7 sites incríveis para quem é apaixonado por mapas

globo6.jpg

Além de envolver técnicas de documentação complexas, a cartografia também inclui a elaboração de mapas e alguns chamam a atenção pelos detalhes ou por ilustrar realidades que não seriam fáceis de identificar por outro ângulo. Se você é um admirador desses trabalhos e gosta de conferir mapas diferentes e criativos, confira os sites que separamos:

Amazing Maps
Mapas incríveis de várias regiões e com vários temas. Alguns deles usam o formato de gif para identificarmos, por exemplo, mudanças geográficas em algum país.

Big Think – Strange Maps
Os conceitos mais curiosos e bem-humorados de mapas estão aqui: descubra, por exemplo, o “verdadeiro mapa do Oriente Médio” ou em quantos Estados americanos Donald Trump venceria a eleição se apenas os homens pudessem votar no país.

Cartophile
Em português, o nome do site seria algo parecido com “cartófilo”, alguém viciado em mapas e cartografia — se você também for, este é o endereço certo para você.

Fuck Yeah Cartography!
Página da rede social Tumblr repleta de imagens e referências sobre mapas e cartografia.

International Cartographic Association
Todo mês, a Associação Cartográfica Internacional elege um projeto cartográfico para ser homenageado. Você pode conferir todos os vencedores — desde 2009 — na página “Map of the Month”.

Library of Congress: Collections with Maps
Acervo de mapas da biblioteca oficial do Congresso dos Estados Unidos.

Mapillary
Site colaborativo onde os usuários “mapeiam” suas ruas com vídeos feitos pelo celular.

Fonte: Galileu

Harry Potter ganhará edição com rascunhos e manuscritos inéditos

jkrowling.jpg

Na última segunda-feira (26), o livro “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, a primeira obra da série, completou 20 anos de lançamento.  Duas décadas depois, chegará às livrarias inglesa, em outubro, e depois para o mundo inteiro, um novo livro com rascunhos e manuscritos inéditos da saga, a obra será assinada pela autora da saga J.K. Rowling. A notícia foi anunciada pela editora Bloomsbury junto à exposição Harry Potter: A History of Magic, na British Library.

A obra deve chegar às lojas em duas versões: em capa dura e com 256 páginas, sob o título deHarry Potter – A History of Magic, e em capa comum e com 144 páginas como Harry Potter – A Journey Through A History of Magic.

A pré-venda já está disponível pelo site da editora Bloomsbury, que edita os livros do bruxo na Inglaterra, com custo de 12,99 libras na versão brochura e 30 libras na versão em capa dura (cerca de R$ 55 e R$ 130, respectivamente). A má notícia é que ainda não há nenhuma informação sobre a data de publicação do livro no Brasil.

De acordo com o site Potterish, especializado em notícias do personagem, a publicação é “o livro oficial da exibição, uma colaboração única entre a Bloomsbury, J.K. Rowling e os brilhantes curadores da British Library. Ele promete levar os leitores a uma jornada fascinante através das matérias estudadas na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts – das aulas de Alquimia e Poções até Herbologia e Trato das Criaturas Mágicas”.

Fonte: Zero Hora

Este site fornece os sons ambientes de Hogwarts, Winterfell e Tatooine

hogwarts-sons-ambiente.jpg

Imagine só: “Você está sentado em uma cadeira confortável na frente da lareira da sala comunal da Grifinória enquanto o vento da tarde bate nas janelas. Você tem um livro para ler e uma xícara de chá que você enfeitiçou para ficar quente e se mexer sozinha, e mesmo com tanta lição de casa para fazer, você se sente bem tranquilo”.

A cena parece ideal, não? Com um pouco de imaginação e a trilha sonora do site Ambient Mixer, você pode ficar o mais próximo possível dela. O site conta com uma mistura de áudios que recriam os sons ambientes da natureza, jogos, épocas do ano e, inclusive, filmes e seriados famosos.

Os próprios usuários criam os sons ambientes que querem e os deixam disponíveis para as outras pessoas que acessarem a plataforma. Os nerds de plantão poderão encontrar os sons ambientes das salas comunais de Hogwartso da Lufa-Lufa, por exemplo, é uma mistura de pássaros com o fogo da lareira e páginas de livros sendo viradas —, os jardins de Dorne, de Game of Thrones, ou até mesmo o som da chuva na Baker Street, rua em que mora o detetive Sherlock Holmes.

Acesse site através do link e confira!

Fonte: Galileu 

14 séries de sucesso que foram inspiradas em livros

8ba1d0_5a9796a8034d4d67acea967e0d359496-mv2_d_2048_1365_s_2.jpg

Muitos dos grandes sucessos da TV ou da Netflix foram inspirados em obras literárias. Para quem curte assistir séries e ler, essa lista pode ajudar a encontrar um novo livro de cabeceira:

Big Little Lies

A nova série da HBO foi baseada no livro de Liane Moriarty de 2014. Entre as diferenças, a obra literária se passa na Austrália, enquanto a série acontece na Califórnia.

