVD 791.221.3 C397 1998

– SPIELBERG, Steven. A cor púrpura. São Paulo: Editora Abril S/A, c2008. 1 disco (154 min.) ; (Cinemateca Veja) Classificação: DVD 791.221.3 C787 2008

 – QUEIROZ, Eça de; AMARAL, Maria Adelaide; CARVALHO, Luiz Fernando. Os Maias. Dir. Luiz Fernando Carvalho. Rio de Janeiro: Globo Vídeo, c2004. 4 v.  Classificação: DVD 791.221.4 M217 1.ed.

– KUBRICK, Stanley. O iluminado. São Paulo: Editora Abril S/A, c2008. 1 disco (119 min.) ; (Cinemateca Veja) Classificação: DVD 791.221.5 I29 2008

 – ANNAUD, Jean-Jacques; ECO, Umberto. O nome da rosa. São Paulo: Constantin Film, 2004. 1 disco (131 min.) : NTSC/DVD : son., color. Classificação: DVD 791.221.5 N799 2004

 – JACKSON, Peter. O senhor dos anéis. São Paulo: New Line Cinema, 2001. 3 discos, (178 min.) ; Classificação: DVD 791.221.8 S476 1.ed.

 – COPPOLA, Francis Ford. Drácula de Bram Stoker. São Paulo: Columbia Pictures, c1992. 1 disco (130 min.) : NTSC/DVD: son., color. Classificação: DVD 791.221.9 D757 2000

– RON, Howard. O código da Vinci. São Paulo: Universal, c2006. 2 disco (174min.) ;
Classificação: DVD 791.221.5 R768c 2006

 – GIBSON, Mel. Coração valente. São Paulo: Twentieth Century Fox, c2005. 2 v. : NTSC/DVD ; son., color. Classificação: DVD 791.221.7 C787 1.ed.

 – ZEMECKIS, Robert. Forrest Gump : o contador de histórias. São Paulo: Paramount, c1994. 2v. : DVD/NTSC : son., color. (Paramount collection) Classificação: DVD 791.221.3 F728 1.ed.

 – EDEL, Uli; BRADLEY, Marion Zimmer. As brumas de Avalon. São Paulo: Warner Bros, c2004. 1 disco (180 min) : Classificação: DVD 791.221.4 B893 2004

 – DARABONT, Frank. Um sonho de liberdade. São Paulo: Warner Bros, c1994. 1 disco (142 min.) : NTSC/DVD; son., color. Classificação: DVD 791.221.3 S698 1994 

– WEIR, Peter. Sociedade dos poetas mortos. Edição especial. [S.l.]: Touchstone Pictures, 1989. 1 disco (129 min.) : NTSC/DVD ; son., color. Classificação: DVD 791.221.3 S678 1989

– PEIRCE, Kimberly. Meninos não choram. São Paulo: Twentieth Century Fox, c1999. 1 disco (118 min.) : NTSC/DVD; son., color. Classificação: DVD 791.221.3 M545 1999

30 anos sem Carlos Drummond de Andrade

drummond1.jpg

Em 31 de outubro de 1902, nascia na cidade mineira de Itabira o poeta Carlos Drummond de Andrade. Nono filho de um casal de fazendeiros, iniciou seus estudos primários em Belo Horizonte, após ingressou no colégio interno Anchieta, em Nova Friburgo-RJ, onde participou de seus primeiros concursos literários. Mudou-se com a família em 1920 para Belo Horizonte, onde publicou seus primeiros trabalhos no Diário de Minas e conheceu diversos nomes do meio.

Casou-se no ano de 1925, com Dolores Dutra de Morais, com quem teve dois filhos, Carlos Flávio, que viveu apenas meia hora e para quem dedicou o poema “O que viveu meia hora”, e Maria Julieta. Se tornou redator-chefe do Diário de Minas e em 1930 lançou seu primeiro livro “Alguma Poesia”.  Em 1934, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, para trabalhar como chefe de gabinete do novo ministro da Educação; no decorrer dos anos, colaborou com diversos jornais cariocas.

Drummund é aclamado por muito críticos como o maior poeta brasileiro do século XX. Sua poesia aliava extrema sensibilidade, inteligência e humor, em composições caracterizadas quase sempre pelo verso livre e pelo uso de linguagem coloquial, suas obras, ao retratar as aspirações e angústias cotidianas, parece falar ao coração de cada leitor. Não é à toa que inúmeros versos do poeta se tornaram praticamente ditados populares, como o famoso “E agora, José?”.

Carlos Drummond de Andrade morreu aos 84 anos, no dia 17 de agosto de 1987. Passados exatos 30 anos de sua morte, o escritor, poeta e prosador ainda é lembrado e reverenciado por sua rica e eterna obra.

