Feriado no Sistema de Bibliotecas UCS

empréstimo (4).png

Em virtude do feriado do Dia do Trabalhador, o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa que não haverá expediente no dia 01 de maio (feriado nacional). A partir de terça-feira (2), retornamos com os horários normais de funcionamento.

Desejamos um ótimo feriado a todos! =)

Tire suas dúvidas sobre o sistema de multas das Bibliotecas UCS

claudia-velho-1560

Ninguém gosta de atrasar livros e muito menos de pagar multas, não é mesmo? Porém, tem vezes que por algum descuido a gente esquece e com isso, surgem os questionamentos do que fazer nesses casos. Por isso, elaboramos o post abaixo para sanar estas dúvidas:

– No ato de retirar um livro no balcão de empréstimo da biblioteca, somos informados qual sua data de devolução; a partir da meia-noite do dia seguinte a esta data, a multa é gerada, no valor de R$ 1,50 por dia e por obra retirada.

– Caso você devolva o(s) livros(s) com apenas UM dia de atraso, a multa é abonada.

– A partir dos dois dias do prazo expirado, a multa é inevitável. No ato da devolução (sempre na biblioteca de origem dos materiais), você receberá um boleto que pode ser pago em até 2 dias, na rede bancária e credenciados; não é possível devolver as obras e deixar a multa pendente.

– Uma alternativa para quem possui multas acima de R$ 50,00 é efetuar o pagamento através do cheque-presente, que pode ser de qualquer livraria que esteja em uma das cidades com Campus da UCS ou também online.

– O sistema envia automaticamente, aos usuários com e-mail cadastrado, um aviso de vencimento com 2 dias de antecedência do prazo de empréstimo e no Portal UCS Virtual com 1 dia de antecedência. Porém, o eventual não recebimento do e-mail por problemas técnicos, não isenta o usuário do compromisso de cumprir os prazos.

Em caso dúvidas, entre em contato com a gente através das Redes Sociais do Sistema de Bibliotecas da UCS ou pelo e-mail: bice@ucs.br

EDUCS lança e-book “Fontes Diplomáticas: Documentos da imigração italiana no RS”

FONTES-DIPLOMATICAS-683x1024.jpg

Organizado pelos professores Vania Beatriz Merlotti Herédia, da UCS,  e Gianpaolo Romanato, da Universidade de Pádua (Itália), o e-book “Fontes Diplomáticas: documentos da imigração italiana no Rio Grande do Sul” será lançado pela EDUCS nesta quarta-feira, dia 26 de abril, às 16 horas, no saguão a Reitoria, no Bloco A, no Campus-sede.

A publicação contempla 25 boletins publicados pelo Ministério de Relações Exteriores, os quais versam sobre o Rio Grande do Sul, no período de 1878 a 1913. A reunião desses boletins foi feita com a colaboração da Biblioteca da Banca D’Itália em Roma, da Universidade de Pádova e da UCS. Além dos boletins, a obra inclui a legislação de 1901, editada pelo Ministério das Relações Exteriores e a legislação sobre emigração e imigração, que regulamenta as terras públicas, no Estado do Rio Grande do Sul, o que oportuniza informações sobre a regulamentação da emigração no período”.

Vania Beatriz Merlotti Herédia bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1984). Doutora em História das Américas pela Universidade de Gênova. Pós-doutora em História Econômica pela Universidade de Pádova (2002) e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013), e também, professora de graduação e pós graduação pela UCS.

Gianpaolo Romanato é professor de História Contemporânea na Universidade de Pádua e membro, desde 2007, do Pontifício Comitê de Estudos Históricos (Cidade do Vaticano). Seus temas de estudo são, em particular, a história do catolicismo nos séculos XIX e XX, a história das missões na África e na América Latina e a história da emigração.

Fonte: UCS

Adaptação: Pedro Rosano

Participe do webinar “Visibilidade Internacional em Ciências Humanas e Sociais”

123.jpg

As Ciências Humanas e Sociais (HSS) têm uma série de características que as tornam únicas no mundo da publicação científica. Em contraste com outras áreas, que tratam de objetos de pesquisa universais, os HSS lidam com seres humanos, que variam consideravelmente em contextos sociais: os efeitos de suas histórias individuais, coletivas, hábitos, etnias e culturas os tornam únicos. Isso coloca um desafio ao modelo tradicional de publicação científica, originalmente desenvolvido por (e para) as Ciências Naturais e Biomédicas. Silvia Koller, professora da UFRGS e uma das mais renomadas pesquisadores de psicologia da América Latina, discutirá as dificuldades enfrentadas pelos pesquisadores de HSS em relação à publicação e a visibilidade internacional.

O webinar acontece no próximo dia 26 de abril (quarta-feira) e as inscrições são gratuitas. Para participar, basta se inscrever no link. 

