(Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

Em janeiro deste ano, a Biblioteca Pública de Nova Iorque adicionou mais de 180 mil itens ao seu acervo digital – entre eles, fotografias e gravuras raras do Brasil do século 19.

O lançamento é resultado de um dos maiores projetos de digitalização de acervo já realizados no mundo e inclui documentos valiosos, como manuscritos dos escritores americanos Walt Whitman e David Thoreau. Também foram feitas mudanças no portal do acervo digital, onde os itens estão disponíveis — a ideia é facilitar e encorajar usuários a explorar as novas coleções, segundo o blog da NYPL.

Entre os novos itens relacionados ao Brasil, estão as fotos do livro The Negro in the New World, escrito pelo explorador britânico Sir Harry Johnston e publicado em Londres em 1910. Johnston nunca esteve no Brasil, mas tinha “informantes” no país — ao menos é o que diz o escritor Gilberto Freyre, que menciona o funcionário colonial britânico no livro Casa Grande e Senzala, publicado no Brasil em 1933.

“Trabalhadores negros brasileiros em escavação de mina de diamante, Lençóis, Brasil Oriental”. New York Public Library, domínio público (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

“Trabalhadores negros brasileiros em escavação de mina de diamante, Lençóis, Brasil Oriental”. New York Public Library, domínio público (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

“Negros brasileiros (e luso-brasileiros) fazendo garimpo aluvial de diamantes”. New York Public Library, domínio público (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

“Negros brasileiros (e luso-brasileiros) fazendo garimpo aluvial de diamantes”. New York Public Library, domínio público (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

As fotos, provavelmente tiradas logo após a abolição da escravidão no Brasil, retratam o cotidiano da população negra do país, sobretudo na Bahia.

Outro item disponibilizado pela Biblioteca é o “Livro de Figurinos do Exército Imperial Brasileiro de 1866″, um documento do exército obtido pelo médico holandês H. J. Vinkhuijzen no século XIX. O médico montou uma enorme coleção de uniformes militares do mundo inteiro, que foi doada à Biblioteca em 1911.

“Caçador à pé, uniforme pequeno de inverno”. Da Coleção Vinkhuijzen de uniformes militares. New York Public Library, domínio público. (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

“Caçador à pé, uniforme pequeno de inverno”. Da Coleção Vinkhuijzen de uniformes militares. New York Public Library, domínio público. (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

Há também uma gravura da partida de Dom Pedro II de Nova Iorque em 1876, após a sua viagem de três meses no Estados Unidos (o diário de Dom Pedro desta jornada, por sua vez, está disponível no site do Museu Imperial, do Rio de Janeiro). A gravura, de autor desconhecido, foi publicada pelo semanário literário Frank Leslie’s Illustrated Newspaper, impresso nos EUA entre 1852 e 1922.

“Nosso visitante imperial — partida para a Europa de Dom Pedro II, imperador do Brasil, no navio ‘Rússia’, 12 de Julho”. Publicado no Frank Leslie Illustrated Newspaper em 1876. New York Public Library, domínio público (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

“Nosso visitante imperial — partida para a Europa de Dom Pedro II, imperador do Brasil, no navio ‘Rússia’, 12 de Julho”. Publicado no Frank Leslie Illustrated Newspaper em 1876. New York Public Library, domínio público (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

Outro item, este de quando o Brasil já era uma república, é um perfil de Getúlio Vargas publicado pela revista do jornal norte-americano The New York Times, em 1942. Já as pinturas do artista alemão Johann Moritz Rugendas, que esteve no Brasil no anos 1820, foram digitalizadas pela primeira vez em alta resolução.

“Vargas do Brasil”, publicado pela revista do New York Times em 11 de janeiro de 1942. New York Public Library, domínio público. (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

“Vargas do Brasil”, publicado pela revista do New York Times em 11 de janeiro de 1942. New York Public Library, domínio público. (Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

Além da digitalização, o NYPL Labs, divisão de iniciativas digitais da Biblioteca, também lançou outros três projetos: O Mansion Builder, um jogo em que é possível explorar plantas de apartamentos nova iorquinos da virada do século 20; um ‘Google Street View’ da 5ª avenida de 1911; e o Trip-Planner, que combina uma ferramenta de mapas com endereços recomendados pelo Green Book — um guia de viagem publicado entre 1936 e 1966 com indicações de hotéis e restaurantes nos Estados Unidos em que afro-americanos eram bem vindos.

(Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

(Foto: Reprodução/Biblioteca Pública de Nova Iorque)

O Global Voices já destacou outros documentos valiosos disponibilizados pela Biblioteca relacionados ao Vietnã, Japão e Índia.

>> Veja mais aqui

Fonte: GGN via CRB6 

Anúncios

Um comentário em “Biblioteca de Nova York digitaliza imagens raras do Brasil imperial

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s