Cengage Learning reúne documentos históricos disponibilizados pelo Portal de Periódicos da Capes em uma Landing Page

4

Seis bases históricas, com coleções pertencentes à história de diversos países, estão acessíveis na página para todos os brasileiros

Com objetivo de ampliar o acesso a conteúdos históricos de diversas partes do planeta, a Cengage Learning, líder em soluções integradas de aprendizagem, reuniu todo o acervo em uma Landing Page. O acesso aos conteúdos é permitido, em todo o Brasil, por meio da assinatura realizada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível de Superior do Ministério da Educação (Capes/MEC), de materiais e serviços oferecidos pela Cengage Learning.

As coleções, disponíveis no Portal de Periódicos da Capes, foram divididas em bibliotecas virtuais que também podem ser encontradas na Landing Page da Cengage Learning –  http://www.cengage.com.br/solucoesdepesquisas/. Os materiais podem ser acessados a partir de qualquer computador conectado à Internet. As bibliotecas estão disponíveis em seis plataformas de navegação, conheça:

- National Geographic Virtual Library (NGVL) – O nome mais confiável do jornalismo na exploração e descoberta, a NGVL suporta uma gama de pesquisa acadêmica nas áreas de ciência, história, tecnologia, meio ambiente, cultura e muito mais.

- Sabin Americana – Com base na bibliografia do marco de José Sabin, a coleção contém trabalhos sobre as Américas publicados em todo o mundo a partir de 1500 até o início de 1900. Contém mais de 6 milhões de páginas de 29 mil obras.

- The Economist Historical Archive (EHA) – Edição fac-símile totalmente pesquisável de The Economist, jornal semanal, é uma leitura essencial para pessoas envolvidas na política, atualidades e todos os aspectos do negócio e do comércio em todo o mundo. A coleção contém cada edição desde o seu lançamento em 1843.

- World Scholar: Latin America and the Caribbean – Reúne documentos primários digitalizados com foco na história da América Latina e do Caribe de volta para o início de 1800 até o período contemporâneo provenientes de coleções nos Estados Unidos da América (EUA).

- The Financial Times Historical Archive – Aborda negócios diários do mundo, com artigos e propagandas impressos no papel desde 1888 podem ser pesquisados e visualizados. Considerada uma ferramenta de pesquisa fundamental, abrangente e imparcial para todos que estudam assuntos públicos, e da história econômica e financeira dos últimos 120 anos.

- Nineteenth Century Collections Online (NCOO) – Recurso inovador para estudos do século XIX, NCCO é uma digitalização global de vários anos e publicação de programa focada em coleções de fontes primárias ao longo do século XIX.

Com o banco de dados em sua Landing Page, a Cengage Learning proporciona fácil acesso a esses recursos e ferramentas necessárias para integrar uma pesquisa de qualidade. Para realizar buscas no site da biblioteca desejada, basta digitar a palavra ou termo na caixa de texto que aparece na página inicial de cada biblioteca. Em caso de pesquisas mais específicas, o usuário deve clicar na opção “Advanced Search” ou “Pesquisa Avançada” e limitar a pesquisa por meio da combinação dos critérios que precisar, bem como data de publicação, tipo de conteúdo, entre outros.

Para conhecer as bibliotecas, acesse o Portal de Periódicos da Capes http://www.periodicos.capes.gov.br, ou a Landing Page http://www.cengage.com.br/solucoesdepesquisas/.

Fonte: Cengage Learning

“Cite This For Me” resolve parte dos seus problemas com o TCC

Pare de xingar as regras e faça uso da ferramenta que faz a sua bibliografia por você

Diz a lenda que 9 entre 10 estudantes odeiam as regras ABNT, e depois de superarem a confecção do TCC, ainda precisam se esmerar na revisão para garantir que as referências foram citadas corretamente para não tomar um puxão de orelha da banca avaliadora.

Para acabar com o drama de graduandos, mestrandos e acadêmicos em geral, a dica é usar o Cite This For Me, uma ferramenta que eu tristemente não conheci durante a faculdade.