Conheça as cinco livrarias mais bonitas e excêntricas do mundo

É apaixonado por livrarias? Então com certeza que você morre de felicidade ao ver uma livraria no seu caminho e se for uma livraria bonita, melhor ainda. Que tal conhecer cinco das livrarias mais bonitas do mundo?

1. City Lights Bookstore, em São Francisco

Bookstore-01-768x432.jpg

Um canto especial para a poesia! Ela foi fundada pelo poeta Lawrence Ferlinghetti, por isso todo o segundo andar do local é dedicado a um espaço de poesia. Mas em toda a livraria há cadeiras estrategicamente colocadas para que os clientes gastem tempo para escolher qual título levar para casa.

2. Word on the Water, em Londres

Bookstore-04-768x576.jpg

Essa livraria é numa barca. Você pode subir a bordo e fuçar pela coleção (e ainda brincar com os gatos do dono do lugar), ou ficar em terra firme para assistir leituras de poesias e música ao vivo, que acontecem no teto da barca.

3. Boekhandel Dominicanen, na Holanda

Bookstore-05-768x511 (1).jpg

Além da arquitetura incrível, escolher livros dentro de uma igreja com mais de 700 anos é uma experiência que você só terá lá.

4. Libreria Acqua Alta, em Veneza

Essa livraria é facilmente um dos lugares mais memoráveis e estranhos de Veneza. A loja em si é pequena e recheada de livros que caem de gondolas, banheiras e pequenos barcos. Você pode mergulhar seus pés no canal enquanto lê ou subir uma escada feita inteiramente de livros.

5. Cook & Book, em Bruxelas

Bookstore-14-768x514.jpg

Parte livraria e parte café. A loja é dividida em nove cômodos e cada um deles contém uma seção diferente (música, ficção, infantil, viagem, HQ…). Mas o melhor de tudo é que cada seção é completamente diferente da outra e tem seu próprio design especial e único. Tem até mesmo um cômodo britânico que se parece com um pub

Fonte: Livros e Pessoas 

Por que ler ficção pode beneficiar sua carreira?

livraria.jpg

Não é segredo e nem novidade que pessoas bem-sucedidas são ávidas leitoras. Ler ajuda a se manter conectado com as novas tendências e a aprender técnicas que podem ser usadas em sua carreira. Todo ano, Bill Gates e Warren Buffett publicam as listas dos melhores livros que leram nos últimos 12 meses – e as listas sempre estão cheias de títulos de não-ficção. Mas e a ficção não é puramente entretenimento, pesquisas mostram que ler ficção pode ajudar a aumentar habilidades que são tão importantes para o trabalho quanto conhecimentos técnicos que você adquire lendo não-ficção. Veja cinco maneiras como ler romances mexe com seu cérebro.

1. Melhor raciocínio
Ler ficção pode desencadear insights que podem ajudar o trabalho além da lógica, diz Michael Benveniste, professor de inglês na University of Puget Sound. Em situações que podem estar impregnadas com emoções ou experiências passadas, ler pode ajudar a cultivar outro tipo de raciocínio. “A ficção oferece um espaço para especular sobre o papel de valores difusos como crenças, normas e experiências em contextos sociais”, diz ele.

2. Maior entendimento de problemas complexos
Pessoas que leem ficção ampliam seu entendimento sobre os outros, de acordo com um estudo da Universidade de Toronto. “Esse efeito se deve em parte ao processo de engajamento nas histórias, que incluem fazer inferências e se envolver emocionalmente, e parte aos elementos da ficção, que incluem personagens complexos e circunstâncias que talvez não encontremos no dia a dia”, escreveu Keith Oatley, professor de psicologia cognitiva da Universidade de Toronto.

3. Empatia
Imaginar a situação pela que passa um personagem pode fazer de você alguém mais empático em relação às pessoas na vida real; nós temos pensamentos e emoções que são consistentes com uma narrativa.

4. Alívio do estresse
Ler um romance é um método mais eficaz de aliviar o estresse do que ouvir música, caminhar ou tomar uma xícara de chá, de acordo com um estudoda Universidade de Sussex. Ler reduz o estresse em 68%, de acordo com o neuropsicólogo cognitivo David Lewis. Apenas seis minutos de leitura diminuía o ritmo cardíaco e reduzia a tensão muscular das pessoas que participaram do estudo.

5. Modelos fortes
Livros de ficção costumam ter personagens cujos traços são descritos em detalhes. Juliette Wells, professora da Goucher College, dá aula sobre ficção do século XIX e diz que ela consegue se aproveitar da força dos personagens de romances de Jane Austen.

Fonte: Época Negócios 

5 livros que marcaram a vida de empreendedores de sucesso

Não existe uma receita do sucesso para quem está abrindo seu próprio negócio, mas quanto mais capacitado você estiver, maior é sua probabilidade de prosperar. Confira cinco livros que marcaram a vida de cinco grandes empreendedores.