House of Cards

O sucesso da Netflix foi baseado no livro de mesmo nome do autor Michael Dobbs — que, por sua vez, inspirou-se em outra obra também chamada House of Cards. A grande diferença é que a história dos livros se passa na Inglaterra, enquanto a série ocorre nos Estados Unidos.

Dexter

O início da série foi baseado na saga literária Darkly Dreaming Dexter do americano Jeff Lindsay. Entretanto, com o passar dos episódios a produção parou de utilizar os livros como referência.

13 Reasons Why

O hit produzido por Selena Gomez foi inspirado em um livro de 2007, escrito por Jay Asher. A grande diferença é que, na obra, toda a história se passa em apenas uma noite.

Orange Is the New Black

O livro que deu origem à série é, na verdade, a história real de Piper Kerman, que ficou um ano presa após ser acusada por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Alguns personagens do programa da Netflix são baseados no livro, mas as histórias são bem diferentes.

The Vampire Diaries

O hit adolescente foi inspirado na saga literária de mesmo nome, da autora L. J. Smith. Diferentemente da série, em que Elena é interpretada pela atriz Nina Dobrev, a protagonista dos livros é loira de olhos azuis.

Pretty Little Lies

O drama das jovens meninas foi baseado nos 16 livros de Sara Shepard — o primeiro episódio, por exemplo, é inspirado apenas no primeiro da saga. Outra diferença importante é que, diferente da série, na literatura as protagonistas não são amigas próximas.

True Blood

Os vampirinhos de True Blood também foram baseados em livros, mas dessa vez da autora Charlaine Harris. A história, entretanto, diverge muito do livro com o decorrer dos episódios.

Sex and the City

Uma das séries mais amadas de todos os tempos, Sex and the City também foi baseada em um livro: apesar de grandes diferenças, a obra de Candace Bushnel também conta um pouco sobre a vida em Nova York.

Hemlock Grove

A adaptação da Netflix para o livro de Brian McGreevey é bem fiel nos início, mas com o desenvolvimento da série a produção desenvolveu novas tramas, já que não há planos para uma sequência literária.

Under the Dome

A produção de Steven Spielberg foi baseado em uma obra do consagrado autor de suspense e terror Stephen King. Entretanto, a série não fez muito sucesso e foi cancelada na terceira temporada.

Bones

Kathy Reichs é uma autora e antropologista forense que inspirou a série Bones, produzida pela Fox. Infelizmente o sucesso sairá do catálogo da Netflix no início de julho.

Girlboss

O lançamento da Netflix foi inspirado na obra de mesmo nome de Sophia Amoruso, garota que ganhou dinheiro e prestígio após montar um negócio milionário no ramo da moda.

Fonte: Galileu 

Conheça um pouco mais da trajetória e obra de Machado de Assis

machado_de_assis_big_photo1.jpg

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro no dia 21 de junho de 1839, há exatos 178 anos. Filho de dois ex-escravos mulatos alforriados, Machado teve dificuldades de conseguir acesso a educação formal, já que a Abolição da Escravidão aconteceu apenas 49 anos após o seu nascimento; órfão desde muito cedo, foi criado pela madrasta, onde obteve o seu primeiro ensino de letras.

Machado de Assis passou pela escola pública, entretanto não chegou à universidade, um dos motivos pelos quais, foi considerado autodidata em sua formação, muito por conta de sua alta ambição em adquirir conhecimento, o que o acompanhou durante toda a vida.

Com 16 anos, Machado publica seu primeiro poema, intitulado “O Anjo”; aos 21, inicia como colaborador no Jornal do Rio, onde seria encarregado de escrever sobre os debates do senado e a vida da sociedade, aí tem início e ganha destaque, seu jeito inconfundível de narrar, misturando um nato conhecimento e sua ~ conhecida ~ inteligente ironia.     

Em 1881 lança uma de suas obras mais famosas: “Memórias Póstumas de Brás Cubas”,  nesse romance, ele inaugura a sua fase de maturidade que o eleva à altura dos grandes mestres do realismo do século XIX. O autor também é um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras e também membro perpétuo. Machado de Assis morreu em casa, no dia 29 de setembro de 1908, aos 69 anos.