A partir da interface, é possível escolher que tipo de referência você quer colocar na bibliografia, preencher os campos e apertar um botão para que o sistema coloque tudo na ordem correta, inserindo páginas e outros detalhes das normativas de formatação de trabalhos acadêmicos.

cite-this-for-me

Depois de tudo preenchido, basta fazer o download da sua bibliografia, organizada do jeitinho que deveria ser. A interface pode ser utilizada em inglês, espanhol, francês, italiano e alemão e dá para escolher o ‘estilo de citação’ desejado, que inclui a ABNT.

referencias-b9-cite-this-for-me

Fonte: Brainstorm9

Biblioteca de Vacaria – não haverá expediente em 22 de outubro – Feriado Municipal

Em virtude do feriado de Emancipação do Município de Vacaria,  não haverá expediente na biblioteca do Campus de Vacaria (CAMVA), no dia 22 de outubro, próxima quarta-feira.

Todos os empréstimos feitos em CAMVA com data de devolução para este dia serão transferidos para quinta-feira, dia 23 de outubro.

Em caso de dúvidas, entre em contato através do telefone (54)3218-2173, e-mail bice@ucs.br ou Twitter@bibliotecaucs.

Descobertos poemas e pequenos contos inéditos de Truman Capote

 

capote zeit

 

Nova York, verão de 2014, Truman Capote havia morrido há 30 anos, mas duas pessoas acreditavam que ele poderia surpreender o mundo mais uma vez. Por isso, a jornalista Anuschka Roshani e seu marido, o editor Peter Haag, editores da obra de Capote em alemão, viajaram de Zurique para os Estados Unidos. Foram à procura de uma coisa que a maioria dos especialistas em Capote nem acreditavam que existisse.

Truman Capote morreu em 25 de agosto de 1984 na casa de sua velha amiga Joanne Carson, ex-mulher do apresentador de TV Johnny Carson, em cujo programa Capote era convidado frequente. Um dia antes de morrer, o escritor entregou à Joanne a chave de um armário de estação de ônibus, mas não especificou sua localização. Lá, disse Capote, estavam textos e cartas, material que seu editor acreditava estar no cofre de um banco, mas que ele resolveu colocar em uma estação. “Parece que ele quis ter uma diversão após a morte”, diz Anushka Roshani. Pois era esse material que a dupla, em princípio, estava buscando.

O que eles acabaram encontrando, no entanto, foi um outro tesouro. Na biblioteca pública que fica na antiga propriedade de Capote, Anuschka e Peter depararam com 34 caixas de papelão com quase 50 anos de escrita. Com uma lupa em mãos – porque a letra de Capote era minúscula –, eles começaram a vasculhar incansavelmente os papéis. Até que encontraram algo que os deixou satisfeitos: uma dúzia de poemas escritos quando Capote tinha entre 14 e 17 anos. Alguns foram publicados há mais de 70 anos, em um jornal do ensino médio, mas a maioria nunca viu a cor de uma tinta impressa. Além dos poemas, também foram encontradas vinte histórias curtas criadas muito antes do autor escrever “Bonequinha de Luxo”.

Mas como foi possível que tal preciosidade ficasse escondida em uma biblioteca durante 30 anos? A explicação é falta de verba para contratar um bibliotecário ou pesquisador que catalogasse o material.

Ao ler as histórias recém descobertas se percebe que Truman Capote era precocemente talentoso. Há belos textos sobre solidão, amor, crime e morte. Temas que depois seriam explorados em sua escrita. Muitos deles têm como cenário o sul dos EUA, onde ele passou a infância.

Agora, o próximo passo do casal é vasculhar todas as estações de ônibus americanas.