1. Bill Gates – Shoe Dog

gettyimages-625137408-e1490022536452.jpg

Bill Gates, da Microsoft, listou em seu blog os livros que mais gostou de ler em 2016. Entre eles está Shoe Dog, do cofundador da Nike Phil Knight. Segundo ele, o livro é “um lembrete honesto do que o caminho para o sucesso no mundo dos negócios realmente é: bagunçado, precário e cheio de erros.” Bill Gates destaca que Knight se abre de uma maneira que poucos CEOs estão dispostos a fazer. “Eu não acho que Knight se propõe a ensinar nada ao leitor. Em vez disso, ele faz algo melhor. Ele conta sua história o mais honestamente possível. É um conto incrível.” Quer saber quais são os blogs mais interessantes sobre negócios?Acompanhe a lista da Mandaê! Patrocinado

Título: Shoe Dog

Autor: Phil Knight

Editora: Simon & Schuster

2. Elon Musk – Einstein

size_960_16_9_elon-musk57.jpg

Elon Musk, o CEO da Tesla e da SpaceX, contou em entrevista ao Foundation que um de seus inspiradores é ninguém menos do que Albert Einstein. A biografia “explora como um criador de patentes imaginativo e impertinente —um pai enrolado em um casamento difícil que não conseguia obter um emprego como professor ou fazer um doutorado— tornou-se o leitor mental do criador do cosmos”, destaca o Business Insider.

Título: Einstein

Autor: Walter Isaacson

Editora: Companhia das Letras

3. Robinson Shiba – Dedique-se de coração

size_960_16_9_china-in-box9.jpg

O fundador da rede China in Box destacou em artigo para o Blog do Empreendedor que o livro “Dedique-se de coração” é uma de suas inspirações. O livro conta a história da Starbucks. “O livro lembra a minha trajetória profissional e me faz refletir em momentos de decisão. Para mim, a história do Starbucks Coffee Company é uma das mais notáveis do mundo dos negócios na última década”, escreveu Shiba.

Título: Dedique-se de coração

Autor: Howard Schultz

Editora: Negócio

4. Luiz Seabra – Prisões que escolhemos para viver

size_960_16_9_natura-evento1.jpg

O fundador da Natura afirmou em entrevista ao site Empresas pelo Clima que sempre cita o livro “Prisões que escolhemos para viver”, da Doris Lessing, o qual chamou de “genial”. “Quando percebi nos cosméticos a possibilidade de serem instrumentos de comunicação entre mente e corpo, tive a convicção de que a beleza não pode estar condicionada a um momento cronológico. Beleza tem a ver com a qualidade do olhar, com o olhar do outro, mas começa, sobretudo, com o olhar da gente sobre nossa própria vida. Foi assim que eu me apaixonei pela cosmética”, disse.

Título: Prisões que escolhemos para viver

Autora: Doris Lessing

Editora: Bertrand Brasil

5. Alberto Saraiva – 25 verbos para construir sua vida

size_960_16_9_alberto-saraiva-habibs2.jpg

O livro escrito pelo fundador da rede Habib’s é uma espécie de guia para empreendedores através da história profissional de Alberto Saraiva. O empresário usa verbos como conquistar, sonhar, persistir e confiar para dar conselhos sobre como evoluir nos negócios, na vida espiritual e até emocional.

Título: 25 verbos para construir sua vida

Autor: Alberto Saraiva

Editora: Planeta

Fonte: Revista Exame

A vez dos bichos na literatura: quando os animais são os protagonistas

garfield-1-800x445.jpg

Surgidas no Oriente e fortalecidas pelo autor grego Esopo, ainda no século VI a.c., as fábulas, precursoras das atuais narrativas com animais, contam histórias nas quais os bichos ganham características humanas. O macaco representa sua esperteza; o leão encarna sua força e a formiga, o trabalho. A linguagem utiliza-se, muitas vezes, da metáfora, da ironia e da emoção. No fim da narrativa, há sempre um desfecho de caráter didático, conhecido pelos leitores de fábulas como moral da história.  Monteiro Lobato, de Reinações de Narizinho, Jean de La Fontaine, de Fábulas de Esopo, Hans Christian Andersen, de O Patinho Feio e Lewis Carroll, de Alice no País das Maravilhas, são alguns escritores que ficaram conhecidos por suas narrativas fantásticas com animais.