Sua extensa obra literária é composta por nove romances e peças teatrais, 200 contos, cinco coleções de poemas e sonetos e mais de 600 crônicas. Um pouco mais de sua biografia e obra completa do autor podem ser acessadas através do link: http://machado.mec.gov.br/

As Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul, contam com muitas obras do autor, confira algumas delas:

O Alienista – 821.134.3(81)-34 A848a

Dom Casmurro –  821.134.3(81)-31 A848d

Memórias Póstumas de Brás Cubas – 821.134.3(81)-31 A848me

Quincas Borba- 821.134.3(81)-31 A848q

Helena – 821.134.3(81)-31 A848ha

Esaú e Jacó- 821.134.3(81)-31 A848e

A Cartomante- 821.134.3(81)-34 A848c            

Acervo inédito deixado por Ariano Suassuna será lançado em 2018

ariano-suassuna-768x502.png

O acervo inédito deixado por Ariano Suassuna, que faria 90 anos nesta sexta-feira (16), parece inesgotável. Além do já esperado “O Romance de Dom Pantero no Palco dos Pecadores” (Nova Fronteira), que sai em 09 de outubro, cinco novas peças do escritor estão por vir a público.

Os textos estavam entre manuscritos, ilustrações e pinturas deixados pelo escritor na casa onde viveu no Recife. O mais antigo e, segundo o pesquisador Carlos Newton Jr., “o mais importante” da fase anterior ao “Auto da Compadecida”, é de 1950.

O “Auto de João de Cruz” é uma adaptação do “Fausto” de Goethe e do cordel “A História do Estudante que Vendeu a Alma ao Diabo”. Na peça, João de Deus vai, ainda em vida, para o lugar onde são julgados os mortos, numa antecipação da cena icônica do “Auto da Compadecida”. O texto só foi encenado uma vez, em 1958, por um grupo amador, no Recife.

Newton Jr. chama atenção para um dos raros textos do paraibano ambientado fora do sertão. “O Arco Desolado” (1952) –nunca encenado– é uma versão de “A Vida É Sonho”, do espanhol Calderón de la Barca (1600-1681). No acervo também está “O Desertor de Princesa” (1958), uma reescrita de “Cantam as Harpas de Sião”, feita por Suassuna dez anos antes para o Teatro Popular do Nordeste. Há ainda duas obras mais recentes, “As Conchambranças de Quaderna”, de 1987, e “A História do Amor de Romeu e Julieta”, de 1996.

O lançamento das peças inéditas de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira faz parte do projeto editorial organizado pelo filho do escritor, o artista plástico Manuel Dantas Suassuna, com colaboração de duas netas, de Carlos Newton Jr. e do designer Ricardo Gouveia de Melo.

A primeira parte do lançamento dos escritos de Suassuna aconteceu na última sexta-feira (16), com lançamento, no Recife, da reedição do “O Romance da Pedra do Reino”, que ganhou nova capa, com ilustração inédita de Suassuna. As dramaturgias inéditas começarão a ser lançadas a partir de 2018, numa série do teatro completo do autor. O acervo do escritor e dramaturgo ainda dará base a uma exposição itinerante, a “Ilumiara Ariano Suassuna”.

MUSICAL

Os 90 anos do escritor inspiraram ainda a nova montagem da companhia carioca Barca dos Corações Partidos.

“Suassuna – O Auto do Reino do Sol”, que estreia nesta quinta (15) no Rio –e em São Paulo em outubro–, leva à cena personagens, frases e temas da obra do autor. No musical, os jovens Iracema e Lucas vivem um amor à la Romeu e Julieta. Por isso, eles fogem com um circo a caminho de Taperoá (PB), onde Suassuna viveu na infância.

O dramaturgo Braúlio Tavares se inspirou em criações do paraibano, como a peça “A História de Amor de Fernando e Isaura”, e em obras que o escritor admirava.

“Há um pouco de Lorca e de referências a Dom Quixote e Sancho Pança”, conta. O dramaturgo também incluiu o vilão major Antônio Moraes –personagem do “Auto da Compadecida” e do “Romance da Pedra do Reino”. O circo e os folguedos do Nordeste, paixões de Suassuna, são as bases da encenação assinada por Luís Carlos Vasconcellos, cuja trilha tem 16 canções, de autores como Chico César e Beto Lemos.

Fonte: Folha de São Paulo  

10 Belas ilustrações de cidades literárias

Algumas cidades da ficção ganham tamanha influência que às vezes temos a impressão de que realmente existem ou existiram. Neste post selecionamos 10 belas ilustrações de cidades literárias, confira:

lc_1.jpg

lc_2.jpg

lc_4.jpg

lc_31.jpg

lc_5.jpglc_6.jpg

lc_7.jpg

lc_8.jpg

lc_9.jpg

lc_99.jpg

Fonte: Listas Literárias 

Volta ao mundo em 144 livros – faça o download dos melhores

volta-ao-mundo-livros.jpg

Um usuário (Backforward24) do Reddit, ferramenta voltada para criação de conteúdo para web, teve uma ideia genial: misturar literatura com geografia, criando um mapa mundial com a obra literária mais representativa de cada país.