Em 2015, este material será reunido e publicados em inglês pela editora Random House, em Nova York, e em alemão pela Kein & Aber, editora de Peter. Mas se você lê em alemão atenção para boa notícia: quatro destas histórias inéditas serão publicadas na edição 42 da revista “ZEIT magazin” que sai na próxima quinta-feira, 9 de outubro, e pode ser lida online. :-)

Fonte: L&PM Blog

Aumenta o número de estudos de grande impacto publicados em revistas fora do ‘grupo de elite’

Análise do Google Scholar mostra que trabalhos de qualidade estão sendo mais citados pela comunidade científica, mesmo quando publicados em revistas com fator de impacto menor. Pesquisa publicada na PLoS One comprova que internacionalização aumenta o impacto das pesquisas

Painel de publicações na biblioteca do prédio de Ciências Naturais da UC Berkeley. Foto: Herton Escobar

Trabalhos publicados em revistas de alto impacto são mais visíveis e têm maiores chances de serem citados; isso é fato. Nem tudo, porém, está perdido para aqueles que publicam seus trabalhos em revistas mais modestas; como é o caso da maioria dos cientistas brasileiros. Dados de um levantamento feito pela equipe do Google Scholar mostra que o número de trabalhos publicados em revistas de menor impacto e que aparecem entre os mais citados do mundo vem crescendo substancialmente nos últimos anos.

Eles olharam para os anos de 1995 a 2013 e elaboraram duas listas: uma com os mil artigos mais citados em cada ano desse período, em seis grandes áreas do conhecimento; e outra, com as 10 revistas de maior impacto (maior número de citações) nesse mesmo período, consideradas como o “grupo de elite” da literatura científica mundial.

Depois, compararam essas duas listas e observaram que o número de trabalhos (entre os 1.000 mais citados) que foram publicados em revistas de fora do “grupo de elite” aumentou de 149 para 245 — um crescimento de 64%. Ou seja: a maior parte dos artigos mais citados continua vindo das revistas de maior impacto (“a elite”), mas a participação de trabalhos publicados em revistas de menor impacto no grupo dos “top mil citados” aumentou de quase 15%, em 1995, para cerca de 25%, em 2013.

Outro resultado interessante do estudo, que indica a mesma tendência, é que o número de citações atribuídas a trabalhos publicados em revistas “não elite” em 2013 foi equivalente a 47% (quase metade) do total de citações da literatura científica naquele ano, comparado a 27%, em 1995. Ou seja: os cientistas não só estão publicando mais artigos de melhor qualidade em revistas de menor impacto, como esses artigos estão sendo mais notados e citados pela comunidade científica como um todo. Mesmo que o trabalho não seja publicado numa revista do chamado “grupo de elite”, ele pode se tornar uma publicação de grande impacto por conta própria, se tiver qualidade e relevância suficientes para isso.

É uma boa notícia para os cientistas brasileiros, que ainda têm grande dificuldade para emplacar trabalhos nas revistas de maior impacto, por diversos motivos — entre eles, o baixo grau de internacionalização e relevância global da ciência nacional.

Quanto mais estrangeiros, maior o impacto

E aliás, falando (mais uma vez) em internacionalização: Um artigo publicado dias atrás na revista PLoS One reforça ainda mais a tese de que quanto mais internacionalizado for um projeto de pesquisa, melhor.

Os autores (entre eles Emilio Bruna, um ecólogo mexicano com fortes raízes científicas no Brasil, professor da Universidade da Flórida) revisaram  as estatísticas bibliográficas de 1,25 milhão de artigos publicados entre 1996 e 2012, em oito áreas do conhecimento (física de matéria condensada, matemática, química analítica, genética e hereditariedade, ecologia, evolução, psicologia e geologia) e demonstraram, estatisticamente, que quanto maior o número de países representados entre os autores de um trabalho, maior a chance desse trabalho ser publicado numa revista de alto impacto e de ele ser mais citado — mesmo se publicado numa revista de menor impacto.

“As colaborações internacionais aumentam muito o impacto individual dos pesquisadores”, disse Bruna ao Estado. “Precisamos enfatizar isso. As implicações para os cientistas, agências de financiamento e governos são claras: com quem você colabora é importante, mas não há dúvida de que a promoção da colaboração internacional traz uma série de benefícios importantes para os pesquisadores que, no final, se traduzem em maior visibilidade científica, qualidade, e impacto.”

No caso da Ecologia, segundo ele, o estudo mostra que o impacto (medido pelo número de citações) dos trabalhos brasileiros nessa área tende a ser maior do que o esperado para as revistas nas quais eles são publicados — o que corrobora, também, o cenário descrito pelo estudo do Google Scholar. “Ou seja, os ecólogos brasileiros não chutam alto o suficiente na hora de submeter seus trabalhos. Precisam tentar as melhores revistas possíveis”, avalia ele.