O maior objetivo das fábulas tradicionais, e que não se difere da finalidade das atuais narrativas com animais, é que os bichos tornem-se verdadeiros exemplos de conduta para o ser humano. Ao explorarem o lado “animal” do homem e o lado “humanizado” dos bichos, as produções literárias que trazem animais no centro de sua narrativa agradam todas as idades. Veja algumas dessas obras:

  • A Viagem do Elefante (José Saramago) – 821.134.3-34 S243v
  • Alice no País das Maravilhas (Lewis Carrol) – 82-93 C319a
  • A Revolução dos Bichos (George Orwel) – 821.111-31 O79r
  • A Arte de Correr na Chuva (Garth Stein) – 821.111(73)-31 S819a
  • A Metamorfose (Franz Kafka) – 821.112.2-312.9 K11m
  • Dewey, um gato entre livros (Vicki Myron) –  821.111(73)-94 M998d

Fonte: Estante Blog 

Inscrições abertas o Programa de Bolsas Ibero-Americanas Santander

topo-ucs-internacional.png

Estudantes interessados em concorrer a uma bolsa  do Programa de Bolsas Ibero-Americanas Santander podem se inscrever até o dia 9 de junho para cursarem um semestre de graduação em uma universidade parceira da UCS e do Santander Universidades. São oferecidas 14 bolsas, que correspondem a três mil euros para cada estudante selecionado.

A realização do curso é em uma instituição de ensino superior na Espanha, em Portugal ou na América Latina. [Saiba mais]

Fonte: UCS

 

Feriado nas Bibliotecas UCS

empréstimo (2).png

Em virtude do feriado de Tiradentes, o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa que não haverá expediente nos dias 21 (feriado nacional) e 22 de abril (feriado universitário). A partir de segunda-feira (24), retornamos com os horários normais de funcionamento.

Desejamos um ótimo feriado a todos! 🙂

18 de abril: Dia Nacional do Livro Infantil homenageia autor

O dia 18 de abril é conhecido como o Dia Nacional do Livro Infantil. A data, instituída em 2002, presta homenagem ao dia do nascimento de Monteiro Lobato, o mais importante nome da Literatura Infantil brasileira.

Monteiro Lobato nasceu no dia 18 de abril de 1882, em cidade de Taubaté-SP. Durante a vida, escreveu mais de 50 obras, matade delas dedicadas ao público infantil. Dentre as mais conhecidas estão Reinações de Narizinho (1931), Caçadas de Pedrinho (1933) e O Picapau Amarelo (1939), esta última, transformada em famosa série de TV: dos anos 70 aos 80 e novamente, no fim dos anos 1990 até o início dos aos 2000, o Sítio do “Picapau Amarelo” foi um fenômeno de audiência entre as crianças.

Em suas obras, o autor também exercia papel de educador, trazendo lições e conhecimento de mitologia, matemática, geografia, agricultura, etc, sempre trazendo a tona problemas sociais e valorizando a simplicidade do homem do campo.

As Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul contam com muitas obras de Monteiro Lobato, confira algumas delas:

  • Caçadas de Pedrinho ( 82-93 L796c) 
  • Dom Quixote e as Crianças (82-93 L796d) 
  • Era uma Onça mesmo (82-93 L796e)
  • Ideias de Jeca Tatu (821.134.3(81)-34 L796i) 
  • O Picapau Amarelo ( 82-93 L796p)
  • Reinações de Narizinho (82-93 L796r) 

Biblioteca Central abre exposição “Quem Ama Cuida!”

Quem ama cuida! (2)_Página_1.jpg

O Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul inicia hoje, segunda-feira, a exposição “Quem Ama Cuida”, que tem como objetivo sensibilizar os usuários sobre a importância da conservação dos livros.

Na mostra, que ocorre na Biblioteca Central da UCS dos dias 17 de abril a 06 de maio, estão expostos exemplares com os mais diferentes tipos de mau uso.  Venha conferir e conscientize-se! =)

5 livros para cuidar do seu bem-estar

Um bom livro pode ser o nosso melhor amigo em muitos momentos da vida. No meio de uma viagem, no término de um relacionamento ou simplesmente no caminho para o trabalho. Mas e se esses mesmos títulos também funcionarem como antídoto para outros males como ansiedade e depressão?

Essa é a teoria das escritoras britânicas Ella Berthoud e Susan Elderkin, que acabam de publicar no Brasil a obraFarmácia Literária, que reúne dicas de leitura para aproximadamente 200 problemas. Confira abaixo alguns deles:


O iluminado, de Stephen King  (821.134.2(72)-31 T713e)

O-iluminado.jpgEm O iluminado, quando Jack Torrance consegue o emprego de zelador no velho hotel, todos os problemas da família parecem estar solucionados. Não mais o desemprego e as noites de bebedeiras. Não mais o sofrimento da esposa, Wendy. Tranquilidade e ar puro para o pequeno Danny livrar-se das convulsões que assustam a família. Só que o Overlook não é um hotel comum. O tempo esqueceu-se de enterrar velhos ódios e de cicatrizar antigas feridas, e espíritos malignos ainda residem nos corredores. O hotel é uma chaga aberta de ressentimento e desejo de vingança e somente os poderes de Danny podem fazer frente à disseminação do mal. Segundo as autoras, ler O iluminado pode ajudar você a se curar da bebedeira, afinal após acompanhar a transformação de Jack, você pensará duas vezes antes de abusar de bons drinques.