O mapa (que pode ser acessado clicando aqui) reúne o fragmento de 144 livros, frente aos 193 Estados reconhecidos pela ONU, e vem contando com a contribuição do público, que sugere títulos considerados mais aderentes à realidade do país em que vivem.

A Universia Brasil organizou a lista de obras e selecionou 33 delas que indicamos para download gratuito. Faça o download grátis dos livros e descubra um pouco mais sobre a cultura local de cada país por meio da literatura:

AMÉRICA

Brasil: Dom Casmurro, de Machado de Assis

Canadá: Anne of Green Gables, Lucy Maud Montgomery (livro em inglês)

México: Pedro Páramo, de Juan Rulfo (livro em português)

Estados Unidos: O Sol É Para Todos, de Harper Lee (livro em português)

Colômbia: Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez (livro em português)

Guiana Francesa: Papillon, de Henri Charrière (livro em português)

Peru: Lituma nos Andes, de Mario Vargas Llosa (livro em português)

Chile: A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende (livro em português)

Uruguai: Futebol ao Sol e à Sombra, de Eduardo Galeano (livro em português)

República Dominicana: A Fantástica Vida Breve de Oscar Wao, de Junot Díaz (livro em português)

EUROPA

Noruega: Fome, de Knut Hamsun (livro em inglês)

Bélgica: The Sorrows of Belgium, de Leonid Andreyev (livro em inglês)

Reino Unido: Grandes Esperanças, de Charles Dickens (livro em português)

Irlanda: Ulisses, de James Joyce (livro em português)

França: O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas (livro em português)

Espanha: Dom Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes (livro em português)

Suíça: Heidi, de Johanna Spyri (livro em inglês)

Itália: A Divina Comédia, de Dante Alighieri: Inferno – Purgatório – Paraíso (livros em inglês)

Grécia: Ilíada, de Homero (livro em português)

Rússia: Guerra e Paz, de Liev Tolstoi (livro em português)

Belarus: Vozes de Tchernóbil: A História Oral do Desastre Nuclear, de Svetlana Alexievich (livro em português)

República Checa: As Aventuras do Bom Soldado Svejk, de Jaroslav Hašek (livro em português)

Portugal: Memorial do Convento, de José Saramago (livro em português)

Áustria: O Homem sem Qualidades, de Robert Musil (livro em português)

Macedônia: A Irmã de Freud, de Goce Smilevski (livro em português)

ÁFRICA

Argélia: O Estrangeiro, de Albert Camus (livro em português)

Nigéria: O Mundo se Despedaça, de Chinua Achebe (livro em português)

Somália: O Pomar das Almas Perdidas, de Nadifa Mohamed (livro em português)

Moçambique: Terra Sonâmbula, de Mia Couto (livro em português)

África do Sul: Desonra, de J. M. Coetzee (livro em português)

ÁSIA

Turquia: Meu Nome É Vermelho, de Orhan Pamuk (livro em português)

Afeganistão: O Caçador de Pipas, de Khaled Hosseini (livro em português)

Índia: O Deus das Pequenas Coisas, de Arundhati Roy (livro em português)

 

Fonte: Univérsia Brasil 

A incrível relação entre o papel A4 e o tamanho da Terra

06-06-_wp_super_tamamho-do-papel.png

Você provavelmente usa folhas sulfite todos os dias. E se já explorou um pouco as configurações do Microsoft Word ou outro editor de texto sabe que ela tem uma medida muito estranha para um objeto tão comum: 21 centímetros de largura por 29,7 de altura. Não pode ser 20 cm de largura. Não pode ser 30 cm de altura. Quem inventou esse número e porque raios ele tem tantas casas decimais?

Bom, se você já visitou qualquer papelaria, sabe que uma folha A4, nome oficial da Folha Sulfite Padrão, é metade de um A3, que é metade de um A2, que é metade de um A1 que é metade de um A0.

tamanho-do-papel1.png

Até aí, pode parecer um pouco óbvio. Mas o tamanho do A0 também não foi inventado do nada, por capricho de alguém. O A0 tem, precisamente, a área de um metro quadrado. E o metro também tem raízes bem reais: ele foi definido como uma fração da circunferência da Terra.

tamanho-do-papel31.png

Mas espera um pouco. Um metro quadrado é…. quadrado. A folha A0 é retangular. Isso também tem motivo. O comprimento dos seu lados é precisamente calculado para que, toda a vez que você dobre a folha no meio, obtenha duas metades iguais, nas quais a proporção entre os lados é a mesma do que na folha antiga.

Um quadrado jamais se encaixaria nessa ideia: quando você dobra um quadrado no meio obtém dois retângulos. Se a A0 fosse quadrada, você teria um problemão se quisesse, por exemplo, escanear um desenho feito em A3 e imprimi-lo em casa em uma A4.  Sobraria muito papel em branco na folha, ou a imagem ficaria muito pequena. Para preencher tudo, seria preciso distorcer todo o desenho. Pensando na necessidade de reproduzir informação em diferentes tamanhos é que os papeis de A0 a A5 foram pensados para manter a mesma razão entre os lados toda a vez que você faça a dobra no meio.