O estudo da equipe do Google Scholar foi divulgado no site pré-publicação arxiv.org (ainda sem revisão por pares) e pode ser obtido aqui:http://arxiv.org/pdf/1410.2217.pdf

O estudo de Bruna e colaboradores na PLoS One pode ser acessado aqui: http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0109195

Esse post foi inspirado numa notícia publicada pelo blog ScienceInsider, da AAAS:http://goo.gl/yOIiIe

Fonte: Blogs Estadão

Dificuldades para escolher o tema do TCC? Confira essas dicas e saiba o que fazer

Conheça as etapas para a escolha e comece sua pesquisa

Todo final de ano, os universitários que estão se encaminhando para o último ano enfrentam o mesmo drama: o que pesquisar para o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso)?

Realmente, a escolha não é nada fácil. O tema precisar ter embasamento teórico e material suficiente para dar fôlego à sua pesquisa, é obrigatório considerar as condições financeiras e o tempo disponível para a realização do trabalho. Além disso, é melhor que seja algo que você goste para que a pesquisa não se torne um grande sacrifício.

O importante para fazer a escolha certa é pensar em etapas.

Tenha mais de uma opção

Longe de ser sinal de indecisão, trabalhar com vários tópicos é o primeiro passo para uma escolha consciente. Faça uma lista com pelo menos 3 temas de seu interesse, em ordem de preferência. Dessa forma, se você tiver algum problema com sua primeira opção, sempre há um plano B.

Pesquise antes de escolher

Antes de propor o tema para sua pesquisa, certifique-se de que ele é viável. Pesquise quantas fontes, entre livros, documentos, artigos, filmes e até mesmo sites você pode dispor. Apesar de a internet ser uma fonte vital de informações, não é adequado basear toda a sua monografia nela. Se você encontrar apenas material online, repense sua escolha e escolha outro tema da sua lista, conforme indicado na dica anterior.

Confira se seu tema ainda não foi abordado

Uma das maiores frustrações de pesquisadores é descobrir que seu tema já foi objeto de estudo de outra pessoa. Para evitar a decepção de elaborar um projeto de pesquisa e descobrir que ele não é válido, faça pesquisas acadêmicas e use como base os arquivos das instituições de ensino (principalmente a sua).

2º UCS Portas Abertas

Domingo, 19 de outubro, das 14h às 18h, no Campus Universitário de Caxias do Sul.

Neste domingo, a UCS abre suas portas para que a comunidade possa conhecer os diferentes ambientes de ensino, pesquisa e extensão que compõem a infraestrutura universitária e qualificam as ações da Instituição. Em todos os blocos, professores, funcionários e estudantes estarão esperando pelos visitantes, para apresentar a nossa Universidade e seus cursos de graduação, pós-graduação e extensão, proporcionando-lhes uma nova percepção do meio acadêmico.

Durante toda a tarde, a Biblioteca Central, o Museu de Ciências Naturais, o UCS Aquarium, o Zoológico, a Central de Atendimento, o Serviço de Psicologia Aplicada e os demais espaços universitários estarão de portas abertas para receber os visitantes, que poderão participar de visitas orientadas aos laboratórios, palestras, workshops, oficinas de orientação vocacional, aulas demonstrativas e atividades culturais para todas as idades.

Quem se interessa por jogos digitais poderá participar do Game Show, com distribuição de brindes, e palestras sobre o tema, no Bloco M. No UCS Cinema será exibido, com entrada franca, o filme “Frozen, uma aventura congelante”. E, no estacionamento da UCS TV, haverá atividades de lazer com animação de DJ, no mesmo espaço, onde pela manhã haverá o tradicional Concerto da Primavera, a partir das 10h30min, com a Orquestra Sinfônica da UCS.Você é parte essencial da nossa Universidade e, mesmo que já a conheça bem, fique à vontade para participar da programação deste domingo. Convide sua família e seus amigos e venha passar um domingo agradável no Campus.Confira a programação do evento no site da UCS.

Fonte: Assessoria de Comunicação UCS

A Biblioteca Central funcionará das 14h às 18h.