Livro do desassossego, de Fernando Pessoa (821.134.3-1 P475La)

Livro-do-desassossego-de-Fernando-Pessoa-209x300.jpgO narrador principal das centenas de fragmentos que compõem este livro é o ‘semi-heterônimo’ Bernardo Soares. Ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa, ele escreve sua ‘autobiografia sem factos’, sem encadeamento narrativo claro e sem uma noção de tempo definida. Ainda assim, foi nesta obra que Fernando Pessoa mais se aproximou do gênero romance. Na prosa metódica do livro, Pessoa criou um mundo; e nele faz fluir todas as suas perspectivas poéticas. De acordo com a experiência das autoras, esse romance deixa qualquer um num estado pré-sono perfeito em períodos de insônia, ao observar o ajudante de guarda-livros Bernardo Soares na sua vida incrivelmente monótona, mas cheia de sonhos.

Cem anos de solidão, de Gabriel García Márquez (821.134.2(861)-31 G216c)

Cem-Anos-de-Solidao_Gabriel-Garcia-Marquez.jpgO autor narra a incrível história da família Buendía, uma estirpe de solitários que habitam a mítica aldeia de Macondo “uma aldeia de vinte casas de barro e taquara”. A narrativa desenvolve-se em torno de todos os membros dessa família, com a particularidade de que todas as gerações foram acompanhadas por Úrsula, uma personagem centenária e uma matriarca das mais conhecidas da história da literatura latino-americana. Para as autoras, ao longo dos parágrafos, você vai se acostumar com a ideia de que a morte é natural e faz parte da trajetória de todos. Ajudando pessoas com medo de perda ou da morte.

O Grande Gatsby, de Francis Scott Fitzgerald ( 821.111(73)-31 F553g) 

o-grande-gatsby-200x300.jpgNa raiz do drama de O grande Gatsby, como nos outros livros de Fitzgerald, está o dinheiro. Mas o romantismo obsessivo de Gatsby com relação a Daisy se contrapõe ao materialismo do sonho americano, traduzido exclusivamente em riqueza. Aclamado pelos críticos desde a publicação, em 1925, O grande Gatsby é a obra-prima de Scott Fitzgerald, ícone da “geração perdida” e dos expatriados que foram para a Europa nos anos 1920. Para as autoras, os leitores poderão entender por meio da obra que ninguém nunca está satisfeito, não importa quanto dinheiro tenha na conta.  Com o tempo, nós percebemos que há coisas que o dinheiro não compra – trabalhando a sofrência na conta bancária.

Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa (821.134.3(81)-31 R788g)

grande-sertão-veredas-203x300.jpg

Cansado da cidade? Então mergulhe na prosa do sertanejo Riobaldo. Na obra, Guimarães Rosa reinventa a língua e eleva o sertão ao contexto da literatura universal, compondo o cenário de uma narrativa lírica e épica, uma lição de luta e valorização do homem, que foi eleito um dos cem livros mais importantes de todos os tempos pelo Círculo do Livro da Noruega.

Fonte: Estante Virtual

Documentary Addict: a maior biblioteca on-line de documentários

documentaryaddict.jpg

Documentary Addict é um portal onde encontramos mais de 5 mil documentários, todos possíveis de assistir gratuitamente; o catálogo é vasto e incluí títulos da VICE e BBC.

Os documentários encontram-se organizados em várias categorias, dezenas delas, de drogas a biografias, sem esquecer música, ambiente, economia, guerra, religião, filosofia, sexo, tecnologia e etc. Você ainda navegar pelas listas de melhores documentários, onde encontra os 50 melhores classificados, os 50 mais vistos e os obrigatórios de 2015, por exemplo.

Apesar de os vídeos estarem alojados em plataformas externas como o Vimeo e o YouTube, no Documentary Addict você tem acesso a uma ficha completa sobre cada filme, assim como uma classificação de 1 a 10.

Para conferir, basta acesse: documentaryaddict.com.

Fonte: Shifter

Consegue descrever o que cheira um livro antigo? Ferramenta inédita ajuda a traduzir o cheiro em palavras

mw-860.jpg

Não se avalia um livro pela capa, mas… e pelo cheiro? Apesar de ser um dos primeiros aspetos que salta “à vista” num livro antigo, descrever a que cheira não é fácil. Num novo estudo, publicado no Heritage Science, um grupo de investigadores britânicos, da Universidade de Londres, tentou criar uma série de diretrizes para caracterizar, e até, possivelmente, recriar, cheiros antigos, recorrendo a um dos mais inequívocos: o dos livros.