Toda a vez que você dobra uma folha sulfite no meio, o lado maior se torna o menor, dividido pela metade. Mas o outro lado fica com o mesmo tamanho. Como fazer com que a relação entre os tamanhos seja sempre a mesma?

tamanho-do-papel5.png

Essa é a única proporção que permite a mesma relação entre o tamanho dos lados na dobradura de A0 = 2 A1 = 4 A2 = 8 A3 = 16 A 4 = 24 A5.

Se você fizer a conta com o tamanho do A4, o lado menor (21 cm) vezes raiz de 2 (1,4142) vai ter como resultado 29,6982. Ou seja, a estranhíssima medida de 29,7 é um arrendondamento, para facilitar. Mais uma prova de que, no campo dá matemática, as coisas geralmente são mais complicadas do que parecem.

Fonte: Superinteressante 

Livro inédito de J.R.R. Tolkien é publicado cem anos após ser escrito

xtolkien.jpg.pagespeed.ic.2-0F9dagEJ.jpg

Um livro inédito do célebre J.R.R. Tolkien, autor de “Senhor dos anéis”, foi publicado nesta quinta-feira, cem anos depois de ser escrito. “Beren e Lúthien” é descrita como uma história de “conteúdo pessoal” que o então professor da Universidade de Oxford, no Reino Unido, criou ao retornar da Batalha do Somme, ocorrida na França, em julho de 1916, durante a Primeira Guerra Mundial.

O livro está sendo publicado pela HarperCollins no 10º aniversário de “Os filhos de Húrin”, último livro com ambientação na Terra Média, onde também se desenrola a saga de “O senhor dos anéis”, série que inspirou a trilogia de filmes de mesmo nome, dirigida por Peter Jackson.

O “novo” livro conta a história dos amantes Beren e Lúthien, respectivamente, um homem mortal e uma elfo imortal que tentam roubar algo do maior de todos os seres do mal, Melkor, posteriormente chamado Morgoth, o inimigo negro. O pai de Lúthien, um lorde Elvish, não aprova o relacionamento e impôe a Beren uma tarefa impossível para que eles possam ficar juntos.

Boa parte dos títulos de Tolkien foram publicados postumamente, incluindo “O Silmarillion”, “Contos inacabados” e “The history of Middle Earth” (não publicado no Brasil), uma série em 12 volumes editada por Christopher. Suas obras mais conhecidas, entretanto, “O hobbit” e a trilogia “O senhor dos anéis”, renderam grande fama ao autor ainda em vida.

Fonte: O Globo 

‘Cem Anos de Solidão’: livro de Gabriel García Márquez faz 50 anos

gabriel-2 (1).jpg

Em 30 de maio de 1967 Gabriel García Márquez lançava Cem Anos de Solidão,considerado pela crítica especializada como sua obra-prima. O livro conta a história da família Buendía na cidade fictícia de Macondo e de como a matriarca, Úrsula, toma conta de tudo e de todos.

Cem Anos de Solidão faz parte do gênero realismo fantástico, que conta histórias reais com um toque de irrealidade. Há, por exemplo, uma parte do livro em que chove por mais de quatro anos sem parar: “Uma tempestade assim não seria possível na realidade, mas ela é uma metáfora do processo de silenciamento que ocorre na América Latina depois da repressão aos movimentos populares”, afirma Alexandre Barbosa, professor da Universidade de São Paulo (USP) e especialista em América Latina.

Outra característica da obra são as repetições. Nomes, acontecimentos, objetos… Tudo parece surgir mais de uma vez, o que não é coincidência. O livro conta, também, a história das cidades da América Latina que, para o professor, também acontece em ciclos. “Nosso continente vem passando por ciclos como os da conquista europeia, os de luta de independência, os de invasão norte-americana, os de ditaduras militares, os de resistência às repressões, os de governos neoliberais, os de governos nacionalistas e agora um novo ciclo de governos liberais. Tal qual a cidade de Macondo, a América Latina parece condenada a ficar repetindo esses ciclos.  E a produção cultural acompanhou esse processo do realismo mágico de se voltar para a história e realidade do continente”, afirma o professor.

Pensando nisso, a GALILEU preparou uma árvore genealógica da família Buendía para te acompanhar na leitura (ou releitura) da obra com vários Josés Arcádios e muitos (muitos) Aurelianos.