Pesquisa: Guia do Estudante

Biblioteca Central inaugura nova recepção

Na noite de ontem, quarta-feira (16), foi inaugurada a nova recepção da Biblioteca Central da Universidade de Caxias do Sul. Durante as férias acadêmicas de inverno, todo o hall de entrada da Biblioteca foi reformado, com a substituição e aquisição de novas catracas e também, a colocação de novos balções de recepção e atendimento. As obras foram realizadas com o intuito de modernizar o layout da Biblioteca e principalmente, visando um maior conforto e praticidade do usuários. Confira abaixo as fotos do evento:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Este é o segredo para estudar algo chato com prazer

tomwang112.jpg

Estudar assuntos desinteressantes é uma obrigação que começa logo nos primeiros anos da formação escolar ou até mesmo acadêmica.  Isso se repete pelo resto da vida adulta, ainda que você se especialize na profissão que escolheu. Seja ao longo de uma pós-graduação, seja na preparação para um concurso público, por exemplo, sempre será necessário se debruçar sobre temas desvinculados dos seus interesses e aptidões para ter sucesso profissional.

Felizmente, é possível aprender a gostar de uma área do conhecimento que você sempre achou que detestava. O esforço vale a pena: ao expandir os seus temas de interesse, você ampliará os seus horizontes e poderá ir mais longe na carreira.

Esse foi o caso da professora norte-americana Barbara Oakley, autora do livro “Mindshift: Break through obstacles to learning and discover your hidden potential” (em tradução livre, “Mudança de mentalidade: Supere obstáculos para aprender e descobrir o seu potencial oculto), publicado em 2017 pela editora Tarcher-Perigee.

Com base em sua própria experiência pessoal e em diversos estudos sobre o assunto, a professora tem um método para aprender a desenvolver inesperadas paixões acadêmicas — ou, pelo menos, ser capaz de estudar algo desinteressante com algum prazer.

Ela propõe 4 passos, que você verá a seguir:

1. Busque um gatilho de motivação

Você morria de tédio na escola durante as aulas de geografia? Sofria para decorar fórmulas de química? Um motivo provável para todo esse sofrimento é que você considerava esses assuntos inúteis. Aí está o segredo para gostar (ou odiar) qualquer tema: o uso que você pode fazer dele na sua vida.

Para descobrir graça em um tema aparentemente desinteressante, o primeiro passo é tentar encontrar um motivo para aprendê-lo. Segundo Oakley, um dos melhores gatilhos de motivação é a busca por uma vida mais feliz e confortável.

Foi o que a fez voltar aos livros da sua tão detestada matemática, aos 26 anos de idade: a possibilidade de conseguir um emprego melhor no Exército, onde até então trabalhava numa função de pouco prestígio.

“Desejar uma mudança faz com que, mentalmente, você compare a sua situação atual (por exemplo, empregado como assistente administrativo) com o lugar em que poderia estar (como um funcionário público de alto gabarito certificado em contabilidade)”, explica ela. Ao serem encarados como chave para um horizonte melhor, até os livros mais tediosos podem parecer atraentes.

2. Drible a dor

Acredite se quiser: estudar aquilo de que você não gosta é literalmente doloroso.Pesquisadores da Universidade de Chicago perceberam que até pensar num assunto que você detesta ativa uma parte do cérebro envolvida com a experiência da dor.

A reação natural do corpo é a fuga. Ao começar a estudar aquele assunto, você ficará muito mais suscetível a distrações e provavelmente começará a adiar a tarefa. Das muitas técnicas para vencer a famosa procrastinação, a favorita de Oakley é a Pomodoro.

Funciona assim: desligue todas as possíveis distrações, como celulares ou computadores, e trabalhe por 25 minutos ininterruptos, contados no relógio. Passado esse tempo, levante e busque uma recompensa para si mesmo, como uma xícara de café ou uma boa música.

Com blocos de estudo altamente produtivos, você tem a chance de finalmente entender aquela matéria que sempre pareceu misteriosa para você. Ao ganhar essa familiaridade com o assunto, você pode descobrir alguma dose prazer ao se aprofundar nele.

3. Tenha paciência consigo mesmo

Certas disciplinas se tornam insuportáveis porque temos dificuldade em aprendê-las. Compreender que é perfeitamente normal não entender algo de primeira ajuda a melhorar a sua relação com o estudo.

Quando era criança, Oakley achava que a sua dificuldade para assimilar um novo conceito matemático era resultado de uma completa inaptidão para os números. Essa certeza a afastou cada vez mais do assunto.

Só depois, quando já estudava para se tornar engenheira, ela percebeu que não precisava compreender todos os conceitos de cálculo instantaneamente. Foi uma epifania: livre da ideia de que não tinha “jeito” para aquele assunto, ela persistiu pacientemente nos estudos e acabou descobrindo seu talento.

4. Quebre o estudo em pedaços

Ao estudar um assunto com o qual tem pouca afinidade, a maioria das pessoas tenta estudar tudo de uma vez, para fazer o tormento passar mais rápido. Não funciona. “Ninguém consegue cantar uma música depois de ouvi-la uma única vez”, diz Oakley.

Segundo a professora, a melhor forma de aprender algo difícil é quebrar o assunto em vários “pedaços”. Imagine-se diante de um exercício aparentemente impossível de química, por exemplo. O conselho de Oakley é tentar resolvê-lo sem olhar a resposta. Não conseguiu? Tente de novo amanhã, e novamente nos dias seguintes, até conseguir.

“Cada dia de estudo com foco, seguido por uma boa noite de sono, vai fortalecer novos padrões neurais”, explica ela. Esse trabalho de pavimentação de conhecimentos eventualmente fará você aprender. “E, quanto maior o seu domínio do assunto, mais você vai gostar do que está estudando”, conclui Oakley.

Fonte: Exame