Para isso, criaram uma ferramenta semelhante à que existe para classificar os vinhos, a que chamaram “Roda dos Aromas dos Livros Históricos”.

Em laboratório, a equipe fez uma análise química dos compostos orgânicos voláteis emitidos pelos livros, uma vez que o papel é conseguido atrás da madeira e se encontra em constante decomposição, libertando compostos químicos que se misturam, formando um aroma único. Através desta análise, os investigadores conseguiram analisar a “assinatura química” dos livros.

Com essa informação, esperam os autores do estudo, liderados por Matija Strlič, poderá ser mais fácil perceber o estado real de um livro e as possíveis ameaças à sua integridade. “Os cheiros têm informação sobre a composição química e a condição de um objeto”, explica Matija Strlič, ao Smithsonian.com.

Com a ajuda de visitantes do Museu e Galeria de Arte de Birmingham e de um painel de pessoas recrutadas para cheirar livros na história biblioteca de Wren, na Catedral de São Paulo, a equipa da Universidade de Londres levou depois a cabo uma análise sensorial. Aos visitantes do museu, foram apresentados oito aromas, que incluiam café, mercado de peixe e um livro antigo. Os participantes tinham de responder a um questionário, que incluia uma descrição dos cheiros.

Ao outro grupo foi pedido que descrevessem o que cheiravam quando entravam numa biblioteca, a partir de 21 aromas possíveis, como “amêndoa” ou “chocolate” mas podendo também usar as suas próprias palavras.

Se as palavras mais usadas pelos visitantes do museu para descrever o cheiro dos livros foram “chocolate”, “café” e “antigo”, os “cheiradores” escolheram descrições como “madeira”, “fumo” e “terra”. Foi a partir desta análise que os investigadores criaram a “Roda dos Aromas”.

Fonte: Livros e Pessoas

Mapa literário: o escritor mais importante de cada Estado

Os livros nos apresentam a lugares que, mesmo quando reais, talvez nunca visitaremos, nos transportam para enredos que não podemos mudar e nos deixam íntimos de personagens cujos sotaques, hábitos, personalidades e aparências são adaptações de alguém, releituras de várias pessoas coladas em um determinado tempo e espaço.

É essa junção de elementos que faz a obra de Jorge Amado ser sinônimo de Bahia e a de Érico Veríssimo de Rio Grande do Sul, é isso que faz a literatura ser um dos mais importantes símbolos para a formação da identidade cultural de um lugar.

Pensando nisso, selecionamos os 26 autores mais representativos de cada estado brasileiro. Nossa seleção se baseou em número de prêmios ganhos, participações em Academia de Letras de suas respectivas federações, cobrança nos vestibulares locais, número de traduções para línguas estrangeiras e, é claro, se o autor é reconhecido por sintetizar a identidade de cada estado — não sendo determinante seu local de nascimento. – ah, e muitos deles estão disponíveis nas bibliotecas da UCS, só anotar o número de chamada e retirar!

mapa-dos-escritores6.png

SUL
– Rio Grande do Sul: Érico Veríssimo (O Tempo e o Vento, 1949)    (821.134.3(816.5)-311.6 V517ta)

– Santa Catarina: Cruz e Sousa (Broquéis, 1893)                                              (821.134.3(81).09 S725c)

– Paraná: Dalton Trevisan (O Vampiro de Curitiba, 1965)                                  (821.134.3(81)-32 T814v)

mapa-dos-escritores5.png

NORDESTE
– Paraíba: Ariano Suassuna (O Auto da Compadecida, 1955)                                (821.134.3(81)-2 S939a)

– Pernambuco: Clarice Lispector (A Hora da Estrela, 1977)                                    (821.134.3(81)-31 L771h)

– Rio Grande do Norte: Madalena Antunes (Oiteiro – Memórias de uma sinhá-moça, 1958)

– Bahia: Jorge Amado (Gabriela Cravo e Canela, 1958)                                           (821.134.3(81)-31 A481g)

– Sergipe: Vladimir Souza Carvalho ( Feijão de Cego, 2009)

– Ceará: Rachel de Queiroz (O Quinze, 1930)                                                            (821.134.3(81)-31 Q3q)

– Alagoas: Graciliano Ramos (Vidas Secas, 1938)                                                  (821.134.3(81)-31 R175v)

– Piauí: Carlos Castello Branco ( O Arco de Triunfo, 1959)

– Maranhão: Aluísio Azevedo (O Cortiço, 1890)                                                               (821.134.3(81)-31 A994cb)

mapa-dos-escritores4.png

NORTE
– Pará: Olga Savary (Sumidouro, 1977)

– Amazonas: Milton Hatoum (Dois Irmãos, 2002)                                             (821.134.3(81)-31 H364d)