Fonte: Galileu

Conheça os livros mais emprestados do mês de maio

Mais emprestados (4).png

Mais emprestados (5).png

Os 100 primeiros anos de fotografia na Europa disponíveis on-line

Loya- Vale de Yosemite (The Sentinel).jpg

Mantida pela União Europeia, a plataforma Europeana é uma biblioteca on-line de arte alimentada por instituições como Berlinische Galerie, Biblioteca Nacional da França, Museu do Louvre e Biblioteca Britânica. Ela é atualizada constantemente e inclui, por exemplo, coleções focadas em arte barroca e iluminista, cartões postais do sudeste europeu e acervos de manuscritos. Em maio de 2017, a plataforma lançou a coleção temática Europeana Photography. Essa coleção reúne imagens e documentos de 50 instituições europeias de 34 países que documentam os primeiros 100 anos da fotografia no continente europeu. Há mais de 2,2 milhões de fotografias, algumas delas de pioneiros, como a britânica Julia Margaret Cameron.

O material também será reunido e organizado em exposições virtuais numa série, intitulada “O prazer da abundância”, que, segundo a curadoria, “celebra a opulência e riqueza visual da fotografia vintage”. Uma das primeiras exposições da série se chama “Fotografia industrial na era das máquinas” e reúne imagens de máquinas, cidades, indústrias e oficinas do início do século 20. Para conferir a galeria basta clicar aqui!  

Fonte: Jornal Nexo 

 

 

Poeta cria app gratuito que mapeia pontos de poesia pelo Brasil

A quantidade de poetas do Brasil é enorme e crescente, há eventos, bibliotecas e locais que reúnem poetas. Foi para mapear esses pontos de poesia que a poeta brasiliense Marina Mara criou o aplicativo PoemApp.

O propósito do aplicativo é reunir esses pontos por todo país, para que os eventos, saraus e locais possam divulgar suas programações e novidades. Os locais podem ser adicionados de forma automática, mediante somente a criação de um login e uma senha, e o app está disponível para download gratuito.

Poemapp1.png“É como se fosse um ‘Waze’ da poesia. É colaborativo, e as pessoas vão colocando ali seus pontos de poesia. Pode ser um evento, um sarau ou um local”, afirma Marina. A ideia é que o usuário possa saber sempre onde está a poesia em sua cidade e, no lançamento, o PoemApp já contava com 10 mil pontos cadastrados. Em poucas horas, confirmou-se que o aplicativo era um sucesso.

O PoemApp conta também com um blog, com dicas literárias e, claro, poemas. A frequência é intensa e de todo o Brasil, mostrando que, à margem do mercado, da mídia, dos grandes centros urbanos e econômicos, a poesia sempre dará um jeito de nos alcançar – como uma expressão natural e essencial da própria sentimentalidade humana.

Poemapp2.png

Fonte: Hypeness.com 

 

Os pais são muito importantes no desenvolvimento dos filhos como leitores

display.jpg

Ouvir e ler histórias desenvolve todo o potencial crítico da criança. O ato de contar histórias deve ser uma prática diária nas instituições de educação infantil, também, em casa, principalmente em casa. Sabemos, com todos os pontos e vírgulas, que contar histórias é extremamente importante e benéfico para as crianças.

Desde a mais tenra idade há quem afirme a eficácia de embalar os bebês, ainda no ventre, com a melodia da voz da mãe, contando histórias, para familiarizar a criança desde aí, com os mecanismos narrativos, e com a proximidade e o afeto que o contar histórias envolve, essas ações, de certo modo, já fazem parte das estratégias para a formação do leitor. Além da importância que causam no desenvolvimento da criança, as histórias infantis quando são narradas por um dos pais, estreitam a relação e a comunicação e proporcionam a troca afetiva.

Toda criança adora ouvir história e pode ser a mesma, muitas e muitas vezes. Transformar a hora da leitura em um momento de aprendizado é essencial. Ouvir e ler histórias desenvolve todo o potencial crítico da criança, é poder pensar, duvidar, se perguntar, questionar, é se sentir inquieto, cutucado, querendo saber mais e melhor ou percebendo que se pode mudar de ideia e ter vontade de reler ou deixar de lado de uma vez. A partir dos 3, 4 anos, as crianças têm um vocabulário maior e constroem as primeiras frases. A leitura para os pequenos, tanto em casa quanto na escola, contribui muito nessa fase de desenvolvimento.

Os contos tradicionais exploram conteúdos e sentimentos que interessam muito às crianças. Como o medo, o abandono, o crescimento, o mal e assim por diante. Primeiramente os pais precisam acreditar na história que narram e transmitir isso para o filho; Escolha um momento do dia para a atividade, como na hora de dormir; Crie um clima, ao chegar após um dia inteiro fora de casa não comece contar histórias imediatamente. Proporcione um tempo de diálogo e brincadeira com seu filho para ele se envolver no clima da história e se desligar das outras atividades; Prepare-se para as interrupções, criança faz muitas perguntas, explique o que for necessário e continue a história;

Os pais são muito importantes no desenvolvimento dos filhos como leitores, quando os pais antes da criança dormir contam história, é um momento de interação, transmite confiança e segurança, cria situação de amorosidade e desenvolve uma memória afetiva muito boa. A criança vai resgatar este sentimento de conforto e amorosidade que teve com os pais quando for estudar os livros da escola.