– Rondônia: Otávio Afonso (Cidade Morta, 1980)

– Tocantins: José Concesso (Meu Primeiro Picolé, 2004)

– Acre: Márcio Souza, (Galvez, Imperador do Acre, 1976)

– Amapá: Manoel Bispo Corrêa (Cristais das Horas, 1978)

– Roraima: Nenê Macaggi (Água Parada, 1933)

mapa-dos-escritores3.png

SUDESTE
– São Paulo: Mário de Andrade (Macunaíma, 1928)                                          (821.134.3(81)-31 A553m)

– Rio de Janeiro: Machado de Assis (Memórias Póstumas de Brás Cubas, 1881) (821.134.3(81)-31 A848m)

– Minas Gerais: Guimarães Rosa (Grande Sertão Veredas, 1956)                (821.134.3(81)-31 R788g)

– Espírito Santo: Rubem Braga (50 Crônicas Escolhidas, 1951)

mapa-dos-escritores2.png

CENTRO-OESTE
– Mato Grosso do Sul: Miguel Jorge (Veias e Vinhos, 1981)

– Mato Grosso: Manoel de Barros (Livro sobre Nada, 1996)                                   (821.134.3(81)-1 B277L)

– Goiás: Cora Coralina (Poemas dos Becos de Goiás e estórias mais, 1965)

– Distrito Federal: Renato Russo (Faroeste Caboclo, 1987)                                 (821.134.3(81)-1 C787p)

Fonte: Superinteressante  

10 Filmes baseados em livros que ganharam o Óscar

O Óscar é uma das premiações de maior prestígio dentro da indústria cinematográfica mundial. Porém, pouca gente sabe que muitas das histórias que emocionaram pessoas pelos cinemas de todo o mundo são adaptações de obras literárias.

Selecionamos os 10 filmes baseados em livros que ganharam estatuetas do Óscar e se consagraram eternamente como grandes clássicos do cinema mundial. Confira:

1. O Poderoso Chefão (821.111(73)-31 P994p)

godfather_tmb_1_c.jpg

Este clássico do cinema, dirigido por Francis Ford Coppola, foi lançado em 1972 e indicado a nove categorias do Óscar de 1973: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Mixagem de Som, Melhor Figurino, Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora.

“O Poderoso Chefão” levou os prêmio de Melhor Filme, Melhor Ator (Marlon Brando) e Melhor Roteiro Adaptado.

O filme foi baseado na obra “O Poderoso Chefão” de Mario Puzo, lançado inicialmente em 1969.

2. A Lista de Schindler (821.111(94)-311.6 K33L)

20103846.jpg

Dirigido por Steven Spielberg, “A Lista de Schindler” é um dos filmes mais emocionantes sobre o Holocausto.

Lançado em 1993, este filme norte-americano foi nomeado para doze categorias do Óscar de 1994.

Entre todas as indicações, “A Lista de Schindler” conquistou sete prêmios: Melhor Filme, Melhor Diretor (Steven Spielberg), Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Montagem, Melhor Fotografia e Melhor Direção de Arte.

O roteiro do filme é baseado no romance Schindler’s Ark, do australiano Thomas Keneally, lançado inicialmente em 1982.

3. Um Estranho no Ninho (821.111(73)-31 K42e)

318008_c.jpg

Este filme é baseado no romance “One Flew Over The Cuckoo’s Nest” (“Um Estranho no Ninho”, na tradução para o Brasil), de Ken Kesey e lançado em 1962.

A versão cinematográfica foi dirigida por Miloš Forman e lançada em 1975.

No Óscar de 1976, o filme foi indicado para nove categorias, vencendo cinco: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator (Jack Nicholson), Melhor Atriz (Louise Fletcher) e Melhor Roteiro Adaptado.

4. Hamlet (821.111-2 S527h)

mpw_23482.jpg

A clássica peça de teatro escrita pelo icônico poeta e dramaturgo inglês William Shakespeare, entre 1599 e 1602, ganhou a sua primeira adaptação cinematográfica em 1948.

Com direção de Laurence Olivier, Hamlet foi indicado em sete categorias no Óscar de 1949.

Foi vencedor de quatro prêmios: Melhor Filme, Melhor Figurino – preto e branco, Melhor Direção de Arte – preto e branco e Melhor Ator (Laurence Olivier).

5. Onde os Fracos Não Têm Vez

21007978_20130523175557996.jpg

Com direção dos Irmãos Coen (Ethan Coen e Joel Coen), “Onde os Fracos Não Têm Vez”, lançado em 2007, foi inspirado na obra “No Country for Old Men”, de Cormac McCarthy.

Na premiação de 2008, este filme levou quatro estatuetas pelas categorias de: Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Ator Coadjuvante (Javier Bardem) e Melhor Roteiro Adaptado.

6. Dança com Lobos

danc3a7a_com_lobos_c.jpg

Baseado no livro “Dances With Wolves”, de autoria do norte-americano Michael Blake, “Dança com Lobos” foi um grande êxito, sendo indicado para doze categorias no Óscar de 1991.

Com direção de Kevin Costner, o filme venceu sete prêmios: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Fotografia, Melhor Montagem, Melhor Trilha Sonora, Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Roteiro Adaptado.

7. O Paciente Inglês (821.111(71)-31 O58p) 

be6517a2240c6a3b0fabe40c003860c1.jpg

“O Paciente Inglês”, com direção de Anthony Minghella, foi vencedor de nove prêmios no Óscar de 1997.

Este filme foi baseado na obra homônima (“The English Patient”), do canadense Michael Ondaatje.

Os prêmios conquistados foram: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Atriz Coadjuvante (Juliette Binoche), Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia, Melhor Figurino, Melhor Edição, Melhor Trilha Sonora de Drama e Melhor Mixagem de Som.

8. Grande Hotel (821.112.2-31 B347g) 

mpw_20927.jpg

Outro clássico imperdível para os admiradores da sétima arte! “Grande Hotel”, lançado em 1932 e com direção de Edmund Goulding foi o grande vencedor do Melhor Filme na entrega dos Óscars em 1932.

O filme é baseado no romance Menschen im Hotel (título original), publicado em 1929, e de autoria da escritora austríaca Vicki Baum.

9. O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (821.111-312.9 T649s)

20224867.jpg

Este é um dos filmes com maior número de indicações e prêmios recebidos na história da premiação do Óscar!

“O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei” é o terceiro e último filme da série “Senhor dos Anéis”. Com direção de Peter Jackson, este clássico da fantasia conquistou onze estatuetas na premiação de 2004!

Todos os filmes da série “O Senhor dos Anéis” foram baseados nos livros de J.R.R. Tolkien, premiado escritor inglês. O último livro desta série (O Retorno do Rei) foi inicialmente publicado em 1955.

No total, o filme foi indicado a 11 categorias, vencendo todas: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado, Melhores Efeitos Visuais, Melhor Direção de Arte, Melhor Edição, Melhor Figurino, Melhor Maquiagem, Melhor Mixagem de Som, Melhor Trilha Sonora e Melhor Canção Original.

10. O Pianista

o_pianista_c.jpg

A emocionante autobiografia do músico polaco Wladyslaw Szpilman foi a base para a criação deste filme, dirigido pela renomado Roman Polanski.

“O Pianista” foi indicado para sete categorias do Óscar 2003, vencendo como: Melhor Diretor (Roman Polanski), Melhor Ator (Adrien Brody) e Melhor Roteiro Adaptado.

As memórias de Szpilman foram inicialmente publicadas no livro “Morte de Uma Cidade” (Śmierć Miasta, título original).

Fonte: Pensador

Feriado nas Bibliotecas UCS

empréstimo (1).png

Em virtude do feriado de Páscoa, o Sistema de Bibliotecas da Universidade de Caxias do Sul informa que não haverá expediente nos dias 14 (sexta-feira santa) e 15 de abril (feriado universitário). A partir de segunda-feira (17), retornamos com os horários normais de funcionamento.

Desejamos a todos uma feliz Páscoa, repleta de paz e prosperidade! =)

Conheça a base de dados internacional NDLTD

ndltd.jpg

A Networked Digital Library of Theses and Dissertations (NDLTD) é uma organização internacional dedicada a promover a criação, uso, disseminação e preservação de teses e dissertações online.

O website inclui pesquisas de nível acadêmico voltadas as mais diversas áreas do conhecimento.

Para ter acesso a base, entre no site oficial da UCS, clique em “biblioteca”, após “base de dados”, role o mouse até “Fontes de Acesso Livre”, clique em “Internacionais” e por fim em NDLTD.

13 escritores africanos que você precisa conhecer

286x429x4vs2lfCJxbZTOMRInwczzBGREICBhie7j81ZuH1JxoDBeDKN53IFwwvVNZ1VYwro2dVlmy8hWOpGFtaN.jpg.pagespeed.ic.atK2CaD6Ib (1).jpegA escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adiche  está entre os autores com livros mais vendidas, em 2017. O motivo é a sua obra “Para educar crianças feministas” : escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de se tornar mãe de uma menina, o livro traz conselhos simples e precisos de como oferecer uma formação igualitária a todas as crianças, o que se inicia pela justa distribuição de tarefas entre pais e mães. E é por isso que este breve manifesto pode ser lido igualmente por homens e mulheres, pais de meninas e meninos.

Confira abaixo, outras obras africanas e seus autores e surpreende com a qualidade de cada uma delas:

014_015_ga309.jpg

 

Fonte: Galileu