Os livros ajudam na autoestima e na confiança, a participação dos pais no ato de contar histórias reforçam este sentimento, os pais devem estimular a criatividade da criança na hora de contar uma história, a criança tem conflitos e precisa aprender a se proteger emocionalmente.

Fonte: Livros e Pessoas 

 

No Dia da Toalha, relembre obras do universo Nerd

O-Guia-do-Mochileiro-das-Galáxias.jpg

O dia de 25 de maio é conhecida em diversos países do mundo como o Dia da Toalha ou dia do Orgulho Nerd.  O dia foi escolhido em referência ao clássico livro “Guia do Mochileiro das Galáxias”, de Douglas Adams, aonde a toalha é um item indispensável para a sobrevivência em uma viagem intergalática, a obra é uma das mais populares entre o público Geek. E nada é por acaso, pois no dia 25 de maio de 1977 acontecia a primeira exibição de ‘Star Wars’ em circuito comercial nos Estados.

Mas afinal, o que é ser Nerd? Nerd é um conceito genérico, que define quem se interessa muito por determinado tema e busca aprofundá-lo o máximo possível, fazendo desses universos partes de sua vida. Dentro da expressão há várias derivações, como os Geeks, aficionados por tecnologia, os Trekkers, amantes do Star Trek, os Gamers, ficcionados por video game, os Otaku, que curtem a cultura japonesa, e muitos outros.

As Bibliotecas da UCS contam com diversos livros da cultura Nerd, confira abaixo e retire o seu:

– Stars Wars: A trilogia (821.111(73)-311.9 L933s)  George Lucas, Donald Glut, James Khan  

  – Star Wars : aftermath  (821.111(73)-311.9 W469s)Chuck Wendig 

– O Fim da Eternidade (821.111(73)-311.9 A832f 2007) – Isaac Asimov 

– Doctor Who  (821.111-311.9 R644d) Gareth Roberts 

– Guia dos Mochileiros das Galáxias (821.111-311.9 A211ga)  – Douglas Adams

Anunciados os vencedores do 51º Concurso Anual Literário de Caxias do Sul

19151971.jpg
Foto: Jonas Ramos / Agência RBS

Foram anunciados nessa terça-feira(23) os vencedores do 51º Concurso Anual Literário de Caxias do Sul. A maior premiação foi dada a a Poema-casa, de Bernardethe Pierina Ghidini Zardo, na Categoria Obra Literária (Prêmio Vivita Cartier).

Outros premiados foram Roberta Rech Mandelli, com os textos Teus Tons de Verde, Passarela e Enterro, na categoria contos, com Mudei, Se você fosse embora e A décima segunda vez que fomos derrotados pelas lembranças, na categoria Poesia. e Maya Falks, com Eu, jardim, Pretinho e Eu não estou na lista, na categoria crônica.

Na comissão avaliadora do prêmio estavam os escritores  Dinarte Albuquerque Filho, Natália Borges Polesso e Valesca de Assis. A premiação será no dia 6 de junho, às 19h30min, no Café Do Arco da Velha, na Casa da Cultura.

Gaúcha Natália Polesso será a Patrona da 33ª Feira do Livro de Caxias do Sul

23306044.jpg

Natália Borges Polesso será a Patrona da 33ª Feira do Livro de Caxias do Sul. A escritora gaúcha, nascida em Bento Gonçalves e radicada em Caxias, é reconhecida nacionalmente, já tendo conquistado dois prêmios Jabutis, um Açorianos, entre outros. O nome da escritora foi divulgado ontem, quinta-feira, pela Comissão Organizadora do evento, poucos dias depois de a autora, de 35 anos, figurar na Lista Bogotá39, que elege os 39 melhores jovens escritores da América Latina.

Já a homenageada desta edição será a bibliotecária Maria Nair Sodré Monteiro da Cruz, 62 anos. Natural de Recife-PE, Maria já trabalhou na Biblioteca da Universidade de Caxias do Sul no fim da década de 1980.

A 33ª Feira do Livro de Caxias do Sul acontece nos dias 29 de setembro a 15 de outubro, e neste ano, voltará a ser realizada na Praça Dante Alighieri.

Foto: Marcelo Casagrande / Agência RBS

3 curiosidades e 3 livros para quem amou “A Cabana”

Poucos livros de autores estreantes fazem o sucesso que A Cabana conquistou. O próprio autor não esperava que a obra virasse um fenômeno global, mas a história de Mackenzie Allen Phillip arrebatou multidões de leitores.

No livro, sua filha mais nova foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar àquela cabana para passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta ao cenário de seu pior pesadelo. O que encontra lá muda sua vida para sempre.

Confira algumas curiosidades sobre o livro:

1 – Em 2005, William Paul Young estava à beira da falência. Foi nesta época que ele decidiu escrever sobre seus sentimentos em relação a Deus e presentear sua família e amigos próximos com o livro. Ele nunca imaginou que um dia seu livro venderia milhões de cópias.

2 – Recusado por inúmeras editoras, A Cabana foi finalmente publicada por Jacobsen e Cummings, que para isso criaram sua própria empresa editorial. Depois disso, recomendado boca a boca, já vendeu pelo menos dois milhões de exemplares. No idioma português ele foi lançado em 2008.

3 – Este livro, que enfoca a relação de Deus com o homem, usa uma comovente história para tentar resolver o que os filósofos chamam de “o problema do mal”, ou seja: por que Deus permite que coisas ruins aconteçam com pessoas boas? Essa é uma questão que desafia os grandes teólogos de diversas religiões há tanto tempo tem até um nome: teodiceia – um argumento que procura demonstrar que a existência do mal não descarta a possibilidade da existência divina.

4- Ele está disponível nas bibliotecas da UCS, anote o número e retire: 821.111(73)-31 Y78ca

Para quem adorou A Cabana, preparamos uma lista de outros livros que também vão aquecer seu coraçãozinho diante das agruras da vida. Confira:

As Cinco pessoas que você encontra no céu, de Mitch Albom

as cinco pessoas que vc encontra no ceu.jpg

Mitch criou uma fábula para nos fazer refletir sobre o verdadeiro significado de nossa existência. ‘As cinco pessoas que você encontra no céu’ conta a história de Eddie, o mecânico de um parque de diversões que morre no dia de seu aniversário de 83 anos, tentando salvar uma garotinha. Imerso numa rotina de trabalho e solidão, ele passou a vida se considerando um fracassado. Ao acordar no céu, encontra cinco personagens inesperados que lhe mostram como ele foi importante.

Número de Chamada:  821.111(73)-31 A339ca

Uma vida interrompida, de Alice Sebold

as-cinco-pessoa-que-voce-encontra-no-ceu.jpg

Quando conhecemos Susie Salmon, uma menina de 14 anos, já está no céu. Enquanto observa a Terra, elas nos conta uma história comovente e cheia de esperança. Susie vê a vida continuar sem ela – os amigos da escola trocam boatos sobre seu desaparecimento, a família nutre esperanças de encontrá-la, seu assassino tenta não deixar rastros. À medida que os meses passam sem trazer pistas, Susie vê o casamento de seus pais ser arruinado pela perda, a irmã se recolher em um esforço para ser forte e o irmão caçula tentar entender o significado da palavra morte. Ao mesmo tempo, ela explora aquele lugar estranho chamado céu. A partir da trágica morte de uma adolescente, este romance constrói a mais esperançosa das histórias.

O vendedor de sonhos, de Augusto Cury

o-vendedor-de-sonhos-208x300.jpeg

O romance mais vendido de Augusto Cury, que deu origem ao filme de Jayme Monjardim, com Dan Stulbach e César Troncoso nos papéis principais. Um homem maltrapilho e desconhecido tenta impedir que um intelectual se suicide. Um desafio que nem a polícia nem um famoso psiquiatra tinham sido capazes de resolver. Depois de abalá-lo e resgatá-lo, esse homem, de quem ninguém sabe a origem, o nome ou a história, sai proclamando aos quatro ventos que as sociedades modernas se converteram em um hospício global. Com uma eloquência cativante, começa a chamar seguidores para vender sonhos em uma sociedade que deixou de sonhar. Nada tão belo e tão estranho.

Número de Chamada: 821.134.3(81)-31 C982v

Fonte: Estante Virtual 

Páginas de um dos primeiros livros impressos da Inglaterra são encontradas

image.jpg

Algumas páginas de um dos livros mais antigos da Inglaterra foram encontradas por especialistas da Universidade de Reading. As páginas que datam do século 15 estavam dentro de uma outra publicação e fazem parte de um livro chamado Sarum Ordinal or Sarum Pye, que explica aos padres como promover festas e banquetes.

Segundo o jornal The Independent, as folhas soltas foram colocadas lá para ter a integridade preservada. “Não existe nenhum outro item preservado deste tipo, ele é um dos únicos dois fragmentos existentes do livro medieval Caxton”, afirmou a bibliotecária Erika Delbecque, que descobriu as relíquias enquanto catalogava obras da história do design.

 O mais curioso é que o livro em que as páginas foram encontradas havia sido vendido com uma leva por 70 mil libras, em 1997. Hoje, só as duas folhas do Sarum Ordinal or Sarum Pye foram avaliadas em 100 mil libras.
Fonte: Galileu